Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Solange Aparecida Ságio

Ciências Agrárias

Agronomia
  • análises moleculares voltadas para o estudo da cultura da batata-doce
  • Considerando a grande importância econômica e social que a cultura da batata-doce tem para o Brasil e dos poucos estudos realizados com ferramentas biotecnológicas que podem, juntamente com o melhoramento convencional, produzir melhorias incalculáveis nos sistemas de produção desde a qualidade até a produtividade, por meio de estudos genéticos do transcriptoma, este trabalho tem como objetivo identificar e validar protocolos de extração de RNA e genes de referência ao desenvolvimento de estudos moleculares sobre a cultura da batata-doce. As análises moleculares possibilitarão identificar o melhor protocolo de extração de RNA de qualidade, para cada um dos tecidos que serão estudados em um trabalho ainda não realizado para a cultura da batata-doce. Essas análises irão permitir a realização de ensaios sensíveis, como os estudos transcricionais via RT-qPCR e RNAseq, os quais permitirão compreender melhor a genômica funcional dessa espécie. Já a validação dos genes de referência, para estudos de expressão gênica via PCR em tempo real, permitirá o desenvolvimento de estudos moleculares, que possibilitarão elucidar como funcionam e interagem as diversas rotas metabólicas, no intuito de aplicar esse conhecimento ao melhoramento da cultura. Além disso, os resultados desse estudo ainda podem gerar inovações tecnológicas de impacto significativo, na cadeia produtiva das culturas amiláceas, pois este trabalho permitirá estudos genéticos sobre a batata-doce, os quais poderão ser usados no melhoramento de outras amiláceas, como o inhame, a mandioca e a mandioquinha-salsa.
  • Universidade Federal do Tocantins - TO - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Solange Maria Gayoso da Costa

Ciências Sociais Aplicadas

Serviço Social
  • os efeitos da destinação de terras na produção das desigualdades sociais na amazônia.
  • A acumulação de capital na Amazônia brasileira tem se caracterizado pela exacerbação da exploração do trabalho e da natureza, aprofundando a desigualdade social na região. Dentre as formas dessa exploração na Amazônia se destacam, historicamente, os projetos de infraestrutura, agronegócio e mineração, inseridos na lógica do modelo de desenvolvimento em curso no Brasil, no contexto de acumulação por espoliação provocado pela expansão do capital mundial (HARVEY, 2005). Tal movimento é marcado na contemporaneidade amazônica pelos deslocamentos de milhares de pessoas, em sua maior parte povos e populações tradicionais e agricultores familiares, em resultado de políticas públicas e projetos como os acima citados, que são vetores de produção de desigualdade social baseada em acumulação por espoliação de terra dos grupos citados, transformando e afetando os espaços ocupados pelo grupos citados. Por isso, propõe-se projeto de pesquisa com foco na análise das estruturas sociais e de poder que baseiam e permeiam os processos de destinação de terras na Amazônia, mais especificamente na região do Baixo Tocantins, nos municípios de Barcarena, Abaetetuba, Acará e Moju, área tida como consolidada em termos de ocupação e de transformação da cobertura vegetal na Amazônia. Acredita-se que, para tanto, devamos ter especial atenção e mapear os efeitos provocados pelos processos recentes, mas, também mais antigos, de territorialização das atividades econômicas derivadas de empreendimentos nesta área, tendo como foco de observação a implementação de a) políticas públicas criadas para efetuar e garantir a destinação de terras públicas, bem como sua regularização e b) projetos de infraestrutura, industriais e agrícolas. Partimos da hipótese de que quando estes dois fatores estão combinados, com b) se realizando em áreas onde a) historicamente já gerou concentração e má distribuição de terras, pode haver aumento das desigualdades sociais, manifestado no incremento da pobreza entre as populações, povos e agricultores familiares que viviam nas áreas de instalação dos projetos e entorno. Isso pode ocorrer já que esses grupos ficam desprovidos de estar e de acessar os meios necessários `a produção e `a reprodução de seus modos de vida. Metodologicamente, espera-se trabalhar a partir de mapeamento participativo com comunidades de povos e populações tradicionais e agricultores familiares com os quais o grupo proponente já realiza atividades de intervenção. A ideia é que os dados gerados por este mapeamento, em combinação com bases cartográficas existentes e entrevistas, somadas a levantamentos em bases governamentais, além do diálogo com outras pesquisas já realizadas e sistematizadas, possa prover insumos para a construção de banco de dados georeferenciado, que evidencie e forneça informações sobre a relação entre implementação de projetos infraestruturais, minerários e agrícolas, e a possível produção de desigualdades sociais em áreas de ocupação consolidada na Amazônia.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022