Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Walmir de Freitas Filho

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • desenvolvimento de metodologias para integração em sistemas de gestão da distribuição na presença de fontes distribuídas de energia e medidores inteligentes
  • A introdução de tecnologias emergentes em sistemas modernos de distribuição de energia elétrica tem sido impulsionada pelo interesse na utilização mais intensa de fontes renováveis e alternativas, tais como geradores fotovoltaicos e veículos elétricos, e pela redução de custos associados com esses equipamentos. Contudo, para alcançar níveis elevados de integração desses agentes, é necessário que os Sistemas de Gestão da Distribuição – SGDs (em inglês: Distribution Management Systems – DMSs) sejam aperfeiçoados e atualizados com a inclusão de mais dados de medição e desenvolvimento de novas funcionalidades. O uso de medidores inteligentes (em inglês: smart merters) com capacidade de comunicação bidirecional tem o potencial de revolucionar a aplicação dos Sistemas de Gestão da Distribuição em razão da quantidade de dados que pode ser agregada a esses sistemas. Entretanto, para que tais dados se tornem informações úteis, novas metodologias de análise e funções avançadas de rede devem ser desenvolvidas. Nesse contexto, este projeto de pesquisa tem por objetivo desenvolver novas metodologias para integração em modernos Sistemas de Gestão da Distribuição empregando, entre outros, dados fornecidos por medidores inteligentes em redes com elevada presença de fontes distribuídas de energia. Entre as fontes distribuídas de energia, serão considerados geradores fotovoltaicos, veículos elétricos e sistemas de armazenamento de energia composto por baterias eletroquímicas. Quanto às metodologias, será inicialmente priorizado o desenvolvimento de um estimador de estado com função adicional específica para detecção de erros topológicos, cadastrais e de parâmetros nas bases de dados presentes nos Sistemas de Gestão da Distribuição. Com informações mais precisas fornecidas pelo estimador de estado, desenvolver-se-ão novas metodologias para controle Volt/Var, detecção e localização de perdas não técnicas e balanceamento de potência de fases, empregando tanto soluções do lado da rede, tais como reguladores de tensão, capacitores chaveados e baterias, quanto soluções do lado do consumidor utilizando a capacidade dos inversores presentes nos geradores fotovoltaicos, veículos elétricos e baterias. Ao longo desta pesquisa, será realizada uma análise crítica da granularidade dos dados de medição para implementação de cada função de forma a reduzir a complexidade e custos envolvidos.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Walter Alexandre Carnielli

Ciências Humanas

Filosofia
  • inteligência artificial, lógica e humanidades
  • Na direção de uma sociedade rumo ao chamado paradigma 4.0, preparar e motivar estudantes para a era da Inteligência Artificial, sobretudo aqueles de classes menos favorecidas, deixou de ser apenas uma opção para tornar-se um dever da democracia digital. Tendo e vista que tecnologias como Big Data, Mineração de Dados, Manufatura Aditiva, Cyber-mundo, IoT e Ontologias estão sendo integradas ao cotidiano (de modo evidente ou por computação oblíqua), tal tarefa pedagógica envolve não somente educar os estudantes enquanto utilizadores destas ferramentas digitais mas também, e sobretudo, prepará-los como inovadores. A Inteligência Artificial é muito mais do que simples algoritmos - ela envolve um alto grau de criatividade, de raciocínios verbais e lógico-matemáticos, e de uma aproximação com a filosofia não somente por seus aspectos éticos mas também ligados à filosofia da ciência (incluindo as noções de evidência, verdade e causalidade). A programação na maioria dos dispositivos que compõem as tecnologias 4.0 se fundamenta em uma linguagem artificial e, portanto, formal. Computadores nasceram da Lógica: para se dialogar com uma máquina é necessário entender a base subjacente à sua programação, a saber, o raciocínio lógico (mesmo que de maneira informal, porém rigorosa). Por outro lado, para se compreender a constituição de um sistema lógico, desde a caracterização de seu alfabeto até a elaboração de sua sintaxe e semântica, é preciso entender previamente o mesmo processo na linguagem natural. Desta forma, a alfabetização digital requer o letramento em linguagem natural - aproximando conceitos lógico-matemáticos abstratos (inerentes às tecnologias que compõem a IA enquanto disciplina) com conceitos concretos definíveis em uma linguagem natural. Este projeto, através de diversas atividades, servirá como uma introdução à IA a partir de um ponto de vista da Lógica e das Ciências Humanas em geral, ressaltando a transversalidade do tema e importância das diversas áreas do conhecimento para o desenvolvimento tecnológico.
  • Universidade Estadual de Campinas - SP - Brasil
  • 22/10/2020-30/04/2021