Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Susana Juliano Kalil

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • biocompostos de interesse industrial: obtenção por processos biotecnológicos
  • O interesse industrial pelo cultivo de micro-organismos se destaca pela variedade de compostos intracelulares ou extracelulares que estes podem produzir, tais como: enzimas xilanolíticas e proteolíticas, e o corante C-ficocianina (C-FC). Dentre estes produtos, as enzimas têm um papel importante, pois podem ser utilizadas para catalisar a hidrólise de substratos incluindo subprodutos e coprodutos agroindustriais, a fim de se obter biomoléculas ativas, como os xilo-oligossacarídeos (XOS) e peptídeos. A presente proposta tem como motivação principal a obtenção de biocompostos ativos via hidrólise enzimática ou produzidos por micro-organismos. Para atingir este objetivo serão desenvolvidos três subprojetos conforme descritos a seguir. O subprojeto 1, intitulado “Purificação de C-ficocianina, extraída seletivamente, por diferentes técnicas”, propõe estudar diferentes técnicas – cromatografia de troca iônica, precipitação com sulfato de amônio e ultrafiltração – para purificação de C-FC extraída seletivamente com EDTA (ácido etilenodiamino tetra-acético) a partir da biomassa úmida de Spirulina platensis. O subprojeto 2, intitulado “Obtenção de peptídeos bioativos via hidrólise enzimática de substratos proteicos agroindustriais”, propõe a obtenção de peptídeos bioativos via hidrólise enzimática de substrato proteico agroindustrial, utilizando enzima proteolítica estabilizada ou não com aditivos químicos. No subprojeto 3, intitulado “Obtenção de enzimas xilanolíticas e xilo-oligossacarídeos a partir de substratos lignocelulósicos agroindustriais”, é proposta a produção de enzimas xilanolíticas e XOS por cepa da levedura Aureobasidium pullulans utilizando meio de cultivo contendo substratos lignocelulósicos agroindustriais. Assim, busca-se com a execução desta proposta o desenvolvimento processos biotecnológicos com impacto regional, nacional e internacional, além da utilização de subprodutos e/ou coprodutos provenientes da agroindústria para a obtenção de biomoléculas com alto valor agregado e de interesse ao setor industrial.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Susy Rodrigues Simonetti

Ciências Sociais Aplicadas

Turismo
  • economia criativa como alternativa de desenvolvimento local: a produção do artesanato e o turismo comunitário nas regiões do alto e baixo rio negro (am)
  • De acordo com o Ministério da Cultura, o turismo se configura como um componente da economia criativa, um setor criativo. Sua importância é inegável na medida em que o desenvolvimento regional está sob orientação estratégica do Governo Federal para a Amazônia, ao apontar a atividade como um dos Arranjos Produtivos Locais (APLs) e que precisa ser desenvolvida visando à sustentabilidade em todas as suas dimensões. Diretamente relacionado a esse setor criativo, sendo considerado um setor criativo nuclear, está o artesanato, foco deste trabalho. O estudo se revela de fundamental importância por entrelaçar a valorização da cultura baseada em saberes tradicionais, nas práticas e na dinâmica econômica local, protagonizada pelas comunidades, cuja lógica difere da perspectiva produtivista do capital, com destaque para o artesanato. Dessa forma, o objetivo deste estudo é conhecer iniciativas e oportunidades em Economia Criativa por meio da produção do artesanato e do turismo na Comunidade do Lago do Acajatuba, a qual se autoidentifica como ribeirinha, região do Baixo Rio Negro, e na Comunidade Indígena do Areal, Alto Rio Negro (AM). Em suas especificidades, pretende-se mapear as iniciativas de Economia da Cultura nas duas áreas; caracterizar a dinâmica das práticas dos atores sociais envolvidos na cadeia produtiva do artesanato; e discutir de que forma o empreendedorismo cultural e criativo se articulam nas comunidades para possibilitar o desenvolvimento do turismo local. Em consonância com tal entendimento, o método dialético e a abordagem quanti-qualitativa conduzirão a pesquisa, cujos procedimentos metodológicos serão baseados na triangulação metodológica e: 1) no aporte de categorias como economia criativa e turismo cultural, no cenário dos debates e estudos vigentes; 2) e na adoção de técnicas e instrumentais, em uma modalidade de pesquisa interação que se constitui em uma abordagem inovadora das premissas e práticas da pesquisa-ação. A abordagem analítica das informações coligidas serão processadas à luz do Método de Análise de Conteúdo de Bardin (1977) composto por um conjunto de técnicas de análise, sequenciadas em três momentos: (a) pré-análise, (b) exploração do material e (c) tratamento dos resultados e a interpretação. Após a obtenção dos dados, serão feitos recortes de enunciados, para efetuar a categorização e estabelecer subcategorias dos dados, os quais serão ordenados a partir de aspectos cognitivos, práticos, críticos e afetivos. No que se refere às fontes de informação, serão utilizados dados de origem primária, com coleta de dados junto aos informantes in loco, e dados de origem secundária, cujas informações produzidas e organizadas sobre o contexto estudado e sobre o público alvo, estão disponíveis em relatórios, atas, mapas, entre outros. Quanto aos instrumentais de coletas de dados, destacam-se: entrevistas semiestruturadas, conversas informais e formulário (com questões abertas e fechadas) do levantamento socioeconômico (com 15 artesãos associados em cada comunidade, informantes chave, lideranças e para o mapeamento das iniciativas de Economia Criativa); caderno de campo, registros fonográficos e fotográficos (da produção de artesanato da comunidade); observação sistemática e assistemática (acompanhamento de atividades produtivas, político-organizativas e culturais - festas, celebrações). Os resultados e produtos gerados no estudo servirão para subsidiar as práticas organizativas e produtivas das comunidades participantes do estudo. Além de fornecer informações qualificadas para a atuação de profissionais de diferentes áreas, seja junto às comunidades locais ou em outros contextos similares com as devidas adaptações.
  • Universidade do Estado do Amazonas - AM - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzana Guimaraes Leitao

Ciências da Saúde

Farmácia
  • plantas da biodiversidade amazônica com potencial para o desenvolvimento de fármacos a partir do conhecimento tradicional associado
  • Este projeto pretende dar continuidade às pesquisas iniciadas em 2007 quando nosso grupo de pesquisa na UFRJ obteve a primeira autorização do Brasil junto ao CGEN para acesso ao Conhecimento Tradicional Associado (CTA) com fins de bioprospecção. Desde então, vimos desenvolvendo estudos etnobotânicos/etnofarmacológicos de espécies medicinais utilizadas por comunidades quilombolas de Oriximiná-PA. Dentre as etnoespécies de interesse, destacam-se, a Saracura-mirá (Ampelozizyphus amazonicus Ducke); a Salva-de-Marajó (Lippia origanoides Kunth, Verbenaceae) e o Breu (diferentes espécies dos gêneros Protium, Trattinnikia e Tetragastris – família Burseraceae). Nosso grupo de pesquisa tem se interessado pelo estudo da Lippia origanoides desde 2003, quando a mesma foi apontada como uma das espécies de maior importância para as comunidades quilombolas de Oriximiná, onde é conhecida como “Salva-de-Marajó”, e a espécie mais utilizada por parteiras da região para cólica menstrual, “inflamação de útero”, para descer o sangue pós-parto, dentre outras. Desde então vimos estudadando seu potencial medicinal e aromático, tendo descrito na literatura suas propriedades anti-inflamatórias, aromáticas, antimicrobianas e, mais recentemente, dados sobre seus constituintes não voláteis (flavonoides e fenilpropanóides glicosilados). Tendo em vista o valor medicinal da L. origanoides, consideramos que a espécie possui grande potencial para desenvolvimento tecnológico de um fitoterápico anti-endometriose. A outra espécie que já vem sendo estudada pelo nosso grupo há cerca de 8 anos é a Saracura-mirá - Ampelozizyphus amazonicus Ducke, para a qual temos produzido estudos químicos e biológicos. A planta é utilizada nas comunidades e em toda Amazônia como fortificante, afrodisíaca e estimulante, e consumida na forma de uma bebida aquosa, para a qual nosso grupo pôde demonstrar propriedades imunomoduladoras e adaptógenas. A complexa química desta espécie, para a qual havia apenas dois trabalhos publicados nos últimos 20 anos, tem sido desvendada pelo nosso grupo desde 2013. Outro produto que tem despertado o interesse do grupo nos últimos anos é o breu, que apresentou 100% de concordância de uso entre os entrevistados em Oriximiná, que o citaram para o combate à dor de cabeça e enxaqueca, por inalação. Estudos realizados por nós com amostras de breu coletadas em Oriximiná, em modelo de analgesia in vivo, demonstraram que a inalação por nebulização de uma dispersão do óleo essencial do breu em propilenoglicol (10%) e água diminuiu, significativamente, o número de contorções abdominais em camundongos. Nesse projeto, nos propomos a continuar os estudos com as espécies propostas, e contribuir com conhecimentos acerca da etnobotânica, química, biotecnologia e farmacologia das mesmas.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzana Maria De Conto

Ciências Sociais Aplicadas

Turismo
  • indicadores de sustentabilidade em restaurantes como requisito para a gestão da sustentabilidade no turismo
  • A atividade turística se consolida por meio da mobilidade proporcionada pelos sistemas e redes de transporte, como também pelos serviços oferecidos pelos setores gastronômicos. Assim, cabe a esses setores oferecer serviços de qualidade aos turistas respeitando os princípios da sustentabilidade. Considerando a importância dos indicadores de sustentabilidade para avaliar o desempenho da gestão de restaurantes, a pesquisa tem por objetivo analisar os indicadores de sustentabilidade implantados em restaurantes e sua relação com os princípios da gestão e do turismo sustentável. A pesquisa caracteriza-se como exploratória/descritiva e bibliográfica. A investigação, primeiramente, consiste na análise das dissertações e teses sobre sustentabilidade em restaurantes que se encontram disponibilizadas no Banco de teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Este tipo de pesquisa tem por objetivo mapear e analisar a produção acadêmica em diferentes campos do conhecimento, em diferentes instituições do país, em especial na área do turismo. Na segunda etapa, de abordagem qualiquantitativa, a pesquisa centra-se nas informações de clientes de restaurantes, de gestores, observação de práticas sustentáveis implantadas em restaurantes e determinação de indicadores de sustentabilidade nesses empreendimentos. A Região Uva e Vinho e Região das Hortênsias serão as regiões turísticas da Serra Gaúcha selecionadas para pesquisa. Serão selecionados dois restaurantes para a determinação dos indicadores. Também, está previsto, via Sindicatos da gastronomia das duas regiões, o envio de questionários para seus restaurantes associados no sentido de identificar a implantação de indicadores de sustentabilidade. Para a definição dos clientes de restaurantes serão selecionados os participantes de dois eventos científicos (Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul – SeminTUR e Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós?Graduação em Turismo - ANPTUR), hóspedes de dois meios de hospedagem e os professores do corpo permanente dos programas de Pós-Graduação Stricto Sensu no Brasil na área do Turismo. Utilizar-se-á um Questionário, estruturado com perguntas abertas e fechadas, que conterá perguntas relacionadas a dados gerais do participante e relacionadas a critérios sustentáveis de seleção de restaurantes e ações sustentáveis implantadas nesses empreendimentos (Questionário 1 com hóspedes e clientes de restaurantes). A coleta de dados será realizada em diferentes momentos e forma: para os meios de hospedagem os questionários serão aplicados em duas semanas de alta temporada; para os participantes da ANPTUR e SEMINTUR e professores dos programas de Pós-Graduação, será utilizado o Google Forms (ferramenta online). Serão realizados três pré-testes no instrumento de coleta de dados com pessoas que costumam viajar e frequentar restaurantes e que não participarão da pesquisa, no sentido de validar as perguntas do questionário antes de sua aplicação. O Questionário 2 (gestores de restaurantes), trata-se de um questionário estruturado com perguntas abertas e fechadas sobre indicadores de sustentabilidade adotados nos restaurantes. Os mesmos serão encaminhados on line por meio dos sindicatos da gastronomia das duas regiões selecionadas. A identificação das ações sustentáveis implantadas nos restaurantes será realizada via Website e in loco. Os seguintes indicadores são alvo da pesquisa: Indicadores da dimensão ambiental: a) Consumo de água/cliente/refeição; b) Consumo de água/usuário/mês; c) Consumo de energia/cliente/refeição; d) Consumo de energia/usuário/mês; e) Geração de resíduos/cliente/refeição; f) Geração de resíduos/usuário/mês; g) Percentual de receita bruta aplicado em iniciativas socioambientais; h) Número de ações de conservação de áreas naturais, flora e fauna; i) Quantidade de vegetação nativa removida e j) Quantidade de vegetação nativa plantada. Indicadores da dimensão socioambiental: a) Percentual de receita aplicada em iniciativas socioculturais; b) Quantidade de ações socioculturais; c) Percentual de satisfação dos clientes; d) Quantidade de ações de apoio à divulgação e promoção da cultura local e e) Quantidade de ações de apoio à capacitação. Indicadores de dimensão econômica: a) Número de clientes/dia; b) Percentual de satisfação do cliente; c) Quantidade de horas de capacitação/colaborador; d) Número de acidentes de trabalho (sem afastamento/com afastamento); e) Número de acidentes com clientes; f) Margem de contribuição; g) Lucratividade; h) Taxa de retorno sobre o investimento e i) Quantidade de fornecedores locais contratados.
  • Universidade de Caxias do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzana Maria Gico Lima Montenegro

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • estudo de atributos hidrológicos como suporte à gestão de recursos hídricos no estado de pernambuco
  • Atualmente, cerca de metade da população mundial vive em áreas que apresentam uma potencial escassez de água pelo menos uma vez ao ano, e essa quantidade de pessoas atingidas pela indisponibilidade hídrica poderá aumentar consideravelmente até 2050, com um total de até 5,7 bilhões de indivíduos sendo afetados. Nesse sentido, o setor de Ciência e Tecnologia mundial vem sendo instigado a fornecer subsídios para a análise de cenários de planejamento de setores como abastecimento, produção de energia, alimentos, desenvolvimento urbano e rural etc., considerando os efeitos que as mudanças climáticas poderiam causar, a curto e longo prazo, nos recursos naturais e os impactos sociais e econômicos resultantes desse processo. De acordo com o Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), em seu quinto e mais recente relatório, lançado em 2013, as regiões áridas e semiáridas são, particularmente, as mais expostas às mudanças climáticas e devem ser sensivelmente afetadas pela redução de disponibilidade dos recursos hídricos. Processos hidrológicos serão alterados e problemas como salinização da água subterrânea superficial, redução de vazão e consequentes prejuízos de geração de energia em bacias hidrográficas poderão ser comuns. Em consequência disso, a manutenção de projetos de irrigação e abastecimento da população poderão ser severamente afetados. Dentro desse contexto, deve-se considerar que, no Brasil, Pernambuco é o estado com maior limitação em quantidade de água por habitante. Além disso, cerca de 89% do estado encontra-se inserido no semiárido, onde as chuvas são escassas e irregulares. A precipitação no estado pode variar de 500 mm/ano no sertão a 2000 mm/ano no litoral. Contraditoriamente, é nas bacias litorâneas que 80% dos volumes aproveitáveis de água precipitada estão localizados, visto que no semiárido, características morfológicas não permitem a construção de grandes reservatórios. É importante destacar, ainda, que desde 2012 o Nordeste vem passando pela sua maior crise hídrica nos últimos 30 anos. Nesse período, a seca vem afetando severamente a região, com mais de 1.400 municípios impactados em diferentes graus. Diante disso, cresce a necessidade de compreender adequadamente os diversos fatores que regulam o balanço hídrico e interferem na disponibilidade hídrica e sua qualidade, como forma de adaptar ou implantar soluções permanentes de convivência com a seca. Nos últimos anos, em virtude da problemática relacionada ao uso e gerenciamento racional dos recursos hídricos, surgiu com maior força a necessidade de estudos focados na modelagem hidrológica, com a previsão de cenários futuros baseados nos impactos de modificações no uso e ocupação do solo e mudanças climáticas sobre a dinâmica de recursos hídricos ao longo do tempo na região. Aliado a isso, há poderosas ferramentas baseadas em geoprocessamento e sensoriamento remoto, que permitem a detecção e mapeamento de áreas mais vulneráveis, além de permitir, com maior precisão, estimar processos essenciais ao balanço de radiação, com impactos diretos nos recursos hídricos, como o albedo e evapotranspiração. Não se deve desconsiderar, no entanto, estudos em bacias experimentais e representativas, que fornecem a principal fonte de dados e ponto de partida para a modelagem e geoprocessamento. Nesse sentido, o monitoramento de variáveis hidrológicas, escoamento superficial e produção de sedimentos é essencial. Considerando a quantidade de processos que podem alterar, quantitativamente e qualitativamente, a disponibilidade dos recursos hídricos, especialmente em Pernambuco, situado em área de grande risco, fica claro que compreender a dinâmica desses processos e como eles alteram o ambiente é essencial na adoção de ações e políticas de mitigação e convivência com as secas como forma de evitar problemas de ordem social e econômica.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzana Mary de Andrade Nunes

Ciências Humanas

Educação
  • projeto brilho nos olhos: sensibilizar a criança para o conhecimento do mundo e para a vida democrática
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 12/08/2019-30/11/2021
Foto de perfil

Suzana Meira Ribeiro

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • reposiocionamento de fármacos como abordagem para combater biofilmes bacterianos formados por isolados clínicos multiresistentes á antibióticos
  • O tratatamento de infecções bacterianas têm se tornado um desafio mundial devido ao surgimento de multiresistentcia à antibióticos e a formação de biofilmes, bactérias vivendo em comunidades e protegidas por uma matriz extracelular. Biofilmes são responsáveis por mais da metade de todas as infecções descritas. Essa forma de vida bacteriana é associada à infecções crônicas. As infecções ocasionadas por biofilmes têm sido consideradas recorrentes e, despertam apreensão em profissionais da saúde em todo o mundo, visto que, os antimicrobianos disponíveis para tratamento clínico atuam primariamente contra bactérias no estado planctônico (células bacterianas independentes). A maioria desses antibióticos têm se mostrado ineficiente em combater biofilmes. Usualmente, altas doses de antibióticos (até 1000 vezes ou mais) são necessários para combater biofilmes quando comparado com as doses utlizadas para combater bactérias no estado planctônico. O combate a biofilme pode se tornar ainda mais difícil se bacterias que os formam, carregam genes de resistência a antibióticos (exemplo: genes de resistência a colistina, a carbapenem, a meticilina). Um outro agravante acerca dos biofilmes, é que esses estilo de vida bacteriano pode ser formado por múltiplas bactérias, podendo tornar ainda mais difícil a eliminação dos mesmos. Infelizmente a maioria dos antibióticos é infeficente em combater biofilmes. Portanto, é urgente a necessidade de novas alternativas para combater biofilmes bacterianos, principalmente aqueles formados por bactérias multiresistentes à antibióticos. Uma alternativa contra biofilmes, poderia ser reposionamento de fármacos. A vantagem dessa abordagem, reside no fato que os mesmos já foram aprovados por agências reguladoras — já foram testados quanto a sua segurança, farmacocinética e efeitos colaterais em humanos. Diante disso, o objetivo desse projeto é triar propriedades antibiofilmes entre classes terapêuticas de fámacos não antibióticos, aprovados pela ANVISA,. O projeto propõe usar os fámacos independentes ou combinados com antibióticos contra biofilmes (monomicrobianos ou polimicrobianos) de bactérias pertencentes ao grupo ESKAPE (Enterococcus faecium, Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae, Acinetobacter baumanni, Pseudomonas aeruginosa e Enterobacter spp.). Esses patógenos são associados às altas taxas de infecções e resistência a terapias antimicrobianas no mundo todo. A identificação de propriedades antibiofilmes entre fármacos já disponíveis no mercado, poderia também reduzir os custos e o tempo associados a investigação de um novo medicamento, além de indicar caminhos para aumentar a qualidade de vida de pacientes que sofrem com infecções bacterianas crônicas.
  • Universidade Federal da Grande Dourados - MS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzana Quinet de Andrade Bastos

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • mudanças na composição dos índices de transgressividade no brasil (1991-2010)
  • As medidas de crimes violentos no Brasil têm crescido sistematicamente desde os anos de 1980, e a resposta é um maior esforço de combate e controle estatal; porém, as autoridades estatais não conseguem monitorar ubiquamente as atividades ilegítimas sob sua jurisdição. Embora sejam menos eficazes quanto aos crimes e mais difusos territorialmente, os controladores sociais (família, grupo religioso, escola e outros) podem atuar como efeito dissuasório primário mediante a socialização de crenças positivas de adesão a normas sociais e leis (instituições), de crenças negativas para sua violação, e a administração de sanções. Uma vez que a decisão criminal requer informação crível e que, na ausência de mercados ilícitos organizados, o criminoso recorre a outros canais de informação, tais como as experiências transgressivas e criminais pessoais e alheias, a densidade transgressivo-criminal de um local poderia carregar informação sobre o custo moral da entrada na “indústria” do crime. Essa perspectiva institucional de norma e dissuasão sociais, em geral, ainda representa uma lacuna a ser mais bem explorada na literatura aplicada de economia do crime. Ainda existe certa ambiguidade ou ausência de se estabelecer e validar estatisticamente os construtos de transgressividade (incapacitação, familiar-religiosa e educativa adulta), relacionando-os com o seu domínio teórico e dimensionalização. Portanto, este projeto de pesquisa inicialmente pretende elaborar os construtos de transgressividade das áreas mínimas comparáveis no Brasil e avaliar como a composição dos mesmos se alterou entre 1991, 2000 e 2010. Entretanto, esses construtos potencialmente formam múltiplas configurações distintas que se associam a uma alta (baixa) taxa de homicídio regional. Assim, esta pesquisa se estende ao identificar as combinações lógicas dos construtos de transgressividade e analisá-las comparativamente a fim de apontar os padrões regionais mais consistentes com a alta (baixa) taxa de homicídios de 1991, 2000 e 2010. Para atingir ambos os objetivos, esta pesquisa articulará a análise fatorial exploratória e confirmatória, modelo estrutural e uma análise configuracional. As duas primeiras técnicas estatísticas fornecerão os construtos de transgressividade, enquanto a segunda avaliará a robustez e relações dos mesmos. Ademais, as relações testadas no modelo estrutural corroborará com as combinações lógicas estabelecidas pela análise configuracional.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzane Lima Costa

Lingüística, Letras e Artes

Letras
  • as cartas dos povos indígenas ao brasil
  • Trata-se da criação e publicização do primeiro arquivo digital de cartas escritas por indígenas e encaminhadas ao Brasil em três importantes períodos da nossa história literária e política: 1630-1680 (antes do Brasil), 1888-1930 (na nação Brasil) e entre 2000-2018 (no presente Brasil). Com a criação desse arquivo pretende-se analisar as composições desse tipo de escrita, discutindo quem é o Brasil destinatário dessas cartas, tanto para apresentar os modos como diferentes líderes indígenas, ao biografarem suas próprias vidas, narram uma outra história do Brasil, quanto para demonstrar como nessas correspondências os povos indígenas nos apresentam a uma outra concepção de autoria: à noção de povo-autor. Para tanto, partiremos das 664 cartas já selecionadas e catalogadas durante a execução do projeto Autobiografias indígenas em trinta anos de cartas (projeto financiado pelo CNPq no Edital Universal 2013), analisando o destinatário Brasil e os contornos da autoria individual e coletiva dos indígenas durante o período de 2000-2018. Em seguida, nos dedicaremos à análise das cartas produzidas pelos indígenas Antonio Paraopeba e Felipe Camarão (cartas escritas no período colonial), presentes nos Arquivos da Real Biblioteca (Koninklijke Bibliotheek) da Holanda, em Haia (Nationale Bibliotheek van Nederland), bem como das cartas em defesa da terra, produzidas entre as décadas de 1888-1930. Após seleção, tradução e análise dessas correspondências, partiremos para a revisão bibliográfica das noções de autor e autoria no espaço biográfico até chegarmos às leituras sobre formas e funções do gênero epistolar na literatura brasileira. Como resultado final desta pesquisa, além da sua comunicação em congressos nacionais e internacionais e da publicação de artigos em revistas indexadas, pretendemos apresentar dois produtos principais: 1. Um arquivo dessas cartas em uma plataforma digital: espaço para outros estudos sobre a história literária do Brasil através das correspondências dos indígenas; 2. Uma exposição foto(áudio)biográfica dessas cartas, que possa promover uma discussão estética/política da autoria indígena em escolas públicas e museus nacionais e internacionais.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Suzann Flavia Cordeiro de Lima

Ciências Sociais Aplicadas

Arquitetura e Urbanismo
  • identificação de atributos espaciais em empresas com políticas de responsabilidade social, para a contratação de parceria público-privada ou cogestão na construção e administração de estabelecimentos penitenciários
  • A utilização de Parcerias Público-Privadas (PPPs) ou de regime de cogestão como forma de contratação dos serviços de construção e administração de estabeleci mentos penitenciários tem sido apresentada recorrentemente como alternativa frente à necessária reformulação do sistema prisional brasileiro. Justificando-se na insuficiência do investimento estatal dispensando ao sistema carcerário e no intuito de conferir maior dignidade ao atendimento dos apenados, em cumprimento ao disposto no art. 1º da Lei de Execução Penal, Lei nº 7.210/84, a gestão compartilhada da administração de presídios mediante a adoção do sistema de PPPs ou cogestão, ainda que sem alcançar números expressivos, é realidade no Brasil desde o final da década de 1990. Considerando que as pesquisas realizadas sobre o tema quase sempre não abrangem o universo de prisões privatizadas e quando o fazem não diferenciam adequadamente os modelos de cogestão e de PPPs, pode-se dizer que não há no país dados confiáveis e sistematizados que possibilitem atualmente a avaliação das unidades prisionais cuja administração prisional foi transferida para empresas com fins econômicos. Desenhado esse quadro, é objeto da pesquisa o levantamento das informações relativas à contratação por meio de PPPs e de cogestão no sistema prisional, visando conferir base empírica à análise comparativa das prisões privatizadas em relação aos vários aspectos que as diferenciam das unidades administradas exclusivamente pelo poder público, para que seja possível identificar a melhor alternativa frente à crescente população carcerária e às constantes crises que atingem as prisões do país. Observe-se que pelos contratos de PPPs, as prisões são projetadas, construídas, financiadas, operadas e mantidas por companhias privadas por um longo período de tempo; no caso do Brasil, 30 anos. As unidades em regime de cogestão, que representam a quase totalidade dos casos de privatização de presídios praticados no país, identificam-se, por sua vez, como espécie de contratação em que o Estado assume a direção da unidade, de sua guarda e escolta externa, enquanto a empresa privada assume toda a operacionalização da unidade, gerindo serviços de saúde, alimentação, limpeza, vigilância e escolta internas, além da manutenção das instalações. A pesquisa foi iniciada em edital publicado pelo IPEA e terá continuidade, realizada por pesquisadores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e alunos do curso de graduação em arquitetura e urbanismo e de graduação em engenharia civil. A pesquisa deverá ser desenvolvida a partir de três eixos, que deverão refletir sobre os impactos dos modelos privatizados de contratação e gestão de unidades prisionais com relação: 1) Ao impacto econômico e orçamentário; 2) À qualidade dos serviços prestados, no que se refere à Humanização dos espaços; 3) Às experiências internacionais em perspectiva comparada.
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022