Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alexandra Augusta Margarida Maria Roma Sanchez

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • mortalidade nas prisões em tempos de covid-19
  • Ainda que nas prisões insalubridade, superlotação e a insuficiência dos serviços de saúde gerem alta morbidade, a mortalidade, importante indicador de saúde e direitos humanos, é pouco estudada pela dificuldade de acesso a informações confiáveis. Em estudo precedente que realizamos nas prisões do estado do RJ em parceria com o Ministério Público/RJ, mostramos a alta mortalidade em 2016 e 2017, especialmente por doenças infecciosas. No presente estudo propomos analisar a mortalidade e suas causas em 2019, 2020 e 2021, e sua associação com as medidas implementadas em decorrência dos resultados do estudo anterior e, a partir de 2020, o impacto da COVID-19. Postulamos que a partir de 2017 tenha havido redução da mortalidade, especialmente por doenças infecciosas. Entretanto, mortes por COVID-19 e o eventual recrudescimento de óbitos por outros agravos podem ter revertido a tendência inicial. Sustentam essa hipótese a ausência de medidas para melhorar as condições de encarceramento, impossibilidade de aplicar plenamente as medidas de prevenção da COVID-19, atraso na vacinação das pessoas privadas de liberdade (PPL) e o direcionamento dos escassos recursos da saúde para a pandemia, em detrimento de outros agravos. Os dados oficiais disponíveis para PPL não permitem uma análise precisa da situação. Este estudo fornecerá informações importantes para que gestores aprimorem as políticas de saúde prisional, otimizem recursos humanos e financeiros, além de subsidiar ações dos órgãos de fiscalização (OSCs, MP, DP) para que as PPL se beneficiem, no âmbito do SUS, de atenção à saúde equivalente a população livre. Taxas de mortalidade global e por causas, especialmente por tuberculose, HIV/aids e COVID-19 entre pessoas encarceradas em 2019, 2020 e 2021 serão estimadas a partir da base de dados construída nesta pesquisa e comparadas às observadas em 2016-2017. As taxas padronizadas por idade serão também comparadas às observadas na população geral do estado.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alexandra Lima da Silva

Ciências Humanas

Educação
  • sementes de ébano: família negra, educação e mobilidade social
  • A partir da revisão da literatura e do cruzamento com fontes documentais diversas, tais como periódicos e registros civis e eclesiásticos, o projeto procura problematizar os significados da maior visibilidade dada às trajetórias individuais de homens negros nos estudos históricos. Procura interrogar os silenciamentos produzidos em relação às mulheres negras no interior das famílias. Este projeto defende que o investimento na ampliação das redes de sociabilidade e na educação foram estratégia de mobilidade social na experiência famílias negras. Compreende família negra de forma ampliada, como uma comunidade de afeto e solidariedade, com destaque para o protagonismo das mulheres negras, que exerciam o papel de guardiãs da memória familiar.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alexandra Susana Latini

Ciências Biológicas

Bioquímica
  • participação do metabolismo da tetraidrobiopterina na biologia e medicina da dor crônica nas doenças inflamatórias intestinais
  • A retocolite ulcerativa idiopática (RCUI) é uma doença inflamatória crônica do cólon que tem a dor abdominal como o sintoma inicial em mais que 50-70% dos afetados, ou como sintoma mais prevalente no desenvolvimento da doença. Colaboradores da Universidade de Harvard identificaram um haplótipo humano de nucleotídeo único no gene GCH1, envolvido na síntese de tetraidrobiopterina (BH4), que demonstrou comprometer a expressão desse gene e ter forte associação com a redução nos escores de dor crônica em várias coortes clínicas. Com base nessa primeira validação humana para o papel biológico da BH4 na dor crônica, nosso grupo demonstrou pela primeira vez que níveis excessivos de BH4 são produzidos por neurônios em ativa nocicepção, e que a normalização da BH4 pelo uso de inibidores específicos provoca analgesia e acúmulo de sepiapterina (intermediário metabólico da BH4) em fluídos e tecidos de modelos animais de dor crônica. A seguir validamos a sepiapterina como um biomarcador específico, sensível e não invasivo da inibição de BH4 em um grupo de voluntários saudáveis, e confirmamos que a BH4 está aumentada em amostras de doenças humanas caracterizadas por dor neuropática e nociplástica. Assim hipotetizamos que existe uma produção exacerbada de BH4 como componente chave fisiopatológico da dor crônica abdominal, que o uso de inibidores da BH4 pode se tornar um novo horizonte terapêutico na RCUI, e que a quantificação de intermediários metabólicos da BH4 pode representar uma ferramenta quantitativa para caracterizar diferentes fases da doença e monitoramento terapêutico. Assim, este projeto identificará se existe uma exacerbação do metabolismo de BH4 em fluídos, exossomos e biopsias colônicas obtidas de pacientes com RCUI em atendimento ambulatorial ou hospitalizados. Para o entendimento da BH4 na fisiopatologia da RCUI várias ômicas e perfil de miRNAs serão quantificados e a faceta mecanística envolverá o uso de microchips de intestino e de organoides colônicos.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alexandra Valeria Maria Brentani

Ciências da Saúde

Medicina
  • usando um banco de dados de múltiplos poluentes ambientais para estabelecer limites críticos de exposição à poluição do ar na saúde materno-infantil no brasil
  • Por meio do nosso projeto anterior, estabelecemos uma parceria com a Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental – CGVAM, do Ministério da Saúde, que, em conjunto com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE desenvolveu nos últimos anos, um dos bancos de dados nacionais mais completos sobre poluição ambiental. O banco inclui medidas diárias de concentração de PM2.5, CO, O3, NO2 e SO2, além de direção do vento, umidade e temperatura para cada um dos municípios brasileiros no período de 2000-2019. Com 20 anos de dados de 5570 municípios, o banco contém 158 milhões de observações, que podem ser usadas para identificar, de maneira precisa, a relação entre poluentes ambientais e saúde materno-infantil. Para estabelecer tais associações, pretendemos cruzar o banco de exposição aos poluentes ambientais com três bancos de dados que contém informações de saúde materno-infantil: O Sistema nacional de informações sobre hospitalizações (SIHSUS), que contém o registro de todas as hospitalizações financiadas pelo SUS - alta de internação hospitalar - (AIH); O sistema nacional de informações de nascidos vivos - (SINASC), que contém cerca de 3 milhões de nascimentos por ano; e o Sistema de Informações de mortalidade (SIM),que contém todos os registros de óbitos ocorridos no país, incluindo informações sobre a data do óbito, idade do paciente e causa da morte, computados mensalmente. Nosso trabalho será dividido em 3 etapas. Na primeira etapa usaremos identificadores espaciais e administrativos para fazer o linkage de todos os bancos. Na segunda etapa, exploraremos uma serie de modelos de regressões lineares e não lineares para estimar a relação entre exposição única e múltipla dos agentes poluidores e i) efeitos adversos de nascimento; ii) mortalidade infantil; iii) mortalidade materna e do adulto iv) taxas de hospitalizações. De forma similar ao nosso projeto anterior, nós pretendemos estimar limites críticos de exposição à poluição ambiental, através da construção de curvas de modelos exposição-resposta para os desfechos estudados. Para investigar o formato da relação exposição-resposta entre desfechos adversos de saúde e exposição à poluição ambiental, usaremos diversos modelos (modelo linear, polinomial, não linear e spline) e critérios de “goodness to fit” para testar os limites críticos de exposição. Na última etapa, focaremos as queimadas e incêndios florestais, uma das ameaças ambientais mais proeminentes nos tempos atuais, com consequências globais para a biodiversidade, além do comprometimento da qualidade do ar no Brasil, em particular. Nós identificaremos as grandes queimadas florestais no período de 2000-2019 e usaremos desenhos do tipo “caso-cruzado/case-crossover” para estimar o efeito causal destes incêndios na qualidade do ar local e nos desfechos de saúde materno-infantil. Nosso time contém experts em análise de dados e em saúde ambiental, da Universidade de São Paulo e Swiss Tropical and Public Health Institute (Universidade de Basel), com extensa experiência em análise de grandes bancos de dados de poluição do ar, bem como dos bancos populacionais de informações em saúde brasileiros. Os achados deste projeto serão disseminados para a comunidade científica por meio da submissão de artigos à periódicos indexados. Relatórios e workshops serão produzidos para o Ministério da Saúde, para o grupo de vigilância ambiental e outros formuladores de políticas públicas interessados no tema.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 03/12/2020-30/06/2022