Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexandre Silva de Vargas

Engenharias

Engenharia Civil
  • cimentos especiais à base de escória de aciaria elétrica a arco (eaea) ativada por co2 supercrítico
  • As escórias de aciaria elétrica a arco (EAEA), resíduos de siderúrgicas que utilizam o forno elétrico a arco para a produção do aço, diferente das escórias de alto forno, não são utilizadas na indústria cimenteira, pois apresentam óxidos livres de cálcio e magnésio, que, quando adicionadas em argamassas e concretos, tendem a ocasionar expansão do material e comprometer a sua durabilidade. Uma alternativa ao seu uso como material cimentício é a tecnologia de ativação acelerada por CO2, pois resistências à compressão da ordem de 35 MPa foram atingidas por amostras de EAEA. Porém, e se o processo de ativação for realizado por CO2 supercrítico? Poderia haver uma melhora no processo e assim produtos com maiores resistências à compressão? Assim, este projeto tem como objetivo identificar as condições ideais de ativação da EAEA por CO2 pressurizado e por CO2 supercrítico para a produção de cimentos especiais. Serão preparados corpos de prova (CPs) com traço, em massa, 1:3 (EAEA:areia). Na 1ª etapa, os CPs serão submetidos ao CO2 pressurizado e ao CO2 supercrítico, variando-se a temperatura, a pressão e o tempo de exposição. A partir dos resultados de resistência à compressão, será possível identificar a condição ideal de cada processo. Na 2ª etapa, novos CPs serão moldados e submetidos às condições ideais de ativação determinadas na 1ª etapa. Serão determinadas a resistência à compressão (alguns ensaios serão instrumentada para determinar o comportamento tensão-deformação do material), absorção, densidade relativa, porosidade e variação dimensional. Serão coletados fragmentos dos CPs submetidos aos ensaios de compressão e caracterizados morfológica (MEV), mineralógica (DRX) e microestruturalmente (FTIR). Na 3ª terceira etapa, os CPs serão expostos a altas temperaturas em forno elétrico, nos patamares de temperatura de 200, 400, 600 e 900°C, e após 91 dias da exposição, serão submetidos a ensaios de resistência à compressão, e os fragmentos analisados por MEV, DRX e FTIR.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/04/2022-30/04/2025
Foto de perfil

Alexandre Suman de Araujo

Ciências Biológicas

Biofísica
  • estudo da ação e interação de peptídeos com potencial antimicrobiano e anti cancerígeno com modelos de membrana celular e cultura celular por métodos biofísicos teóricos, computacionais e experimentais.
  • O uso indiscriminado de antibióticos vem selecionando cepas bacterianas resistentes a um amplo espectro deste tipo de medicamento. Assim, o desenvolvimento de novas drogas que atuem por vias antibióticas ainda não exploradas e, principalmente, de difícil adaptação bacteriana, é de grande interesse na atualidade. Os peptídeos antimicrobianos (PAM) são pequenas cadeias polipeptídicas produzidas pelo sistema imune de alguns animais e vegetais e que apresentam ação, além de bactericida, contra vírus, fungos e células cancerígenas. O Polybia-MP-I (MP-I, ou simplesmente MP1) é um PAM extraído do veneno de uma vespa social nativa do Brasil, a Polybia paulista. O MP1, que é catiônico em pH fisiológico, atua sobre a membrana celular das bactérias, a qual é constituída por uma fração de fosfolipídeos aniônicos, induzindo poros e lise celular. Estudos recentes indicaram que a ação anticancerígena do MP1 pode estar associada ao fato de que as células tumorais apresentam um excesso de fosfolipídeos aniônicos em sua superfície. Os detalhes do mecanismo de ação do MP1 sobre células bacterianas e cancerígenas ainda não estão completamente esclarecidos. O uso de métodos biofísicos teóricos, computacionais e experimentais podem contribuir significativamente para o entendimento desse mecanismo em nível atômico/molecular, possibilitando explorar de modo racional o potencial antibacteriano e quimioterápico do MP1. Além disso, o conhecimento gerado para o MP1 pode ser usado para a proposta de moléculas sintéticas mais eficientes e seletivas. No presente projeto propomos o estudo do processo de adsorção e ação do MP1 e seus análogos sintéticos sobre bicamadas lipídicas, usadas como modelo de membrana celular, por meio de estudos analíticos das interações eletrostáticas envolvidas, simulações de dinâmica molecular, estudos experimentais biofísicos e experimentos em culturas de células cancerígenas e de bactérias.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025