Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alesandro Ferreira dos Santos

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • estudando alternativas à teoria da relatividade de einstein e teoria quântica de campos à temperatura finita
  • Neste projeto iremos investigar aplicações em teoria quântica de campos à temperatura finita. A contribuição de termos que violam as simetrias de Lorentz e CPT será calculado para diferentes processos de espalhamento. O efeito Casimir à temperatura finita para diferentes campos quânticos será determinado. O formalismo de campos térmicos dinâmicos será usado para introduzir os efeitos de temperatura. Modelos alternativos à relatividade geral de Einstein serão analisados. A questão da causalidade nestas teorias modificadas será discutida. Uma densidade de energia holográfica em um modelo de gravidade modificada será considerada.
  • Universidade Federal de Mato Grosso - MT - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alessandra Choqueta de Toledo Arruda

Ciências da Saúde

Fisioterapia e Terapia Ocupacional
  • efeito da estimulação elétrica nervosa transcutânea ganglionar no metaborreflexo muscular esquelético durante o teste de exercício cardiopulmonar em pacientes com insuficiência cardíaca crônica
  • A insuficiência cardíaca é uma síndrome clínica complexa caracterizada pela incapacidade cardíaca de fornecer oxigênio adequadamente aos tecidos. Essa síndrome atinge cerca de 3 milhões de pessoas no mundo. Suas principais manifestações clínicas são fadiga e dispneia que contribuem para a limitação ao exercício. A fadiga muscular aumenta a atividade nervosa simpática muscular e reduz o fluxo de sangue para os músculos em repouso devido à vasoconstrição adrenérgica. O mecanismo sugerido para explicar esse fenômeno é de que a maior ativação da musculatura esquelética irá gerar acumulo de metabólitos capazes de estimular as aferências do tipo III e IV e produzir intensa vasoconstrição mediada pelo aumento da atividade simpática. Durante o exercício de alta intensidade, ocorre também fadiga da musculatura respiratória, ativando também o metaborreflexo muscular inspiratório. No exercício esse mecanismo pode influenciar o surgimento da fadiga periférica e contribui para a intolerância ao exercício na insuficiência cardíaca. Algumas terapias capazes de manipular esse mecanismo vem sendo estudadas, dentre elas a estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS). A administração da TENS na região de gânglios cervicotorácicos tem demonstrado ser uma estratégia útil para diminuir a gravidade da angina e melhorar o fluxo sanguíneo local. Estudos recentes mostraram que a TENS sobre a região do gânglio estrelado (simpático) atenuou o metaborreflexo muscular tanto em jovens quanto em idosos, provavelmente devido ao bloqueio da atividade nervosa simpática. A utilização periférica da TENS também reduziu a atividade nervosa simpática muscular mensurada pela microneurografia em pacientes com insuficiência cardíaca. A TENS é particularmente benéfica na diminuição da hiperestimulação simpática quando o tônus adrenérgico é regulado. No entanto, ainda não se sabe o impacto da TENS ganglionar durante a realização de exercício máximo em pacientes com insuficiência cardíaca crônica. Nossa hipótese é de que a TENS poderia atenuar o metaborreflexo muscular esquelético e inspiratório, indicando uma redução na atividade simpática, com consequente melhora na performance e na tolerância ao exercício de pacientes com insuficiência cardíaca crônica. Assim, o objetivo deste estudo é determinar o impacto da estimulação elétrica nervosa transcutânea ganglionar no metaboreflexo muscular e na capacidade funcional de pacientes com insuficiência cardíaca crônica durante o teste de exercício cardiopulmonar. Este será um estudo multicêntrico, transversal placebo-controlado. Serão incluídos pacientes com insuficiência cardíaca classe funcional II e III NYHA e indivíduos sem doença prévia pareados por sexo e idade que incluirá individuos entre 30 e 70 anos. Em cada visita serão realizados o teste de exercício cardiopulmonar máximo e o protocolo TENS ou sham TENS, de acordo com a randomização. As visitas serão realizadas com intervalo mínimo de 48 horas. A estimulação elétrica transcutânea ganglionar com a TENS será conduzida por um período de 30 minutos antes e durante todo o protocolo de exercício. O protocolo da TENS será realizado a partir do modo de fluxo contínuo, simétrico e pulso bifásico retangular aplicados na região do gânglio estrelado (nível vertebral C7 e T4). Os parâmetros utilizados serão: frequência de estímulo a 80Hz e duração do pulso de 150 μs. A intensidade será determinada a partir do nível máximo tolerado pelo indivíduo, sem a presença de dor ou contração muscular. Durante o protocolo sham TENS, os participantes receberão as mesmas instruções e serão conduzidos aos mesmos procedimentos descritos acima. No entanto, o tempo entre os pulsos da TENS será modificado de 330 ms para 33 s no intuito de evitar qualquer efeito analgésico. Durante o protocolo experimental e no período de recuperação, as seguintes medidas serão realizadas: frequência cardíaca, pressão arterial, ventilação, consumo de oxigênio (VO2), produção de dióxido de carbono (VCO2) e a oxigenação dos músculos intercostais e vasto lateral pela espectroscopia no infravermelho próximo (NIRS).
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022