Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sara Dousseau Arantes

Ciências Agrárias

Agronomia
  • caracterização das respostas morfofisiológicas de espécies nativas do gênero piper e de genótipos de pimenteira-do-reino sob estresse hídrico
  • A pimenta-do-reino (Piper nigrum L.), conhecida internacionalmente como black pepper (pimenta preta), é o condimento mais popular do mundo, tendo alcançado o status de ‘King of Spices’ (rei das especiarias). Dentre os entraves para o cultivo da pimenteira-do-reino no estado do Espírito Santo, destaca-se os fatores bióticos (Fusariose, Nematóide e Phytophtora) e os fatores abióticos (salinidade, seca e inundação). O estresse hídrico é considerado um dos fatores mais limitantes a produção agrícola em todo o mundo. Nos últimos anos o estado do Espírito Santo tem sofrido tanto com a escassez hídrica quanto com o excesso de precipitação, que causa inundações recorrentes. Embora a pimenta-do-reino seja uma cultura de expressiva importância econômica no Brasil, ainda são escassos os estudos que caracterizem os efeitos dos estresses ambientais no desenvolvimento da planta. Sabe-se que o entendimento dos mecanismos de respostas morfofisiológicas de uma espécie é base fundamental para o desenvolvimento de estratégias eficientes de propagação e manejo fitotécnico, visando aumento de produtividade. Nestes ensaios também é possível identificar descritores morfofisiológicos que poderão ser utilizados como marcadores na seleção precoce de plantas em programas de melhoramento genético visando a obtenção de genótipos mais resistentes ou tolerantes aos estresses ambientais. Sendo assim, objetiva-se com este projeto, caracterizar os mecanismos morfofisiológicos de cultivares de pimenteira-do-reino e espécies nativas do gênero Piper em resposta ao déficit hídrico visando a identificação de genótipos tolerantes para serem utilizados como porta-enxertos e no melhoramento genético. Serão avaliadas três espécies nativas do gênero Piper (Piper arboreum Aubl., Piper aduncum L. e Piper tuberculatum Jacq.) e três cultivares de pimenteira-do-reino (‘Kottanadan do Broto Roxo’, ‘Bragantina’ e ‘Balankota’). As mudas das espécies nativas serão obtidas via seminal, enquanto as das cultivares de P. nigrum serão propagadas assexuadamente. Todos os materiais genéticos serão propagados em tubetes e transplantados para vasos de 8 L após atingirem o padrão comercial (25 a 30 cm de comprimento da parte aérea, cerca de quatro a cinco meses após a semeadura/estaquia). Após o transplantio as plantas serão aclimatadas por cinco a sete meses, mantidas irrigadas na capacidade de campo, sendo após este período, submetidas ao ensaio de déficit hídrico. Os ensaios serão conduzidos em viveiro sob 50% de sombreamento utilizando tela sombrite preta, utilizando o delineamento blocos casualizados, com quatro repetições e 10 plantas por parcela. O déficit hídrico será imposto a cada trinta dias e será realizada a medição das trocas gasosas. O período de restrição hídrica será definido com base na capacidade das espécies manterem o balanço positivo entre fotossíntese e respiração. Após a definição do potencial hídrico limítrofe, as plantas serão reidratadas e a taxa de recuperação de cada espécie será avaliada. Estes ciclos de estresse e recuperação serão impostos pelo menos três vezes. Será mantido um grupo controle, no qual não será imposto o déficit hídrico. As plantas serão avaliadas diariamente após a imposição do estresse e durante a recuperação quanto as trocas gasosas. Ao final de cada período de estresse e após a reidratação as plantas serão avaliadas ao quanto ao crescimento, fluorescência da clorofila a, pigmentos fotossintéticos e potencial hídrico foliar. Ao final dos ciclos de estresse hídrico serão efetuadas a quantificação dos carboidratos e as análises estruturais de raiz, caule e folhas. Pretende-se com este projeto identificar materiais genéticos potenciais porta-enxertos para serem utilizados na enxertia intraespecífica e interespecífica da pimenteira-do-reino, bem como identificar descritores morfofisiológicos que poderão ser utilizados como marcadores na seleção precoce de plantas em programas de melhoramento genético visando a obtenção de genótipos mais resistentes ou tolerantes ao déficit hídrico.
  • Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural - ES - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022