Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexander Welker Biondo

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • estudo multicêntrico para a vigilância de sars-cov-2 em animais de companhia com interface à saúde única (petcovid-19 study): coorte prospectiva de mamíferos domiciliados para avaliação de risco de transmissão zooantroponótica no brasil
  • O projeto possui como objetivo geral a promoção da vigilância de SARS-CoV-2 em animais de companhia do Brasil com interface à Saúde Única. E como objetivos específicos, 1. Realizar o diagnóstico laboratorial e monitorar, longitudinalmente, a infecção em animais (cães e gatos) de tutores positivos para a COVID-19, com diagnóstico laboratorial confirmado pelo Sistema Único de Saúde; 2. Comparar e determinar as características ambientais e outros fatores associados à infecção nos animais positivos, em diferentes regiões brasileiras; e 3. Propor um fluxograma padrão e proposta de ações para o controle da COVID-19 em animais de estimação em parceria com órgãos de vigilância em saúde, em especial vigilância ambiental e zoonoses, e atenção primária, nas diferentes regiões do Brasil. O estudo será longitudinal prospectivo, com dois momentos de avaliação, sendo incluídos animais de companhia cujo tutor esteja em isolamento domiciliar, com diagnóstico laboratorial confirmado para SARS-CoV-2 por RT-qPCR ou resposta imunológica apenas por IgM (caracterizando doença ativa), até sete dias da data do diagnóstico, residente em uma das cinco capitais: Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Recife (PE) e São Paulo (SP). Serão avaliados 1.000 animais, distribuídos entre as cinco capitais e a definição do número amostral levará em conta o número de indivíduos positivos no trimestre anterior à coleta, considerando aproximadamente 10% do total de casos em humanos. Todos os tutores ou familiares voluntários receberão o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) e questionário de televigilância, a fim de determinar as características ambientais e outros fatores associados à infecção nos animais. Para análise da transmissão de SARS-CoV-2 entre humanos e seus animais, serão coletadas amostras biológicas com intervalo médio de sete dias. Amostras positivas à RT-qPCR serão submetidas ao cultivo celular para isolamento viral e posterior sequenciamento genético para análises filogenéticas. Esta é uma proposta inédita pois, até o momento, não há uma rede de colaboração de enfrentamento à SARS-CoV-2 cujo enfoque seja em Saúde Única e na promoção da articulação de ações voltadas aos animais de companhia entre as diversas regiões, envolvendo diferentes instituições de ensino e pesquisa nacionais e internacionais. Este projeto proporcionará a expansão de colaborações interinstitucionais, envolvendo diferentes universidades brasileiras e estrangeiras que já vinham sendo fortalecidas na Rede One Health Brasil (OHB), como o Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães - FIOCRUZ Recife; Universidade de São Paulo pelo Laboratório de Biossegurança NB3, Departamento de Microbiologia – ICB/USP; além de parceria com o setor de diagnóstico molecular do Laboratório TECSA/MG, com estrutura certificada necessária para o diagnóstico RT-qPCR. No âmbito internacional, ainda a London School of Hygiene and Tropical Medicine-LSHTM, University of London, UK; Purdue University, USA. Finalmente, compromisso de parceria com as respectivas Secretarias Municipais de Saúde. Considerando os recentes relatos sobre a detecção de SARS-CoV-2 em animais e a grande proximidade entre pessoas e seus animais de estimação, principalmente cães e gatos, inclusive no Brasil, torna-se importante elucidar aspectos da história natural da doença, como o possível ciclo zooantroponótico em estudo multicêntrico para a vigilância de SARS-CoV-2 em pets, em consonância com os preceitos do Sistema Único de Saúde e da Saúde Única (indissociabilidade entre saúde humana, animal e ambiental). Os resultados dos testes serão o mais brevemente possível informados aos tutores / familiares através de contato telefônico e pela emissão de laudo eletrônico, que será enviado por e-mail ou aplicativo de comunicação. Em caso de resultado positivo, os demais animais da residência também serão testados em pool por espécie animal e os familiares serão orientados a estabelecer o acompanhamento veterinário por 14 dias e intensificação das medidas de higiene e proteção individual e coletiva. A divulgação científica ocorrerá por meio das redes sociais da OHB (YouTube, Instagram, Twitter e Facebook), das Instituições envolvidas no projeto, através de folders e cartilhas, bem como por outras mídias e Instituições. A comunicação científica ocorrerá por meio de relatórios epidemiológicos enviados às respectivas Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde e pela publicação dos resultados em periódicos nacionais e internacionais. Esta pesquisa contribuirá para a tomada de decisão pelo poder público quanto a medidas de prevenção e controle da COVID-19 frente a animais de estimação como quarentena, isolamento ou outras medidas cabíveis. Espera-se estabelecer propostas de ações intersetoriais entre as instituições de pesquisa e as secretarias municipais de saúde, para que essas por meio de ações integradas entre a Vigilância Ambiental e a Atenção Primária à Saúde, possam estabelecer fluxogramas internos de atenção à saúde animal e proteção à saúde humana, intervindo no tripé homem/animal/ambiente dos diferentes territórios, no contexto da Saúde Única, atuando na comunidade em proximidade com os profissionais de saúde, qualificando o cuidado e a atenção à saúde, nos usuários do Sistema Único de Saúde. As amostras obtidas neste projeto serão preservadas a -80C, de modo a estabelecer um banco de amostras biológicas para estudos posteriores.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 17/08/2020-16/09/2022
Foto de perfil

Alexander Welker Biondo

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • saúde única e vulnerabilidade: zoonoses e sars-cov-2 em populações indígenas, seus animais e meio ambiente
  • As populações indígenas brasileiras têm historicamente enfrentado exclusão e confinamento em regiões isoladas. Desigualdades socioeconômicas, baixo nível educacionais, condições de vida complexas, entre outros determinantes sociais e de saúde, podem agravar a situação e aumentar a vulnerabilidade aos impactos das zoonoses. Nesse cenário, comunidades indígenas do Paraná e São Paulo apresentam vulnerabilidade social, crescimento da população de animais de companhia, a aglomeração de animais no peridomicílio e outras alterações ambientais antrópicas que podem favorecer a circulação de Leishmania spp., Leptospira spp., Toxoplasma gondii, Toxocara spp. e SARS-CoV-2, ainda não pesquisada sob abordagem da Saúde Única. Deste modo, o objetivo do presente projeto é avaliar a exposição de populações indígenas, seus animais de companhia e profissionais de saúde do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Litoral Sul a ocorrência de Leishmania spp., Leptospira spp., Toxocara spp., Toxoplasma gondii, Rickettsia spp. e ao SARS-CoV-2, bem como identificar e caracterizar molecularmente sua presença nas pessoas, animais e no meio ambiente, e os fatores associados à possível infecção. Um total de 500 amostras representativas de sangue serão coletadas de populações indígenas de diferentes aldeias, 150 de seus animais de companhia e 80 de profissionais de saúde da DSEI Sul, em aldeias indígenas situadas nos Estados do Paraná e São Paulo. O estudo envolverá ainda a coleta de solo para a pesquisa de Toxocara spp. e Toxoplasma gondii, e coleta de fezes e pelos de cães para a pesquisa de Toxocara spp., a coleta e identificação de flebotomínios e ectoparasitas, seguida de análise molecular para Leishmania spp. e Rickettsia spp., acompanhados de preenchimento de questionários epidemiológicos. Os resultados serão analisados estatisticamente, com abordagem preventiva educacional e de intervenção serão adotadas, se necessárias, com base nos resultados e fatores associados de risco.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Alexander Wilhelm Armin Kellner

Ciências Biológicas

Zoologia
  • paleoantar - paleobiologia e paleogeografia do gondwana sul: inter-relações entre antártica e américa do sul
  • O registro fóssil da Antártica tem se mostrado de grande relevância para o conhecimento da paleobiota Austral, suas estratégias adaptativas e relações filogenéticas, desde o Cretáceo até o Paleógeno. Os organismos e suas relações filogenéticas são essenciais para se entender a respeito de padrões de distribuição biogeográficas. Com isso, constituem um registro fundamental para as reconstituições paleogeográficas e ambientais dos continentes gondwânicos, principalmente pela sua localização e identificação de barreiras geográficas. Somado a este está o registro geológico que abarca importantes informações acerca dos paleoambientes pretéritos da região antártica, sua paleoclimatologia e paleobatimetria oceânica, principalmente quando integrado ao estudo dos microfósseis e dados geoquímicos. Desta forma, a presente proposta visa realizar atividades de prospecção, coleta e análises laboratoriais de macrofósseis, microfósseis e rochas coletadas em perfis geológicos detalhados, com a finalidade de compreender a diversificação da biota e dos ecossistemas durante a evolução do Gondwana Sul, apontando para o entendimento das inter-relações entre Antártica e América do Sul, incluindo questões paleogeográficas. Para tal contará com equipe interinstitucional nacional e internacional coordenada pelo proponente, realizada em colaboração com pesquisadores do Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, da China, Canadá, Chile e Inglaterra. A metodologia a ser utilizada é atual e específica para os tipos de análises a serem realizadas (detalhadas no projeto), contando com adaptações à natureza do trabalho na Antártica, baseado em experiências anteriores, havendo, ainda, a ampliação de novas técnicas que não haviam sido empregadas em versões anteriores do projeto (p.ex., geoquímica). O desenvolvimento dos trabalhos será um grande incentivo e oportunidade para a restauração do Museu Nacional/UFRJ, instituição que teve parte do seu acervo destruído por uma tragédia recentemente.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 25/12/2018-31/12/2022
Foto de perfil

Alexander Wilhelm Armin Kellner

Ciências Biológicas

Zoologia
  • contribuição para estudos evolutivos e paleobiológicos de vertebrados mesozoicos através de análises paleohistológicoas e tomografia computadorizada
  • Estudos envolvendo aspectos relacionados à paleobiologia de vertebrados fósseis vem ganhando cada vez mais espaço a nível internacionais, principalmente devido ao desenvolvimento de dois campos de investigação, a paleohistologia e o uso de tomografias computadorizadas, que permitem acessar informações não disponíveis por meio de estudos descritivos clássicos. Através de secções delgadas de ossos, dentes e tecidos moles preservados, observações de padrões microestruturais teciduais têm permitido analisar diferentes aspectos paleobiológicos dos vertebrados, como taxas e modos de crescimento, ontogenia, maturidade somática e sexual, histovariabilidade individual, termorregulação e até determinação de sexo. O uso de tomografias permite, de modo não destrutivo, a investigação de estruturas internas, especialmente as cavidades endocranianas, com destaque para a paleoneurologia, cavidades nasais, estruturas da orelha média e padrões de substituição dentária. Apesar de serem áreas já consolidadas no cenário internacional da paleozoologia, a paleohistologia e o uso de tomografias ainda são subexplorados no Brasil, apesar do rico patrimônio fossilífero com potencial para estudos dessa natureza. O objetivo deste projeto é, desenvolver análises histológicas e reconstituição de endocavidades em vertebrados fósseis, tanto a partir de espécimes previamente coletados, quanto de novos achados. Para tal, serão confeccionadas lâminas histológicas e serão obtidas tomografias de crânio e pós-crânio (e dentes) de fósseis. Estes estudos serão integrados em com descrições anatômicas e estudos filogenéticos dos espécimes selecionados no projeto. Para tal, além da pesquisa em coleções paleontológicas de distintas instituições, estão previstas atividades de campo concentradas em unidades mesozoicas brasileiras (grupos Santana e Bauru) para coleta de novos exemplares. Os fósseis coletados serão depositados no Museu Nacional, instituição que teve seu acervo devastado após o incêndio de 2018.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Alexandra Augusta Margarida Maria Roma Sanchez

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • mortalidade nas prisões em tempos de covid-19
  • Ainda que nas prisões insalubridade, superlotação e a insuficiência dos serviços de saúde gerem alta morbidade, a mortalidade, importante indicador de saúde e direitos humanos, é pouco estudada pela dificuldade de acesso a informações confiáveis. Em estudo precedente que realizamos nas prisões do estado do RJ em parceria com o Ministério Público/RJ, mostramos a alta mortalidade em 2016 e 2017, especialmente por doenças infecciosas. No presente estudo propomos analisar a mortalidade e suas causas em 2019, 2020 e 2021, e sua associação com as medidas implementadas em decorrência dos resultados do estudo anterior e, a partir de 2020, o impacto da COVID-19. Postulamos que a partir de 2017 tenha havido redução da mortalidade, especialmente por doenças infecciosas. Entretanto, mortes por COVID-19 e o eventual recrudescimento de óbitos por outros agravos podem ter revertido a tendência inicial. Sustentam essa hipótese a ausência de medidas para melhorar as condições de encarceramento, impossibilidade de aplicar plenamente as medidas de prevenção da COVID-19, atraso na vacinação das pessoas privadas de liberdade (PPL) e o direcionamento dos escassos recursos da saúde para a pandemia, em detrimento de outros agravos. Os dados oficiais disponíveis para PPL não permitem uma análise precisa da situação. Este estudo fornecerá informações importantes para que gestores aprimorem as políticas de saúde prisional, otimizem recursos humanos e financeiros, além de subsidiar ações dos órgãos de fiscalização (OSCs, MP, DP) para que as PPL se beneficiem, no âmbito do SUS, de atenção à saúde equivalente a população livre. Taxas de mortalidade global e por causas, especialmente por tuberculose, HIV/aids e COVID-19 entre pessoas encarceradas em 2019, 2020 e 2021 serão estimadas a partir da base de dados construída nesta pesquisa e comparadas às observadas em 2016-2017. As taxas padronizadas por idade serão também comparadas às observadas na população geral do estado.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025