Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Cláudia Rodrigues Chibinski

Ciências da Saúde

Odontologia
  • avaliação clínica e laboratorial de diferentes protocolos restauradores para dentes com hipomineralização molar incisivo (hmi)
  • A hipomineralização molar incisivo (HMI) é uma condição que afeta aproximadamente 14% da população mundial e está relacionada com dificuldade de adesão devido às alterações na estrutura do esmalte, que resultam longevidade diminuída das restaurações, portanto o estudo de protocolos alternativos de adesão para dentes portadores de MIH é fundamental. Além dessa questão, os pacientes portadores de MIH estão propensos a apresentarem maiores níveis de sensibilidade dental e dor odontológica, o que afetar os níveis de ansiedade relacionada ao tratamento odontológico. Portanto, o objetivo desta pesquisa é avaliar restaurações realizadas a partir de diferentes protocolos restauradores em molares portadores de hipomineralização molar incisivo por meio de critérios laboratoriais (estudo in vitro) e longevidade (ensaio clínico randomizado). Esta pesquisa será desenvolvida em duas etapas. Na primeira etapa, um estudo laboratorial será desenvolvido. A amostra será constituída por 40 dentes portadores de hipomineralização com cárie de dentina (ICDAS 5 e 6) e 40 molares hígidos obtidos em banco de dentes humanos. Os dentes serão aleatoriamente divididos em 4 grupos (n=10): Grupo 1 – aplicação de adesivo universal; Grupo 2 – aplicação de NaOCl prévia à aplicação do adesivo universal; Grupo 3 – aplicação de agente infiltrante prévia à aplicação do adesivo universal; Grupo 4 – aplicação de NaoCl e agente infiltrante prévia à aplicação do adesivo universal. Cavidades padronizadas serão preparadas nos molares saudáveis e lesões de cárie em dentina serão produzidas artificialmente pelo método de ciclagem de pH. Em seguida, eles serão divididos aleatoriamente em 4 grupos e receberão exatamente os mesmos protocolos de adesão descritos previamente. Todos os protocolos adesivos serão realizados com adesivo universal (Scotchbond Universal Adhesive) e as restaurações com resina composta nanohíbrida (Filtek Z350). As interfaces adesivas serão avaliadas a partir dos critérios de microinfiltração, nanodureza e microtração, além da análise qualitativa em MEV. Palitos de todas as condições serão armazenados em saliva artificial a 37C para reavaliação após 12 meses. A segunda etapa do estudo será um ensaio clínico randomizado. Pacientes portadores de MIH, com idades entre 8 e 12 anos, serão selecionados, compondo uma amostra de 250 molares afetados com cavidades de cárie em dentina (ICDAS 5 e 6), que serão divididos aleatoriamente em 5 grupos (n=50) conforme os protocolos de adesão já descritos, além de um grupo controle com restaurações de ionômero de vidro de alta viscosidade (CIV) (Equia Forte). As restaurações em resina composta serão realizadas com isolamento absoluto e remoção parcial de tecido cariado; as restaurações em CIV seguirão o protocolo das restaurações atraumáticas. As restaurações serão avaliadas no baseline, aos 6, 12 e 24 meses por fotografias padronizadas; as restaurações em resina composta serão avaliadas segundos os critérios USPHS modificado e as restaurações em CIV segundos os critérios de avaliação de ARTs. Todas as restaurações serão realizadas por dois operadores treinados nos protocolos a serem testados e as avaliações serão realizadas por um avaliador treinado e calibrado, que não participará no atendimento clínico dos pacientes. O grau de ansiedade dental gerado no momento do atendimento de pacientes portadores de MIH também será avaliado por meio do Venham Picture Test modificado; este teste será aplicado antes e logo após dos tratamentos restauradores. Da mesma forma, será avaliado o auto relato de dor de origem dentária antes e depois da realização dos tratamentos propostos, utilizando-se a Faces Pain Scale Revised (FPS-R). Com a realização deste projeto de pesquisa, espera-se esclarecer qual o protocolo adesivo mais adequado para restauração de dentes portadores de MIH, verificando-se se os achados laboratoriais são refletidos na clínica. Quanto aos níveis de ansiedade dental das crianças, espera-se que esses sejam maiores previamente ao tratamento e que diminua gradativamente nas consultas de controle clínico. No que diz respeito ao autorrelato de dor dentária, espera-se que, ao longo do tratamento e das consultas de controle, ele apresenta níveis cada vez menores.
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Claudia Trocoli Torrecilhas

Ciências Biológicas

Parasitologia
  • o papel de exossomos e microvesículas de macrófagos humanos infectados por trypanosoma cruzi na resposta imune do hospedeiro
  • Vesículas liberadas por células foram descritas no início da década de 80, embora já no ano de 1967 tenha sido observada a liberação de “produtos de plaquetas” em soro humano. Atualmente, sabe-se que a grande maioria das células liberam diferentes tipos de vesículas extracelulares (EVs) que são responsáveis por uma variedade de efeitos biológicos EVs são liberadas por todos os tipos de células, e podem ser encontradas em diferentes fluidos e secreções corporais (plasma, leite materno, sêmen, saliva, urina, líquido aminiótico, bile e fezes). EVs são também liberadas por diversos organismos causadores de doenças controlando a interação entre o patógeno e as células do hospedeiro. Já foram descritas EVs de protozoários parasitas, tais como: Leishmania donovani, T. cruzi, Trypanosoma brucei, Plasmodium spp., Trichomonas vaginalis, Toxoplasma gondii e Eimeria. Em trabalhos anteriores mostramos que vesículas isoladas de T. cruzi possuem glicoproteínas da família da gp85/Trans-sialidases que são ancoradas à superfície do parasita via glicosilfosfatidilinositol. Foram encontradas também proteínas estruturais, associadas ao citoesqueleto, com similaridade as heat shock proteins (HSP); proteases, a maioria da classe das gp63 e proteínas associadas ao flagelo e envolvida em alguns processos metabólicos, no processamento de ácidos nucleicos e formação de vacúolos. Entretanto, o papel isolado de cada um destes componentes na ativação de células do sistema imune só é conhecido para as mucinas e trans-sialidasese que estão envolvidas nas etapas de adesão do parasita às células de mamífero. Verificamos também que o tratamento dos animais com estas vesículas aumenta a parasitemia e aceleraram a mortalidade. Observamos um aumento de infiltrados inflamatórios e o número de ninhos de amastigotas no tecido cardíaco, bem como exacerbação da fase aguda da infecção. Mais recentemente verificamos que as EVs de T. cruzi atuam na organização do compartimento imune inato nas fases iniciais da infecção e também em esplenócitos de fase crônica. Mais ainda, as EVs isoladas de distintas cepas de graus de virulência diferentes, como as cepas YuYu e CL-14 aumentam a produção de citocinas pró-inflamatórias e de NO nos macrófagos via TLR2. Todos os isolados foram capazes de ativar a cascata de sinalização das MAPKs (incluindo p38, ERK 1-2 e JNK). Esses dados indicam que vesículas das distintas cepas possuem diversidade nos componentes de superfície e são determinantes nos eventos imunopatológicos não só nas primeiras etapas da infecção, mas também na invasão e na fase crônica da infecção pelo T. cruzi. No entanto, pouco se sabe se as células infectadas pelo parasita, ou que interagiram com vesículas do parasita, também produzem vesículas que poderiam modular a progressão da infecção. Resultados preliminares de nosso grupo mostraram efeitos variáveis de EVs de duas cepas do T. cruzi em monócitos da linhagem THP-1 pré-ativados com Phorbol-12-myristate-13-acetate. Detectamos um aumento diferencial na expressão de genes, sendo alguns deles relacionados a resposta imune (veja figura 1). O objetivo deste projeto será verificar se estes macrófagos ou macrófagos infectados por diferentes cepas de T. cruzi secretam EVs e se estas EVs têm diferentes papeis imunomoduladores. Como isto poderemos compreender em maiores detalhes como o parasita consegue modular a resposta imune do hospedeiro e se estas diferenças estariam relacionadas com os diferentes padrões de infecção e estabelecimento da Doença de Chagas em modelos experimentais.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Clécia Santos de Alcântara

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • materiais híbridos nanoestruturados a base de pontos quânticos de carbono como carreadores de moléculas quimioterápicas no tratamento do câncer.
  • O câncer é considerado um grave problema de saúde nos países desenvolvidos e emergentes, sendo classificado como a segunda causa de morte de pessoas no planeta, de acordo com os últimos relatórios da Organização Mundial da Saúde. Dentre as várias substâncias quimioterápicas empregadas no tratamento de cânceres sólidos, o 5-Fluorouracil tem demonstrado atividades biológicas importantes, porém o seu emprego por vias orais de administração se torna inviável devido às altas concentrações requeridas em doses contínuas, provocando um conjunto de sintomas que são altamente desconfortáveis ao paciente. Este quadro constitui um verdadeiro desafio científico e tecnológico que requer a busca de novos tratamentos e melhores terapias antitumorais por via oral de administração para fármaco 5-Fluorouracil. Dentro desta perspectiva, observa-se nos últimos anos que métodos terapêuticos do câncer estão cada vez mais baseados na nanotecnologia, onde o emprego de nanopontos de carbono (CNDs) como nanocarreadores de agentes quimioterápicos tem atraído considerável atenção devido a sua biocompatibilidade, baixa toxicidade e propriedades de fotoluminescência, a qual é extremadamente interessante para análises de bioimagem no tratamento do câncer. Por outro lado, associado aos CNDs, podemos preparar sistemas híbridos onde a molécula de 5- Fluorouracil se encontre confinada em uma matriz inorgânica do tipo hidróxido duplo lamelar (HDL), na qual é amplamente empregada em biomedicina, obtendo assim um sistema híbrido e único de liberação oral a base de CNDs e HDL. Neste projeto, propomos a preparação, caracterização e avaliação in vivo e in vitro de sistemas híbridos de liberação do quimioterápico 5-Fluorouracil a base de CNDs e HDL para o tratamento do câncer. Espera-se que este sistema promova a liberação do fármaco de uma forma mais controlada e com melhor aproveitamento do 5-Fluorouracil pelo organismo, trazendo um maior conforto ao paciente, devido a uma menor quantidade de quimioterápico utilizado, o que é essencial para o sucesso na cura do câncer. Além disso, a intensa fotoluminescência apresentada pelos CNDs podem permitir que eles sejam aplicados na obtenção de imagem em sistemas biológicos, e assim, estas estruturas podem atuar também como uma plataforma para diagnóstico e tratamento do câncer mediante ensaios de bioimagem. Cabe destacar que proposta pode ser caracterizada como inovadora, desde que abarca o desenvolvimento de novos sistemas capazes de administrar por via oral fármacos que já são consagrados na terapêutica contra o câncer, e por graves problemas adversos são apenas administrados por via cutânea, provocando dor e desconforto ao paciente. Outro aspecto relevante da proposta é o seu aspecto altamente tecnológico, desde que os custos para o desenvolvimento de novos fármacos para administração oral para este tipo de tratamento é um grande desafio para a indústria farmacêutica atual, o que torna a pesquisa nesta área de química de materiais nanoestruturados para fins biomédicos, altamente interessante e promissor.
  • Universidade Federal do Maranhão - MA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina de Almeida Fernandes

Ciências Sociais Aplicadas

Planejamento Urbano e Regional
  • 35 anos da política de informática (1984-2019) uma visão crítica da "modernização sem mudança" no país da desigualdade
  • O progresso técnico traz consigo perigos inerentes que põem em risco a própria reprodução da humanidade e da natureza (a exemplo das tecnologias da guerra, entre tantas outras). Sua “naturalização" por ideologias positivistas no mundo contemporâneo requer, portanto, o enfrentamento do fenômeno numa perspectiva crítica, para a qual as contribuições das ciências humanas são necessárias. Parte do arcabouço teórico em que se sustenta a presente proposta de pesquisa, compreende o “pessimismo revolucionário” de Benjamin (1978), Ellul (1965) e Habermas (1967), o qual pode causar estranhamento aos defensores da “cultura oficial” introjetada na política de CT&I contemporânea, mas a estes não escapará o reconhecimento de que as mudanças disruptivas decorrentes da chamada Quarta Revolução Industrial, cujas tecnologias digitais, de inteligência artificial, automação e robótica, biotecnologia e edição de DNA, novos materiais e a convergência entre várias delas, vêm provocando impactos extraordinários no mundo do trabalho (FREY; OSBORNE, 2013), na produção industrial, nos serviços e na agricultura (WEF, 2018) e mesmo nas formas de vida no planeta (DAS, 2017). Ao longo deste processo de tecnificação, o progresso técnico desenvolveu e aperfeiçoou capacidades e competências, racionalidades, valores e padrões de comportamento que, enfim, produziram um tipo de organização social favorável à sua reprodução ampliada e que transcendem a esfera econômica. É neste contexto avançado do progresso técnico que o termo inovação vai se destacar, assim como o enfoque sistêmico com que tem sido observado pelo olhar do cientista social contemporâneo, e incorporado ao campo das políticas públicas. Nas economias de mercado, o valor atribuído às capacidades inovativas das empresas cresce à medida que são compreendidas como fator primordial da ideia de desenvolvimento (aquela derivada da racionalidade própria do progresso técnico). E como tais capacidades não são igualmente distribuídas no território, sendo intrinsicamente associadas à formação econômico-territorial sobre a qual se forjou e se reproduzem os diferentes contextos socioeconômicos, concentram-se, portanto, em poucos países e regiões. Constitui-se uma divisão de trabalho entre os que lideram a produção continuada de novas técnicas e induzem sua extensiva difusão àqueles outros onde são replicadas e consumidas, como observa Furtado (1977). Tal divisão de trabalho se evidencia particularmente nas chamadas Grandes Ondas Kondratieff que marcam a emergência e difusão de paradigmas tecnológicos de abrangência universal. Definidoras da quinta Grande Onda, ou 5º. Kondratieff, e permanecendo centrais no 6º Kondratieff que já se avizinha na visão de muitos analistas, as tecnologias de informação e comunicação (TIC) podem ser consideradas indutoras da "evolução" desse processo de tecnificação no sentido do aprofundamento da digitalização da sociedade, da economia e mesmo da vida. Sua importância neste processo tem sido traduzida em políticas públicas de CT&I nos quatro cantos do planeta, que as entendem como paradigma tecnológico que, por pervasivo e emergente, abre oportunidades a novos atores econômicos, setores industriais, mobilizando esforços e investimentos públicos e privados, acadêmicos e empresariais (FERNANDES; MELO, 2017). No Brasil não é diferente, observando-se movimento crescente que compreendeu empresários, parlamentares e pesquisadores em torno do desenvolvimento de uma indústria brasileira de informática ainda na primeira metade dos anos 1970, movimento que culmina com a promulgação da "Política Nacional de Informática" (Lei no. 7.232/84), em 1984. Para promoção da indústria de informática no país, de hardware e de software, a política acompanhou originalmente a lógica da industrialização por substituição de importações prevalecente então no Brasil. Em 1991, com a abertura comercial, a PNI é alterada significativamente pela “nova lei de informática” (8.248/91), abolindo qualquer tratamento diferenciado às empresas de capital nacional, retirando as restrições às importações e focando no estímulo fiscal (isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados à indústria de informática e no investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Em contrapartida, a empresa devia aplicar o equivalente a, no mínimo, 5% do faturamento bruto em P&D no país. Desse total, a empresa deveria aplicar ao menos 2,3% em projetos com universidades ou institutos de pesquisa, sendo o restante aplicado em projetos internos. A nova lei continha também instrumento de política regional, ao direcionar 0,8% dos 2,3% de recursos destinados a P&D externo a instituições de pesquisa localizadas no Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Segundo diversas análises, porém, os resultados têm sido frustrantes. Mesmo tendo naturalizado a tecnificação de todas as esferas da vida, a sociedade está hoje confrontada a desafios éticos e materiais nunca antes colocados pelo progresso técnico, reconhecidos inclusive por seus promotores, como Klaus Schwab, idealizador do Fórum Econômico Mundial. O presente projeto objetiva realizar uma reflexão nesta perspectiva crítica, tomando como estudo de caso a chamada Política Nacional de Informática, criada originalmente em 1984, mas que vem, desde então sendo objeto de diversas alterações que expressam adequação não apenas a mudanças no contexto da globalização desde os anos 1990, mas também a interesses de atores nacionais e estrangeiros que dela se beneficiam. O estudo tem como objetivos específicos construir arcabouço teórico a partir do diálogo entre diferentes contribuições do pensamento nas ciências humanas; caracterizar o contexto espaço-temporal em que ocorre a emergência da política e suas alterações; identificar os principais atores envolvidos, seus interesses e percepções com relação à política de informática brasileira, de modo a levantar neles uma problematização que permita inspirar contribuições ao seu aperfeiçoamento.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Ana Cristina de Souza Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Serviço Social
  • desafios do enfrentamento da aids em pernambuco, em tempos de ajuste neoliberal e desmonte do sistema único de saúde
  • A pesquisa analisa o enfrentamento da epidemia de HIV/Aids em Pernambuco, Nordeste do Brasil, a partir de indicadores de saúde que apontam o crescimento entre homens, a incipiente redução da aids entre mulheres, e o aumento da mortalidade. A tendência mundial aponta para resultados opostos, diante da adoção de diretrizes de prevenção combinada para o enfrentamento da doença e da maior proivisão gratuita de antiretrovirais. Neste estudo, busca-se explorar como as desigualdades sociais e contradições do capitalismo tardio têm implicações no trato da aids em Pernambuco, supondo-se que as variações regionais expressam redução de recursos para HIV/Aids diante do avanço neoliberal, mas também características culturais, socioeconômicas, assimetrias de gênero e raciais, desenho de políticas nacionais, estaduais e municipais, expondo as condições de desigualdade e pobreza da região Nordeste. A pesquisa orienta-se pelo materialismo histórico-dialético, com coleta de dados empíricos sobre as ações desenvolvidas nos serviços públicos voltados para pessoas soropositivas e de prevenção à epidemia entre a população geral e populações-chave. Diante do agravamento da epidemia no Estado, as unidades de análise da pesquisa são os dez municípios com maiores prevalências de HIV/Aids. A reflexão teórico metodológica passa pelas tendências contemporâneas da política social no capitalismo tardio, em que o acesso aos recursos do fundo público destinados às políticas de reprodução social se torna campo de disputa de acumulação de capital, por meio de privatização não-clássica. Para a produção de dados primários serão realizadas entrevistas semi-estruturadas e em profundidade e grupos de discussão. Também será realizada coleta e análise documental de documentos administrativos, técnicos e políticos dos municípios analisados e do Governo do Estado que versam sobre as repostas do Estado. A equipe de pesquisa é formada por pesquisadores situados na academia e trabalhadores dos serviços de referência em HIV/Aids nos municípios, com experiências anteriores de trabalho conjunto, e discentes/pesquisadores em formação de graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado. Pretende-se contribuir para a melhoria dos indicadores de aids em Pernambuco, a partir da discussão dos determinantes do avanço da epidemia, identificando-se os desafios a enfrentar e propondo novas estratégias de enfrentamento à epidemia que, na contramão da história, avança em Pernambuco.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-31/08/2022