Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Aldo Jose Gorgatti Zarbin

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • filmes finos e transparentes de nanomateriais complexos para um desenvolvimento sustentável
  • Um filme fino pode ser definido como uma película contínua de um material com espessura de poucos nanômetros, depositadas sobre um suporte, considerado como uma das formas mais versáteis de processar materiais visando aplicações tecnológicas. Filmes finos correspondem à máxima economia possível de um material, o que tem um grande impacto na sustentabilidade (economia de custo e redução de resíduos). Nosso grupo de pesquisa desenvolveu uma nova rota de sintetizar e processar materiais multi-componentes na forma de filmes finos, baseado em interfaces entre líquidos imiscíveis, conhecido por rota interfacial líquido/liquido (RILL). A grande questão que se pretende responder nesse projeto é: podemos usar a técnica de RILL para preparar supercapacitores e bateriais aquosas e sem lítio, células solares, sensores e catalisadores para degradar poluentes? Trata-se de uma problemática de máxima relevância, pois envolve geração de energia limpa (célula solar); armazenamento de energia em dispositivos seguros, mais baratos, acessíveis e sustentáveis (baterias aquosas de íons sódio ou potássio, mais acessíveis e baratos que o lítio; água substituindo os solventes tóxicos e inflamáveis usados nas atuais baterias de íons lítio); e degradação e sensoriamento de pesticidas, uma problemática de extrema relevância no Brasil. Fundamentado em resultados prévios do grupo, que demonstram a viabilidade da proposta, serão preparados filmes inéditos de materiais multi-componentes (nanocompósitos), baseados em combinações entre materiais bidimensionais (grafeno, MoS2, fósforo negro), nanotubos de carbono, análogos de azul da Prússia, complexos inorgânicos e polímeros condutores. As composições serão cuidadosamente planejadas visando melhor desempenho para cada aplicação. Serão estudados aspectos fundamentais (rotas de síntese, interação entre componentes, propriedades dos filmes, relações estrutura/propriedade), e as melhores amostras serão utilizadas para preparação dos dispositivos.
  • Universidade Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Aldo Lopes Dinucci

Ciências Humanas

Filosofia
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Aldo Tonso

Engenharias

Engenharia Química
  • tecnologia de produção de biopesticida viral em biorreatores utilizando células de insetos para controle da lagarta do cartucho-do-milho
  • O emprego de agentes microbianos para o controle de pragas agrícolas (Controle Biológico) tem se destacado como excelente opção para substituição de agrotóxicos, permitindo uma agricultura onde fatores essenciais como meio ambiente e a saúde humana são preservados. Baculovírus são importantes agentes de controle com exemplos mundiais de sucesso, principalmente no Brasil. A produção comercial de baculovírus é atualmente feita pela multiplicação destes vírus em larvas (in vivo), onde o processo é laborioso, necessita de insetos criados com dieta artificial e infraestrutura específica. Uma alternativa para o aumento na disponibilização de biopesticidas a base de vírus de insetos é a sua produção em larga escala em cultivos celulares (in vitro). Embora essa estratégia ofereça vantagens por proporcionar um processo totalmente controlado e pela presença de linhagens celulares comercialmente disponíveis, ele necessita ser otimizado. Estudos preliminares do nosso grupo indicaram sua potencial aplicabilidade. Neste projeto, pretende-se desenvolver, em cultivos celulares de larga escala, processos de produção de bioinseticida a base de baculovírus (SfMNPV) patogênico a lagarta do cartucho-do-milho (Spodoptera frugiperda), uma praga agrícola de abrangência mundial. Além de padronização de parâmetros de engenharia química para a produção do vírus SfMNPV em biorreator, amostras serão coletadas em diferentes tempos após a infecção para a determinação da formação de partículas virais por Real-time PCR (qPCR), determinação de seu título viral e pela análise da síntese de proteínas por marcação radioativa. A virulência do produto final será avaliada por bioensaios contra o inseto hospedeiro (S. frugiperda). Além disso, também será realizada melhoramento do meio de cultura pela adição de extratos naturais. A possibilidade de elevar a oferta de biopesticidas a base de baculovírus vai atender ao mercado de insumos biológicos, que se encontra em plena expansão.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 10/02/2022-28/02/2025