Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vanderlei Both

Ciências Agrárias

Agronomia
  • estratégias para manter a qualidade da noz-pecã por longo tempo após a colheita
  • Nos últimos anos se observa uma ampliação da área de cultivo da nogueira (Carya illinoinensis) na região sul do país. Isso se deve às condições climáticas favoráveis e à procura pelo consumo de noz-pecã, uma vez que sua amêndoa apresenta alto teor de lipídios (especialmente ácidos graxos insaturados), vitaminas e antioxidantes, que são benéficos à saúde das pessoas que as consomem. A colheita da noz-pecã se concentra nos meses de abril e maio, mas o consumidor deseja ter disponível o produto durante o ano todo. Assim, muitas vezes existe a oferta de nozes de baixa qualidade, com sabor rançoso, em datas mais distantes da colheita. Isso se deve à oxidação do elevado teor de ácidos graxos insaturados presente nas nozes, quando armazenado em condições inadequadas ou por longo tempo. Esse processo é acelerado quando as nozes são descascadas, o que muitas vezes acontece em função da logística para o descasque das empresas, que podem permanecer com algum estoque durante um determinado período do ano. O presente projeto propõe a execução de três experimentos para avaliar a melhor condição de temperatura e níveis de gases (O2 e/ou CO2) no ambiente de armazenagem, a interação entre ambos, além de estratégias de revestimento das nozes, a fim de buscar uma forma eficiente de manter a qualidade das nozes após a colheita por um longo período, com o mínimo de rancificação. Nos experimentos serão avaliadas nozes com casca e descascadas e diferentes tempos de armazenamento, a fim de avaliar por quanto tempo é possível manter as nozes em uma determinada condição, servindo de suporte para agricultores ou empresas poderem adotar diferentes estratégias, de acordo com os recursos financeiros disponíveis. Em diferentes momentos durante o armazenamento serão tomadas amostras para avaliar a atividade respiratória, a alteração da coloração da amêndoa, o índice de acidez e peróxidos, compostos voláteis, com o objetivo de detectar indicativos do início da rancificação. Será realizada uma análise sensorial para detectar sabor rançoso ou desagradável, ao final do armazenamento. Com o desenvolvimento do projeto, pretende-se trazer alternativas que beneficiem os produtores de nozes e empresas que armazenam e processam o produto e o consumidor final que terá disponível nozes de qualidade, com menos rancificação, mesmo por vários meses após a colheita.
  • Universidade Federal de Santa Maria - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022