Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ana Paula Gonçalves Mellagi

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • transporte de doses inseminantes refrigeradas: impacto da emissão de vibrações sobre parâmetros de qualidade de células espermáticas de suínos
  • Com os grandes avanços no uso da inseminação artificial, tornou-se necessária a centralização e profissionalização da produção das doses inseminantes em centrais de produção de sêmen. Adquirir doses das centrais garante a utilização de doses inseminantes produzidas através de um rigoroso controle de qualidade, além de um rápido avanço genético, pois a reposição anual de machos nas centrais é superior a 80%. Vale salientar que o uso comercial da inseminação em suínos é realizado com doses de sêmen refrigeradas a 17 °C. No Brasil, é comum que longas distâncias sejam percorridas para realização da entrega das doses, tendo como desafios o tempo e a vibração do transporte. Atualmente, pouco se sabe sobre os efeitos causados pela emissão das vibrações. No entanto, o grau de vibrações emitidas durante o transporte exerce um efeito frequência-dependente na qualidade espermática. Assim, o objetivo deste estudo é avaliar o impacto das vibrações em doses inseminantes produzidas com diluente de curta (BTS) ou longa duração (Androstar Plus), com diferentes quantidades de ar presente dentro das doses submetidas à simulação de transporte, ou em diferentes durações de tempo de exposição às vibrações. Para cada experimento, serão utilizados 20 ejaculados diluídos em split sample em BTS e Androstar Plus. No experimento 1, a quantidade de ar presente na dose será avaliada, com os seguintes tratamentos: 10, 30 e 50% de ar. Já no experimento 2, a duração da exposição às vibrações será avaliada, com os tratamentos de: 0, 3, 6 e 12h. A simulação do transporte ocorrerá através de vibrações emitidas por um shaker com movimento orbital em 70 rpm. As análises de parâmetros de qualidade espermática como motilidade, morfologia, estresse oxidativo, viabilidade de membranas, pH, potencial mitocondrial e termorresistência avaliados serão realizadas ao longo armazenamento. Amostras serão congeladas para estudo proteômico seminal de machos com diferentes resistências ao transporte das doses.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Ana Paula Guedes Frazzon

Outra

Ciências Ambientais
  • microbioma, resistência aos antimicrobianos e isolamentos de enterococos de fezes de animais selvagens e de cativeiro
  • A fauna do Brasil possui uma das maiores diversidade em espécies de animais aquáticos e terrestre. Na Zona Costeira do Rio Grande do Sul há registros de diversas espécies de animais marinhos, como lobos-marinhos-sul-americanos (Arctocephalus australis), lobos-marinhos-subantárticos (Arctocephalus tropicalis), pinguim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) e tartarugas marinhas (Eretmochelys imbricata e Chelonia mydas). Já nas matas do Rio Grande do Sul são encontradas diversas espécies de animais selvagens como o macaco-prego (Sapajus nigritus), as borboletas castanha-vermelha (Heliconius erato phyllis), os sapos da barriga vermelha (Melanophryniscus macrogranulosus) e os graxains-do-campo (Lycalopex gymnocercus). Todos estes animais merecem nossa atenção e cuidado, pois grande parte deles está ameaçada de extinção, e outros são espécies raras. As fragmentações das matas, a poluição, a perda de habitats e a proximidade com os homens podem ser consideradas como os fatores negativos para a conservação dos animais selvagens. A contaminação das águas e solo com efluentes urbanos é uma forma de disseminar antibióticos e/ou bactérias resistentes de forma a contaminar os animais que habitam esses ambientes. Como consequência, estas modificações ambientais interferem no equilíbrio hospedeiro-microrganismo. A identificação dos milhões de microrganismos que estão presentes no hospedeiro é definida como microbioma, e a composição e, consequentemente, o funcionamento do microbioma, pode sofrer influências de diferentes fatores: ambiente, alimentação, uso de antibióticos, doenças, senescência, entre outros. Entre os microrganismos que compõe microbioma intestinal dos animais destaca-se o gênero Enterococcus spp. Este gênero é considerado sentinela em relação ao impacto do ser humano na natureza, podendo, por exemplo, servir para avaliar para avaliar os efeitos antropogênicos no ambiente. Sob essa perspectiva, alguns agentes biológicos isolados a partir de animais poderiam ser utilizados como indicadores de perturbação do ecossistema. Sem dúvida, uma importante chave para a ampla distribuição do gênero Enterococcus spp. na natureza e a sua capacidade de suportar uma variedade de condições ambientais. Algumas espécies de enterococos vêm recebendo atenção, devido ao aumento na frequência de resistências aos antimicrobianos, principalmente em infecções nosocomiais. O resistoma, por outro lado, avalia todos os genes de resistência encontrados em bactérias. A resistência aos antibióticos é reconhecida como um sério risco para a saúde pública que continuamente preocupa e desafia a comunidade científica. Em ambiente hospitalar, os mecanismos de disseminação da resistência são bem conhecidos e documentados, entretanto muito pouco ou até mesmo insuficiente informação sobre a disseminação e aquisição de determinantes de resistência, em outros nichos ecológicos, como as comunidades bacterianas que habitam a fauna selvagem, parte da qual em risco de extinção. Esta situação torna-se demasiadamente preocupante no momento em que, são encontradas bactérias comensais resistência aos antimicrobianos em populações de animais selvagens. A caracterização do microbioma, dos genes de resistência e análise de bactérias sentinelas são fundamentais no avanço da compreensão da relação hospedeiros, microrganismos e ações antropogênicas. Nesse sentido, a presente proposta estrutura-se em quatro subprojetos: I) Estudar a microbiota bacteriana intestinal dos animais selvagens capturados nas matas fragmentadas e de cativeiro; II) Avaliar a presença de genes de resistência de importância clínica humana e veterinária nas fezes de animais selvagens e de cativeiro; III) Estudar a disseminação da resistência aos antimicrobianos nos enterococos isolados das fezes de animais selvagens de vida livre capturados nas matas fragmentadas e de cativeiro; e IV) Determinar a relação clonal entre os enterococos isolados de animais selvagens e cativeiro com cepas patogênicas isoladas de humanos.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2023
Foto de perfil

Ana Paula Junqueira-Kipnis

Ciências Biológicas

Imunologia
  • revacinação com bcg de profissionais da saúde atuando na pandemia de covid-19, estratégia preventiva para melhorar resposta imune inata
  • Racional: Os profissionais da área de saúde (PS) estão expostos a infecção por COVID-19 mesmo usando equipamentos de proteção individual. A vacina BCG, utilizada largamente no Brasil em recém-nascidos induz proteção adjuvante para diversas doenças dentre elas as virais da infância. A BCG ativa monócitos e NK de memória inata que são células cruciais na resposta imune antiviral. Logo, estratégias que possam prevenir o adoecimento por COVID-19 dos PS devem ser realizadas para que não adoeçam e ou desfalquem o serviço durante a pandemia. A hipótese é que a BCG irá melhorar a resposta imune inata e evitar a infecção sintomática ou o agravamento da infecção por COVID-19. Objetivo: Reduzir dos PS a infecção por COVID-19 durante a fase pandêmica da doença. Reduzir o agravamento de saúde por COVID-19 nesses profissionais. Desenho do estudo: Ensaio clínico aberto randomizado. População do Estudo: Qualquer PS com contato direto com pacientes suspeitos de COVID-19 seja nos leitos hospitalares, CTI, ou nos transportes e admissão (maqueiros, enfermeiras, médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, etc). Intervenção: Os PS incluídos no estudo (Prova tuberculina negativa e TB Gold test negativo) serão randomizados entre grupos vacinados com BCG ou não vacinados. Parâmetros principais/desfecho: Positividade para COVID-19. Presença ou ausência de sintomas. Admissão em hospital ou agravamento.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 16/07/2020-31/07/2023