Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alex Oliveira Barradas Filho

Engenharias

Engenharia de Energia
  • aplicação de métodos estatísticos e computacionais na avaliação da qualidade de biocombustíveis
  • Na busca por combustíveis alternativos que possam substituir gradualmente os derivados de petróleo, os biocombustíveis vêm ganhando notoriedade mundial, especialmente o etanol e o biodiesel. No Brasil, a produção e o consumo de biocombustíveis têm sido crescentes desde a criação dos Programas Nacionais do Álcool (Proálcool, 1974) e Biodiesel (PNPB, 2005). No entanto, para que o biocombustível seja comercializado é necessário ter o controle rigoroso de fatores tais como alguns parâmetros físico-químicos, além de que muitos desses parâmetros de qualidade demandam a aplicação de determinados procedimentos experimentais demorados e dispendiosos. Esses inconvenientes gerados pelos modelos oficiais têm motivado a proliferação de métodos alternativos que visem o controle da qualidade dos combustíveis com custos menores e depreendam mais rapidamente os resultados. Dessa forma, a avaliação dos parâmetros de qualidade por métodos mais simples e eficientes, aliados à computação, significaria uma alternativa importante no controle de qualidade de biocombustíveis. Nesse contexto, o projeto propõe o desenvolvimento e a aplicação de métodos alternativos eficazes na avaliação da qualidade de biocombustíveis.
  • Universidade Federal do Maranhão - MA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alex Rafacho

Ciências Biológicas

Fisiologia
  • impacto da exposição a pesticida organofosforado sobre a gestação, no pós-termo, nos fetos, e na prole adulta de ratos: busca por mecanismos de ação
  • Os pesticidas organofosforados estão entre os compostos mais empregados na agricultura e o seu uso em larga escala tem contribuído para a poluição ambiental e risco à saúde, incluindo casos crônicos e agudos de intoxicações, tanto em animais quanto em humanos. Estudos prospectivos sugerem uma relação entre a exposição direta ou indireta a pesticidas organofosforados, e.g., malathion, com o desenvolvimento de obesidade e diabetes mellitus tipo 2 (DM2) em indivíduos adultos. Em paralelo, tem sido demonstrado que a exposição a insultos diversos, como os poluentes ambientais, em períodos críticos do desenvolvimento (e.g., pré- e pós-natal), podem influenciar negativamente no peso corpóreo bem como resultar em disfunções metabólicas em períodos tardios da vida. Neste sentido, destacam-se as substâncias derivadas de atividades industriais, químicas, com potencial de causar desequilíbrio, interferência ou alteração no sistema endócrino, também denominados como disruptores endócrinos, entre os quais estão incluídos os pesticidas organoclorados e organofosforados. A exposição à tais compostos químicos durante períodos críticos do desenvolvimento podem ter efeitos permanentes e irreversíveis, com sérios impactos sobre a saúde durante a infância e a adolescência, e até mesmo para as futuras gerações, por meio de mecanismos de herança epigenéticas. Estudos preliminares obtidos em nosso laboratório revelaram um efeito tardio do malathion durante a gestação. Demonstramos que a ingestão de malathion por 21 dias, em período anterior ao início da gestação, resultou em marcante intolerância à glicose em ratas no período equivalente ao início do terceiro trimestre da gestação, mas não imediatamente ao término do tratamento. Até o momento, porém, não há nenhum estudo pré-clínico ou clínico que tenha avaliado detalhadamente o impacto da exposição a pesticidas organofosforados sobre a homeostase glicêmica ao longo da gestação com o foco na gestante, muito menos acompanhando se os eventuais desfechos são reversíveis no pó-termo. Ainda, nenhum estudo se estende aos fetos e a prole adulta numa única proposta, o que dificulta a interpretação do impacto nos diversos estágios e indivíduos supracitados. Assim, objetivamos avaliar quais as alterações bioquímicas e/ou morfofisiológicas podem decorrer da exposição a esta classe de pesticidas e o quanto destas potenciais alterações podem afetar o metabolismo da prole (fetos e adultos). Uma entre várias hipóteses é de que a exposição ao pesticida malathion, por um período que anteceda a fecundação (e.g., contexto que mimetizaria a exposição ambiental de mulheres no período pré-natal), impacte negativamente sobre a homeostase glicêmica durante a gestação e permaneça inalterada no pós-termo. Também hipotetizamos que os desfechos murinométricos e bioquímicos nos fetos e na prole adulta estarão afetados por esta exposição materna ao pesticida. Num primeiro momento, repetiremos os experimentos com as prenhes a fim de finalizar essas abordagens preliminares e estenderemos todas as abordagens nas prenhes até 2 meses ao pós-termo. Num segundo momento, avaliaremos parâmetros murinométricos, bioquímicos e morfológicos nos fetos e na prole adulta (ambos os sexos). Por fim, buscaremos avaliar o efeito direto do malathion sobre parâmetros moleculares e eletrofisiológicos das células beta pancreáticas com o intuito de revelar possíveis mecanismos de ação do malathion.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022