Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Aiala Vieira Amorim

Ciências Agrárias

Agronomia
  • análise integrada da qualidade do solo, fisiologia e pós-colheita de cultivares de abóbora em diferentes manejos agroecológicos
  • A exploração dos ecossistemas naturais, juntamente com o crescimento exponencial da população mundial, que favorece a demanda por novas áreas para agricultura e pecuária, tem desencadeado uma maior quantidade de áreas degradadas no mundo. Um dessas áreas é o bioma Caatinga, o qual vem sofrendo intenso desmatamento em virtude de manejos inadequados. Uma forma de buscar a sustentabilidade agrícola é a realização de cultivos associados à mata nativa, podendo as espécies de cucurbitáceas ser promissoras nesta prática. Neste contexto, o objetivo geral desse projeto será avaliar, de forma integrada, as respostas edáficas, fisiológicas e a qualidade pós-colheita de três variedades de abóbora (Cucurbita moschata) submetidas a diferentes manejos agroecológicos, com vistas à obtenção de subsídios para estabelecimento de um manejo promissor dessa hortaliça em condições de campo. No estudo serão utilizados dois sistemas de cultivo e três cultivares de abóbora, distribuídas em um delineamento de parcelas subdivididas. O experimento será realizado durante três anos sucessivos onde serão avaliados: as condições edáficas (físicas, químicas e biológicas), determinações fisiológicas nas plantas (crescimento e trocas gasosas) e qualidade pós-colheita (características físicas e físico-químicas dos frutos). O estudo será realizado em uma área localizada no município de Acarape, Ceará. Espera-se identificar o melhor manejo agroecológico para o desenvolvimento das cultivares de abóbora, contribuir para a formação de recursos humanos, realizar atividades de integração e publicar os resultados da pesquisa, mediante a elaboração de artigos, monografias, dissertações, palestras e seminários.
  • Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - CE - Brasil
  • 01/06/2017-31/05/2021
Foto de perfil

Ailton Reis

Ciências Agrárias

Agronomia
  • diversidade de isolados de pythium obtidos de hortaliças no brasil, gama de hospedeiros e sensibilidade ao fungicida mefenoxam
  • A olericultura representa importante setor da agricultura brasileira, em especial pela relevante participação das hortaliças na alimentação de boa qualidade, geração de empregos e retorno financeiro em pequenas áreas. Apesar de ser um mercado altamente diversificado em termos de produtos, cerca de 12 espécies de olerícolas - entre elas a batata, o tomate, a cebola, a cenoura, a alface, as folhosas da família Brassicaceae e as cucurbitáceas representam mais de 80% do valor total gerado pelos hortigranjeiros. A cadeia produtiva de hortaliças possui vários entraves ao aumento da produção e/ou qualidade do produto em razão principalmente das mudanças climáticas já presenciada nos últimos anos, custo dos insumos e incidência de pragas e doenças. Diversos problemas fitossanitários ainda desafiam e limitam a produtividade e qualidade de diversas culturas, merecendo destaque patógenos habitantes do solo em razão da dificuldade de controle. Dentre esses, os oomicetos compõe um grupo de organismos heterotróficos compreendendo várias espécies fitopatogênicas, principalmente dentro dos gêneros Phytophthora e Pythium. Oomicetos do gênero Pythium estão entre os patógenos mais comumente distribuídos no solo, sendo geralmente polífagos e de rápido desenvolvimento. Estes patógenos causam diversas doenças em hortaliças, sendo as principais o tombamento de mudas e podridões de raiz. A dificuldade de controle destes oomicetos em hortaliças deve-se principalmente à ampla gama de hospedeiras (isto dificulta o emprego de rotação de culturas), à reduzida oferta de fungicidas registrados e o surgimento de populações resistentes aos poucos ingredientes ativos utilizados em seu controle. O principal fungicida utilizado no controle de oomicetos, o mefenoxan, apresenta sítio de ação específico, podendo selecionar indivíduos resistentes. Assim, é importante conhecer a diversidade de espécies de Pythium que atacam hortaliças no Brasil, pois isso implica diretamente na determinação da gama de hospedeiros e a sensibilidade a fungicidas das principais espécies identificadas, visando ter suporte para decidir quais as medidas de manejo a serem implementadas. É importante mencionar que existem poucos grupos de pesquisa trabalhando com oomicetos fitopatogênicos no Brasil. No caso do gênero Pythium, praticamente não existem grupos de pesquisa trabalhando com as espécies fitopatogênicas. Um diferencial deste projeto é que a coleção representativa de isolados já está praticamente montada e o pesquisador coordenador da pesquisa localiza-se no Centro Nacional de Pesquisa de Hortaliças, que tem parceiros nas diversas regiões produtoras e ainda recebe amostras de hortaliças, para diagnose de doenças, de todo o Brasil. Estes fatores, aliados a algumas viagens pontuais, são estratégicos para a montagem de uma coleção representativa de isolados de Pythium. O objetivo deste projeto é realizar a caracterização morfológica e molecular de isolados de Pythium provenientes de diversas regiões produtoras de hortaliças do Brasil. A partir dessa caracterização, ter-se-á informação essencial para a proposição de medidas sustentáveis de controle ao se poder determinar a patogenicidade em diferentes espécies olerícolas (manejo cultural) e avaliar a sensibilidade ao fungicida mefenoxam (controle químico).
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022