Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Angela Terezinha de Souza Wyse

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • impactos do ácido fólico em condições patológicas durante o neurodesenvolvimento
  • A nutrição materna é um dos fatores mais importantes para o neurodesenvolvimento e o metabolismo da prole. O ácido fólico (AF) e a metionina são elementos dietéticos essenciais, pois o AF é cofator no metabolismo da metionina, aminoácido fundamental para a síntese proteica, DNA, RNA e reações de metilação. Para prevenir defeitos do tubo neural, muitos países incluindo o Brasil, recomendam suplementação de AF (400 ug / dia) no primeiro trimestre da gravidez (Organização Mundial da Saúde, 2015). Porém, muitas gestantes ainda recebem tratamento diário com 5 mg de AF, ou seja, uma dose 10 vezes superior à recomendada. Recentemente, tem-se demonstrado que a ingestão experimental excessiva de AF durante a gestação pode causar alterações de longo prazo na prole (Bahous et al., 2017). Dando continuidade a linha de estudos desenvolvida pelos proponentes, o objetivo do projeto é estudar o impacto da suplementação de AF, nas doses recomendada e excessiva, durante toda a gestação sobre possiveis alterações em parâmetros comportamentais, bioquímicos e morfológicos em encéfalo da prole de ratas Wistar submetidos a modelos experimentais gestacionais, ou perinatais, de aminoacidopatias e de esquizofrenia. Estudos in-vitro serão realizados em culturas celulares ou fatias de tecido nervoso. Nossa hipótese é de que a suplementação excessiva de AF causará alterações no neurodesenvolvimento da prole através do metabolismo da metionina/homocisteina, afetando a epigenética e a homeostasia mitocondrial/redox/inflamatória, impactando na fisiopatologia dos modelos estudados. O projeto também contempla um eixo de estudo em humanos com o objetivo de avaliar, por meio de questionário aplicado a gestantes, como se dá o uso da suplementação com AF durante a gestação, incluindo o padrão de consumo de alimentos e farinhas fortificadas com AF.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Angelica Beate Winter Boldt

Ciências Biológicas

Genética
  • projeto microbiogen: associação da microbiota intestinal com marcadores (epi)genéticos e metabólicos de doenças crônicas não transmissíveis
  • A microbiota apresenta papel crucial no eixo intestino-cérebro, produzindo metabólitos que modulam mecanismos epigenéticos e regulam a expressão gênica. A disbiose intestinal está associada a susceptibilidade aumentada a doenças crônicas, frequentemente vinculadas à síndrome metabólica (SM - dislipidemias, hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabetes e obesidade). Porém, a sua interação com variantes (epi)genéticas ainda é pouco compreendida e explorada do ponto de vista terapêutico e preventivo. Logo, pretende-se avaliar a associação entre composição da microbiota intestinal, variantes (epi)genéticas e marcadores metabólicos com a qualidade da saúde mental/neurológica e a propensão ao câncer, no contexto da SM. Este objetivo está vinculado ao projeto multicêntrico MedEpiGen de prevenção da SM no Paraná, aprovado no PPSUS, que pretende desenvolver um painel de marcadores (epi)genéticos e metabólicos de fácil identificação e alta relação custo/benefício para detectar indivíduos sob risco e prevenir o desenvolvimento da SM. Está igualmente vinculado ao projeto Mennogen de levantamento genético-epidemiológico de doenças crônicas na população menonita, geneticamente isolada há quase 500 anos, que apresenta prevalência significativamente superior à brasileira para o câncer, artralgia, depressão, asma brônquica e doença celíaca e efeito fundador predisponente a estas doenças e a doenças cardiovasculares e HAS. Dentre os 600 indivíduos coletados no projeto MedEpiGen com e 600 sem SM, pretende-se coletar 500 amostras fecais na faixa etária entre 35 e 64 anos, dos que apresentam transtornos neurológicos (epilepsia, migrânea crônica), depressão e câncer, e 70 entre os que tem mais de 65 anos, dos que apresentam Alzheimer, submetendo as amostras ao sequenciamento do rRNA 16S bacteriano para quantificação da microbiota intestinal, para avaliar sua possível associação com as doenças supracitadas e ajudar a esclarecer a interação ecológica com o seu (epi)genoma.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 25/04/2022-30/04/2025
Foto de perfil

Angelica Carvalho Di Maio

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • iv olimpíada brasileira de cartografia: ciência e arte
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 31/12/2020-31/12/2022
Foto de perfil

Angélica da Conceição Oliveira Coelho

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • uso de equipamentos de proteção individual pelos profissionais de saúde da atenção primária à saúde no combate a covid 19
  • A pandemia do COVID-19 se originou na China ao final de dezembro de 2019 e foi declarada como emergência de saúde pública global por causa da alta transmissibilidade do vírus e rápido espalhamento por quase todos os países do mundo. O Brasil é o segundo colocado em número de casos confirmados na região das Américas. A transmissão da COVID-19 ocorre de pessoa a pessoa por meio de gotículas respiratórias e/ou contato direto de um indivíduo infectado, sintomático ou assintomático, com um indivíduo suscetível. Para conter a transmissão algumas medidas globais de saúde pública vêm sendo adotadas, como isolamento de casos e contatos, distanciamento social, e disponibilização de recursos humanos e materiais para os serviços de saúde. Profissionais de saúde são mais susceptíveis à contaminacao do que a populacao geral pois atuam diretamente na assistência aos sintomáticos respiratórios, assintomáticos e pré-sintomáticos (que também transmitem o vírus). Estes profisionais, que atuam na linha de frente no combate à COVID-19 tem sofrido impactos negativos da doença, como contaminacao, adoecimento e morte. Assim, o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) é fundamental para a segurança destes profissionais, que devem ter habilidades e competências para o uso correto dos EPIs. Contudo, verifica-se que, de maneira geral, uso de EPI por trabalhadores da área de saúde não é adotado de maneira eficaz por todos os profissionais. A Atenção Primária à Saúde (APS) é a principal porta de entrada do Sistema Único de Saúde e cobre até 80% dos atendimentos em saúde no país, sendo assim crucial na resposta à surtos e epidemias, como a que estamos vivenciando. Desta forma, a adesão, e uso rigoroso e adequado de EPI por profssionais da APS é fundamental para a contenção da epidemia e para a proteção dos próprios profissionais. O objetivo do estudo é avaliar a adesão e o uso adequado de EPIs pelos profissionais dos serviços de APS e os fatores de risco relacionados. Trata-se de estudo transversal descritivo e analítico. Os participantes do estudo serão todos os profissionais atuantes na APS dos municípios brasileiros que aceitarem participar livremente. Os dados serão coletados por meio de questionário estruturado autoaplicável elaborado no Google Forms, ferramenta de acesso gratuito. O link para acessar o questionário será enviado para os profissionais por e-mail e/ou por meio de aplicativos de smartphones. Antes da aplicação, o questionário será submetido a validação de conteúdo por especialistas na área. O tratamento e análise dos dados serão realizados no Software SPSS. Para análise dos dados será utilizado a estatística descritiva, associação e concordância. Espera-se que este estudo contribua para a elaboração de políticas públicas no Brasil relacionadas a segurança dos profissionais de saúde da APS. O adoecimento desses profissionais impactaria de forma negativa na assistência aos usuários dos serviços de saúde, pois o profissional infectado assintomático poderia atuar como fonte de infecção e quando sintomático teria que ser afastado das atividades laborais. Além disso, dependendo das características individuais tem o risco de ter formas graves da doença e inclusive evoluir para óbito. Acredita-se que os achados deste estudo podem ser considerados cruciais para o planejamento de ações de educação quanto a adesão e uso correto e racional dos EPIs.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 16/07/2020-15/08/2022
Foto de perfil

Angelica Maria Penteado Martins Dias

Ciências Biológicas

Zoologia
  • inct dos hymenoptera parasitóides
  • O INCT-HYMPAR continuará sendo um centro de investigação e gestão da biodiversidade brasileira, idealizado para apoiar os esforços para o seu conhecimento e promover a sua sustentabilidade. O Instituto trabalhará sob a premissa de que a melhor maneira para conservar a biodiversidade é estudá-la, valorizá-la e aproveitar as oportunidades que esta oferece para melhorar a qualidade de vida do homem. Será uma organização que envolverá universidades, empresas, institutos de pesquisa e outras entidades públicas e privadas nacionais e internacionais.Seu trabalho se relacionará principalmente a inventários e monitoramento ambiental utilizando espécies de Hymenoptera parasitoides dos ecossistemas de mata atlântica, cerrado, amazonia, caatinga, pantanal e agroecossistemas; conservação com finalidade de proteção e uso sustentável da biodiversidade pelo setor público e privado; comunicação e educação, disseminando informação e conhecimento da biodiversidade em diferentes segmentos da sociedade, mediante projetos de extensão que buscarão fortalecer o componente ambiental de ações e decisões da população; bioinformática , desenvolvendo e aplicando ferramentas para apoiar os processos de geração, administração, análise e disseminação de dados sobre a biodiversidade, disponiveis em bancos de dados; bioprospecção, buscandoo uso sustentável e aplicação comercial dos recursos da biodiversidade, por meio de convênios de investigação para a busca de espécies bioindicadoras, de importância para o controle biológico, substâncias químicas, genes, que possam ser utilizados principalmente pelo setor agrícola. Em sua primeira versão, esse INCT foi uma iniciativa de um grupo de pesquisadores atuando na região sudeste brasileira. Nesta nova proposta, vários novos grupos nacionais e internacionais foram incluídos, conferindo ao INCT uma característica mais integrativa para ampliar o conhecimento da biodiversidade, dos mecanismos de conservação e o desenvolvimento sustentável, além da formação de recursos humanos. Nessa integração buscaremos aplicar o conhecimento científico da biodiversidade a atividades educacionais e econômicas como a agricultura e ecoturismo e o desenvolvimento de mecanismos de prestação de serviços ambientais.Nesta nova proposta são incluídos estudos em outras áreas da America do Sul, Das instituições brasileiras participantes, cinco deverão incluir coleções de Hymenoptera parasitoides; três em fase adiantada de informatização. Muitas espécies desconhecidas continuarão sendo descobertas e descritas a partir de novas amostragens em áreas endêmicas e vulneráveis, nunca pesquisadas antes sobre esse assunto. Haverá continuidade, do estudo da dinâmica estacional de espécies de insetos fitófagos e parasitoides abrangendo, regiões de diferentes altitudes. A investigação em regiões de elevada altitude de Mata Atlântica tem revelado, como esperado, a constatação de que nelas existe fauna bem menos comum em relação a áreas de altitudes mais baixas.Devido a parcerias estabelecidas com outras instituições brasileiras, houve expansão das atividades do INCT para as regiões Centro-Oeste (Universidade Católica Dom Bosco - áreas de cerrado, Pantanal e agroecossistemas), Nordeste (Universidade Estadual de Feira de Santana e Embrapa Meio Norte – áreas de caatinga; Embrapa Semiárido, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Universidade Federal de Alagoas, Embrapa Agroindústria Tropical - agroecossistemas), Norte (Embrapa Acre – área de floresta amazônica) e Sul (Universidade Federal do Paraná, Universidade Estadual de Londrina, EMATER, Universidade do Estado de Santa Catarina, Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Universidade Federal da Fronteira Sul, Universidade Federalde Pelotas, Embrapa Uva e Vinho – agroecossistemas). Essas novas parcerias incluem colaboração com alguns pesquisadores que tiveram a sua formação acadêmica no âmbito do INCT –HYMPAR /Sudeste.Daremos continuidade à compilação do conhecimento sobre relações entre aranhas e himenópteros parasitoides no Brasil. Trata-se de uma linha de pesquisa totalmente nova no Brasil, já que até a criação do instituto todos os estudos a respeito de interações entre aranhas e parasitoides, incluindo manipulação comportamental, haviam sido feitos no exterior. Sistemas integrados de produção agrícola tem aumentado significativamente sua inclusão no cenário produtivo brasileiro. Com esses sistemas é possível restabelecer serviços ambientais que haviam sido perdidos nos sistemas de produção convencionais, baseados em monoculturas. Os estudos do INCT têm mostrado de que maneira o controle de pragas pode ocorrer em sistemas integrados, identificando organismos-chaves nesses processosNesta nova proposta continuaremos integrando as atividades do INCT a grupos internacionais de pesquisa, disponibilizando, nos diferentes meios de divulgação, os resultados obtidos em pesquisa, ensino e extensão. Continuaremos também aproximando as atividades acadêmicas da comunidade em geral, integrando pesquisa e educação. Haverá uma maior colaboração com pesquisadores de instituições estrangeiras propiciando a conclusão de vários manuscritos submetidos e a troca de informações, visando a implementação de projetos futuros de colaboração. Os serviços ambientais em sistemas agroflorestais terão continuidade, com a participação na capacitação de pesquisadores entomologistas do Brasil e da África em controle biológico, com instalação de biofábricas com o objetivo de fornecer insetos para o controle de pragas de milho em substituição a agroquímicos. A capacitação para estrangeiros será ampliada, com a inclusão de pelo menos uma universidade do Peru, com estudantes e pesquisadores dispostos a se especializar no conhecimento dos Hymenoptera parasitoides.Serão desenvolvidos novos protocolos para trabalhos de campo e laboratório, incluindo estudos de sequenciamento genético.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 26/11/2016-30/11/2024