Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Wilson Mozena Leandro

Ciências Agrárias

Agronomia
  • grafeagro - bioinsumos a base de grafeno na agricultura 4.0
  • A Agricultura 4.0 refere-se a um conjunto de tecnologias de ponta integradas e conectadas. Tem sido muito associado à tecnologia digitais por meio de softwares, sistemas e diversos dispositivos conectados e integrados permitem a automação dos processos. Isso está intimamente relacionado ao conceito de IoT (Internet of Things). Com isso, equipamentos e profissionais trabalham de modo conectado e otimizado a produção agrícola, em todas as suas etapas. Porém, apesar desta abordagem, a agricultura 4.0 é muito mais ampla e complexa envolve também a biotecnologia, bioinsumos, agricultura orgânica. A taxa de crescimento da agricultura orgânica no mundo é de 30%. Este sistema envolve a melhoria do uso de insumos e a sua interconexão com a natureza em especial a sua biodiversidade. Nesta situação perdas consideráveis de nutrientes são comuns onerando os custos de produção e produzindo impactos negativos ambientais diversos. Os nutrientes fornecidos às culturas através de fertilizantes que são, na sua maioria, sais solúveis em água. Em solos arenosos ácidos ou ambientes de alta pluviosidade, estes sais podem ser perdidos por lixiviação e escoamento. Isso exige altas doses de fertilizantes, o que tem graves implicações ambientais, além de um alto custo. Portanto, o desenvolvimento de fertilizantes de liberação lenta e baixo custo é essencial para controlar a liberação de nutrientes. Os fertilizantes são insumos dolarizados e alterações cambiais tem impacto significativo na cadeia sendo a melhoria de sua eficiência é condição fundamental para sua sustentabilidade. Neste aspecto o grafeno, um derivado da grafita, pode auxiliar de forma marcante. A grafita oriunda de metamorfismo do carbono orgânico ou de rocha carbonatada, pode em condições naturais estar em três variedades: flocos cristalinos, microcristalina ou amorfa e em veios cristalinos ou lump. Todos esses tipos de grafita são identificados por meio de características físicas e químicas, cujas propriedades básicas são: maleabilidade, absorvência, inércia química, elevadas condutividades térmica e elétrica, bem como excelentes propriedades refratárias, dentre outras. As reservas mundiais de grafita somam cerca de 390 milhões de toneladas, das quais 56% estão localizadas na China e 27% no Brasil.. Destacam-se como maiores produtores China, Índia, Brasil, México e República Tcheca, que respondem por 85% da produção mundial.. A demanda de grafita no Brasil é a seguinte: indústria siderúrgica e fundição 80,0%; baterias 6,5%; refratário 6,0%; tintas e vernizes 2,0% e outros 5,5%. A transformação da grafita em grafeno abriu um leque de aplicações no mundo. As propriedades de condutores elétricos e o advento do automóvel híbrido utilizando célula a combustível e/ou bateria de grafeno pode alcançar a autonomia de 1000 km e constitui a maior demanda futura da grafita, estimada em 300.000 t/ano. A utilização da grafita para essa demanda é a de alta pureza e estrutura cristalina. No Brasil a maioria das reservas não tem essas característica e seu uso normalmente é em atividades de menor valor agregado. O produto que a equipe do projeto busca é essa de menor pureza e menor estrutura cristalina como meio a microrganismos eficazes e para controlar a disponibilidade de nutrientes. Deste modo para melhorar a eficiência agronômica nas plantas e melhorar a competitividade econômica do agronegócio brasileiro O uso de um sistema de transporte com base em grafeno, para o fornecimento de microrganismos eficazes e nutrientes às culturas traz benefícios como o aumento da eficiência do fertilizante e redução do impacto ambiental. Para seu crescimento e desenvolvimento as culturas necessitam de nutrientes. A dinâmica destes nutrientes é intermediada por microrganismos. Constituintes da microflora, as rizobactérias que promovem o crescimento de plantas (RPCV), podem proporcionar benefícios diretos no desenvolvimento das plantas, como a promoção do crescimento, pois alguns grupos bacterianos produzem fitormônios como ácido indolacético (AIA), citocininas e giberelinas, ou solubilizam fósforo e produzem sideróforos.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 20/10/2020-30/04/2021
Foto de perfil

Wilson Savino

Ciências Biológicas

Imunologia
  • neuroimmunomodulação
  • O desenvolvimento do conhecimento científico sobre a fisiologia de sistemas complexos, e que funcionam de forma integrada, necessita de uma abordagem plural, tantos em termos conceituais quanto metodológicos. Nesse sentido, o entendimento integrado sobre os mecanismos celulares e moleculares de uma ampla variedade de doenças, será significativamente aumentado com projetos multicêntricos e translacionais, os quais favorecem melhor compreensão de mecanismos biológicos, e consequente aprimoramento de abordagens em saúde pública, seja em termos de prevenção, diagnóstico, prognóstico e/ou terapêutica. Ainda, redes de pesquisa multicêntricas contribuem para formação de recursos humanos de qualidade, propagadores de conhecimento e articuladores de ações em ciência, tecnologia e inovação. O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em NeuroImunoModulação (INCT-NIM) se insere no Programa de INCT, integrando o conhecimento nas áreas de Imunologia, Endocrinologia, Metabolismo e Neurociência, tanto em condições fisiológicas, quanto patológicas. Sediado no Instituto Oswaldo Cruz (Rio de Janeiro), o INCT-NIM, compreende 15 Grupos de Pesquisa, distribuídos em 11 Instituições, localizadas em 10 Estados da Federação, abrangendo todas as regiões geográficas do País. Além disso, será internacionalizado através de cooperação Sul-Sul e Norte-Sul, assegurada com vários países. O Objetivo do INCT-NIM é estabelecer rede de pesquisa e formação de recursos humanos, baseando-se em visão holística sobre mecanismos celulares e moleculares relativos à fisiologia das interações neuroimunendócrinas e respectivos desvios patológicos que possam ocorrer em agravos decorrentes de agentes infecciosos, de alterações metabólicas e de comprometimento neural. Para alcançar tal objetivo, o INCT-NIM funcionará segundo uma matriz tridimensional, constituída de um eixo temático, um eixo de parâmetros de estudo e um eixo de sustentabilidade. Quatro grandes temas serão objetos de estudo: fisiologia das interações neuroimunoendócrinas; neuroimunomodulação em doenças infecciosas; neuroimunomodulação em doenças metabólicas e neuroimunomodulação em doenças do neurodesenvolvimento e neurodegenerativas. No que diz respeito à fisiologia de interações neuroimunendócrinas, abordaremos estudos sobre inervação de órgãos linfoides e respectivo impacto sobre a fisiologia destes órgãos. Interações tipicamente encontradas no sistema nervoso central, tais como aquelas mediadas por neuropilinas e semaforinas, também serão analisadas no sistema imune. Reciprocamente estudaremos a expressão e função de citocinas no sistema nervoso, usando modelo de desenvolvimento de células da retina, assim como o efeito de citocinas sobre estruturas encefálicas, notadamente o hipotálamo. Nestes modelos, analisaremos aspectos relacionados a controle de expressão gênica, sinalização celular e respostas biológicas celulares (proliferação, morte, diferenciação e migração). Os estudos sobre NIM em doenças infecciosas serão desenvolvidos em uma série de agravos: doença de Chagas, malária, hanseníase, e ainda as alterações de sistema nervoso decorrentes de infecções por HIV e HTLV-1. Estudaremos ainda a NIM em doenças metabólicas de grande importância em saúde pública, incluindo obesidade, diabetes tipo 1, e também o envelhecimento. Por fim, serão estudadas doenças típicas do sistema nervoso, tais como autismo (exemplo de doença de neurodesenvolvimento) e esclerose múltipla (doença neurodegenerativa), além de doenças psiquiátricas, o transtorno bipolar do tipo 1 e esquizofrenia. Nestes diversos agravos estudaremos os parâmetros moleculares e celulares descritos acima. Além disso, realizaremos estudos sobre mecanismos de neuroinflamação e distúrbios de cognição. Por fim, pretendemos desenhar, identificar e caracterizar, em modelos específicos de doença, biomarcadores, que possam ter valor diagnóstico, prognóstico e/ou terapêutico. O estabelecimento de circuitos dinâmicos na rede do INCT-NIM permitirá ampliar a garantia, a segurança da transmissão de grandes massas de dados. Nesse sentido, estudos oriundos dos diferentes subprojetos serão submetidos a uma metanálise que permitirá integrar a totalidade do conhecimento gerado. A evolução desses estudos terá como pilares de sustentabilidade a existência de modelos experimentais in vivo, coortes de pacientes, análises ex-vivo e in vitro a partir de amostras biológicas de modelos animais e de pacientes, além de modelagem molecular in silico. Como entregas para a sociedade, decorrente dos estudos desenvolvidos no âmbito do INCT-NIM, haverá sem dúvida uma produção científica de qualidade (artigos científicos e um livro sobre neuroimunomodulação na saúde e na doença), e ainda a geração de produtos de uso potencial em pesquisa clínica (seja para fins de diagnóstico, prognóstico e/ou terapêutico). Não menos importante será a formação de recursos humanos de alta qualificação, em níveis de mestrado, doutorado e pós-doutorado, além de uma série de ações visando informar o grande público; uma delas a geração e manutenção de página web. Para melhor cumprir estas atividades de divulgação, contaremos com uma plataforma de informação e comunicação, que incluirá a produção de manutenção de website e presença em mídias sociais, assim como a realização de filmes e programas de televisão. A gestão do INCT-NIM será garantida por uma plataforma de gestão, que englobará a coordenação e secretaria executiva do INCT, o comitê gestor, e comitê assessor internacional. Por fim, cumpre salientar que, seguindo a filosofia de trabalho em rede, a natureza interdisciplinar e translacional do INCT-NIM naturalmente conduzirá ao estabelecimento de novas interações com os INCT, por exemplo nas áreas de neurociência, imunologia, endocrinologia, doenças infecciosas, e bioinformática, entre outras.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 23/11/2016-30/11/2022