Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Agatha Sacramento Rodrigues

Ciências Exatas e da Terra

Probabilidade e Estatística
  • observatório obstétrico brasileiro
  • A importância de permitir acesso a dados públicos de maneira estruturada e com responsabilidade faz com que a sociedade tenha acesso à informação, que gestores públicos possam tomar decisões baseadas em evidências e que as discussões sobre políticas públicas sejam embasadas em dados confiáveis. Na área da Obstetrícia, em especial, há algumas discussões sobre políticas públicas para gestantes, fetos e recém-nascidos que, muitas vezes, não são pautadas em dados científicos e/ou análise de dados públicos. Com essa motivação, propomos um observatório obstétrico por meio de uma plataforma interativa de monitoramento e análise de dados públicos da área de Obstetrícia do Brasil. Nesse observatório serão disponibilizadas as análises exploratórias, com visualização online, dinâmica e com filtragens escolhidas pelo usuário, além dos resultados de análises e modelos preditivos para os desfechos de interesse. Dentre as análises propostas, destacamos a seção do Observatório “Pandemias e Obstetrícia”, em que objetivamos avaliar os impactos das pandemias (H1N1 em 2009 e COVID-19 em 2020) na saúde materna, fetal e neonatal, assim como identificar as diferenças entre elas e suas consequências para que seja possível desenhar políticas públicas para crises futuras. Outro destaque é feito para a seção “Indicadores”, destinada à criação de indicadores obstétricos obtidos com bases de dados públicos, assim como às análises de associação entre indicadores socioeconômicos e indicadores obstétricos já existentes e os que serão criados. Como exemplo, ferramentas serão criadas para identificar os principais fatores associados a elevadas porcentagens de partos prematuros e de cesáreas nos diferentes grupos de Robson, em nível municipal. Estes são temas relevantes, uma vez que cesáreas sem indicação obstétrica podem ter impacto negativo para a saúde, além da associação de prematuridade e complicações tanto perinatais como no desenvolvimento infantil. A abordagem ambiental também será contemplada neste observatório ao conectar bancos de dados que nos informem sobre as condições climáticas, poluição, e agricultáveis que possam influenciar os resultados obstétricos e fetais frente à exposições maternas durante o período pré-gestacional e gestacional nas diferentes regiões do país; aspecto que é pouco explorado em nosso país. Para realizar as análises de interesse, pretendemos usar os seguintes bancos de dados: SINASC (Sistema Nacional sobre Nascidos Vivos), SIM (Sistema de Informação sobre Mortalidade), CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde), SIHSUS (Sistema de Informações Hospitalares do SUS), BASIS (Breastfeeding Information System), SIVEP Gripe, BDMEP-INMET (Banco de Dados Meteorológicos do Instituto Nacional de Meteorologia), bases de dados sobre a qualidade do ar fornecidas pelas agências estaduais de meio ambiente e os dados do IBGE (Censo, PNAD e PNADC). Essas bases serão tratadas e carregadas utilizando o fluxo ETL (extract, transform, load) e as análises serão realizadas ao utilizar os programas abertos R e Python. O site do Observatório será feito em WordPress (br.wordpress.org), embutindo visualizações feitas em Shiny (https://shiny.rstudio.com) e em Kibana (www.elastic.co/pt/kibana). Um desafio será integralizar as informações dos diferentes bancos de dados. Para isso, serão aplicados algoritmos de similaridade entre os dados identificados, seja por alguma variável chave (por exemplo, número de identificação social) ou por meio de um modelo probabilístico. Outro desafio consiste em lidar com a incompletude dos dados, uma vez que o tratamento não adequado aos dados faltantes pode levar a conclusões errôneas e/ou viesadas. Para este ponto, serão consideradas e pesquisadas técnicas estatísticas para dados incompletos. Nas análises de associação e de predição de desfechos obstétricos, serão considerados modelos e algoritmos supervisionados e não supervisionados de machine learning para dados transversais e para dados longitudinais, a depender da característica dos dados da análise de interesse. A ideia é que métodos já consagrados da área sejam aplicados para resolver o problema em questão. Em situações que o problema traz algum desafio do ponto de vista estatístico e/ou computacional, e que não há soluções na literatura, novas metodologias serão propostas. Por esse motivo, o projeto conta com uma equipe multidisciplinar envolvendo pesquisadores das áreas da Estatística, Computação e Obstetrícia. Ao citar a equipe, vale ressaltar que há membro que coordenou a área técnica de saúde da mulher do estado de São Paulo, especialistas em saúde materna, fetal e em prematuridade; cientistas de dados com elevado conhecimento técnico em diferentes segmentos da área e com experiências em aplicações na área obstétrica e também em análise de dados públicos do Brasil. Os resultados desse projeto serão disseminados por meio de publicações científicas e por textos em português e em inglês em um blog que será disponibilizado na plataforma. Além disso, artigos e resumos dos resultados obtidos serão apresentados e discutidos em congressos. As documentações de como os dados foram tratados e analisados serão disponibilizadas no Observatório e os códigos computacionais serão acessíveis em uma conta do Observatório no GitHub (www.github.com). Como resultado principal, pretendemos que o Observatório Obstétrico Brasileiro seja a referência de informações da saúde materna, fetal e neonatal do Brasil, com o intuito de prover informações para o auxílio de gestores e médicos na tomada de decisões. Também pretendemos aquecer e disseminar o conhecimento na área de ciência de dados no Brasil, ao disponibilizar conteúdo da área aplicada à saúde e também ao propor novos métodos em cenários que não há soluções na literatura. A equipe desse projeto já trabalha em análises iniciais de visualização de dados obstétricos e uma demonstração pode ser vista no endereço https://obstetriciafmusp.shinyapps.io/observatorio-obs.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 03/12/2020-31/01/2023
Foto de perfil

Aguinaldo Silva Garcez Segundo

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • papo de ciência – difundindo ciência em benefício da saúde!
  • O projeto “Papo de Ciência” tem por objetivo a divulgação dos conhecimentos atuais nas áreas da saúde humana, como mecanismos de engajamento da população na busca pela saúde e qualidade de vida e mostrar como o bem-estar físico, psíquico e emocional do indivíduo impacta no desenvolvimento sustentável da comunidade. A divulgação científica, ocorrerá através de uma série de vídeos, desenvolvido por alunos de graduação e pós-graduação dos cursos de Odontologia e Medicina da Faculdade São Leopoldo Mandic e exibidos antes, durante e após a SNCT 2021. O projeto consiste na elaboração e realização de uma série de 20 vídeos com duração entre 5 e 10 minutos, em linguagem didática e acessível à população de crianças e jovens, divulgando fatos e conhecimentos científicos aplicado nas áreas da saúde. A linguagem dos vídeos se utilizará de fatos históricos, conhecimentos e mitos populares, cultura pop e acontecimentos atuais para discutir o papel da ciência no avanço da saúde humana. Os vídeos propostos serão divididos em 3 projetos distintos que incluem as séries: Você sabia?, Ciência e tecnologia na Mandic e Saúde na sala de espera. Os vídeos serão divulgados, semanalmente, nos meses de setembro e outubro, e durante a SNCT, de 02 a 08 de outubro de 2021, também ficarão disponíveis no site da faculdade e em sua conta no facebook, canal do youtube e Instagram pelos demais meses do ano. No longo prazo, estes vídeos serão apresentados, presencialmente, durante o atendimento de crianças do ensino fundamental e básico realizado pelos alunos de graduação da faculdade nos projetos de prevenção e orientação em saúde, desenvolvido pela escola na região metropolitana de Campinas, assim como serão exibidos nas salas de espera dos centros de atendimento da própria escola. Outra proposta do projeto é a utilização dos vídeos no projeto “Barco da Saúde”, que leva anualmente alunos e professores para o atendimento de populações ribeirinhas da região Amazônica
  • Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic - SP - Brasil
  • 05/10/2021-31/10/2023
Foto de perfil

Alacoque Lorenzini Erdmann

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • avaliação do cuidado de enfermagem a pacientes com covid-19 em hospitais universitários brasileiros
  • No Brasil, os hospitais universitários são centros de referência de média e alta complexidade para o Sistema Único de Saúde (SUS) no atendimento a pacientes com COVID-19. Nesses cenários, destaca-se a atuação da enfermagem, pois é a categoria responsável pela maioria dos cuidados recebidos pelos pacientes durante a hospitalização, podendo influenciar diretamente na qualidade assistencial, segurança do paciente/profissional e busca pela excelência dos resultados institucionais. Assim, este estudo tem como objetivo geral avaliar o cuidado de enfermagem a pacientes com COVID-19 em hospitais universitários brasileiros, sob a perspectiva dos profissionais e pacientes. Trata-se de uma proposta multicêntrica nacional, que reúne 10 instituições de ensino federais, sendo duas de cada região do Brasil: (1) Sul: Universidade Federal de Santa Catarina (proponente) e Universidade Federal de Santa Maria; (2) Sudeste: Universidade Federal de São Paulo e Universidade Federal do Rio de Janeiro; (3) Nordeste: Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Universidade Federal da Bahia; (4) Norte: Universidade Federal do Pará e Universidade Federal do Amazonas; e, (5) Centro-oeste: Universidade Federal do Mato Grosso e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. A metodologia será desenvolvida em quatro momentos, com distintas estratégias de pesquisa: (1) Estudo documental, com abordagem quantitativa, por meio de consulta a boletins e relatórios institucionais; (2) Pesquisa de métodos mistos com profissionais e gestores que atuam/atuaram no cuidado de pacientes infectados com COVID-19 para conhecer a experiência de enfermeiros no cuidado de pacientes com COVID-19, analisar o ambiente de trabalho da enfermagem, identificar recomendações para melhorias para o enfrentamento da COVID-19 e conhecer estratégias de continuidade do cuidado na alta hospitalar para o domicílio e/ou transição para atenção primária à saúde; (3) Estudo exploratório e interpretativo, com abordagem qualitativa com pacientes recuperados da doença para desvelar atributos de satisfação relacionados à segurança e qualidade assistencial, bem como sugestões para melhorias para o enfrentamento da COVID-19 e futuras pandemias; e, (4) Sessão integradora de translação do conhecimento e grupo de peritos para validação de um guia de boas práticas para o cuidado de enfermagem a pacientes com COVID-19. Em cada etapa, serão utilizadas técnicas específicas de coleta e análise de dados quantitativas e qualitativos, conforme o foco estudado. A partir da pesquisa, pretende-se contribuir com a produção de novos conhecimentos para melhoria do cuidado em saúde/enfermagem no SUS no combate a COVID-19, por meio do desenvolvimento de um repositório digital para compartilhamento de boas práticas de cuidado de enfermagem para o enfrentamento da COVID-19 e aprimoramento da atenção à saúde. Além disso, busca-se ampliar a massa crítica em termos de profissionais da saúde, estudantes e pesquisadores acerca da qualidade do cuidado para lidar com pandemias e de possíveis estratégias para o desenvolvimento de padrões/boas práticas.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 16/07/2020-15/08/2022