Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adalmir de Oliveira Gomes

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • desempenho de organizações policiais no brasil
  • O desempenho de organizações policiais em geral e da polícia em particular constitui tema de alta relevância política e social. Conhecer o desempenho da polícia é necessário para satisfazer as exigências de prestação de contas e buscar a melhoria dos seus serviços. A sociedade aspira por conhecer medidas confiáveis do desempenho policial para permitir a consecução de resultados relevantes com os recursos disponíveis. O serviço prestado pelas polícias inclui interesses difusos e conflitantes, o que dificulta um consenso sobre quais devem ser os seus objetivos prioritários, o que deve ser medido, e quais indicadores deveriam ser utilizados para medir o desempenho policial. Aliado a isso, trata-se de tema pouco estudado com a lente da administração. Neste sentido, o presente projeto tem como objetivo identificar dimensões que expliquem o desempenho da Polícia Federal, em seu segmento de polícia judiciária, e da Polícia Militar, bem como propor indicadores que permitam implementar sistemas de avaliação desses segmentos policiais no Brasil. Por meio da revisão de literatura para a construção do projeto foi possível identificar a existência de uma lacuna do conhecimento a respeito do desempenho de organizações policiais brasileiras, o que torna relevante a pesquisa para suprir tal carência e oferecer subsídios para a formulação e melhorias de políticas públicas relacionadas com o desempenho dessas instituições. O método a ser utilizado na pesquisa é quali-quanti, com pesquisas documentais, entrevistas, survey e análise de dados numéricos secundários. São previstos os seguintes resultados: a) dois relatórios de pesquisa, sendo um relativo à Polícia Federal e outro à Polícia Militar; b) duas teses de doutorado em Administração; c) dois trabalhos de iniciação científica concluídos; d) quatro trabalhos publicados em anais de eventos científicos; e) quatro artigos publicados em periódicos científicos de alta qualidade; f) dois seminários para apresentação e discussão de resultados junto às polícias pesquisadas; e g) duas escalas de medição do desempenho da atividade policial. Os resultados da pesquisa podem oferecer informações que auxiliem na criação de ferramentas de monitoramento e gerenciamento das atividades das organizações policiais brasileiras, o que permitiria o aprimoramento das suas ações, resultando na racionalização de recursos públicos e na melhoria dos serviços prestados. O estudo proposto também proporcionará conhecimentos novos a respeito de desempenho policial e pode incentivar o início de uma cultura de avaliação do desempenho nas organizações que compõem o sistema de segurança público do país.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adalto Rodrigues Gomes dos Santos Filho

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • aplicações de campos escalares a espalhamento de kinks e problemas de energia escura
  • Procura-se neste projeto de pesquisa abordar alguns tópicos fundamentais de física de campos escalares. Usando o formalismo de teoria clássica de campos iremos abordar os seguintes problemas: i) Estudar espalhamento de kinks procurando entender efeitos de teorias não-integráveis; ii) Investigar modelos cosmológicos acoplados no setor escuro como uma abordagem do problema da coincidência cósmica.
  • Universidade Federal do Maranhão - MA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Adebaro Alves dos Reis

Ciências Humanas

História
  • v feira de ciência, tecnologia e inovação social da amazônia paraense (v fecitis): valorizando saberes e sabores amazônicos
  • A V FEIRA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA PARAENSE (V FECITIS): Valorizando Saberes e SaboresAmazônicos temo objetivo de Promover a V Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação Social da Amazônia Paraense (V FECITIS): valorizando saberes e sabores amazônicos, visando a popularização da ciência, como instrumento de contribuição para o desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação do estado do Pará. A V FECITIS terá abrangência estadual, mobilizando participantes dos territórios do Estado do Pará, envolvendo escolas de rede pública de ensino médio e técnico, assim como, os campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. O público alvo serão os pesquisadores e professores da educação profissional e tecnológica dos Campi do IFPA, professores da educação básica do ensino fundamental, médio e técnico de escolas públicas, alunos da educação básica (ensino fundamental, médio e técnico das escolas públicas), do ensino profissionalizante/técnico, do ensino superior, da rede pública ou particular de ensino, bem como todos aqueles que tenham interesse em ciência e tecnologia. A comunidade em geral e segmentos socialmente vulneráveis, tais como: agricultores familiares, quilombolas, ribeirinhos, indígenas, aquicultores, pescadores, meninas e mulheres rurais, deficientes físicos, dentre outras. A V Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação Social da Amazônia Paraense (V FECITIS): Valorizando Saberes e Sabores Amazônicos será realizada junto com o XIV Seminário Internacional em Desenvolvimento Rural Sustentável, Cooperativismo e Economia Solidária (XIV SICOOPES), a partir de metodologias participativas e interdisciplinar. Além disso, a V FECITIS irá utilizar metodologias criativas, valorizando a experimentação, a inovação e a utilização do método científico, incentivando trabalhos interdisciplinares e a atitude investigativa, a fim de estimular o trabalho colaborativo e as atividades de iniciação científica na educação básica.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará - PA - Brasil
  • 12/01/2021-31/01/2023
Foto de perfil

Ademar Arthur Chioro dos Reis

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • rede de atenção às urgências e a produção viva de mapas de cuidados
  • O SUS é definido como uma rede regionalizada e hierarquizada de ações e serviços de saúde, cuja materialização nas últimas décadas propicou avanços e desafios na estruturação do sistema (Chioro dos Reis et al, 2017). A implantação das Redes de Atenção à Saúde (RAS) a partir de 2010 representou uma nova etapa de organização do sistema, com o objetivo de garantir a integralidade e mudar os modos de produzir cuidado. As redes temáticas priorizadas foram: Cegonha, Urgência e Emergência, Psicossocial, da Pessoa com Deficiência e Doenças Crônicas (Brasil, 2011, 2012, 2014). As RAS propõem um novo modelo de estruturação do sistema com o objetivo de se obter melhores resultados epidemiológicos e de integralidade (Brasil, 2010), já utilizado em diversos países onde predominam condições crônicas, como o Canadá e a Europa Ocidental (Mendes, 2010), como estratégia para garantia da integralidade, economia de escala e de escopo. A Rede de Atenção às Urgências (RUE) foi proposta com a finalidade de articular e integrar os equipamentos de saúde, ampliar e qualificar o acesso dos usuários às urgências/emergências, de forma ágil e oportuna, a partir de pontos de atenção: UBS, serviços de atenção pré-hospitalar, hospitais e atenção domiciliar (Brasil, 2011). Avanços têm sido alcançados, mas há dificuldades a serem superadas para se engendrar novos arranjos de gestão e governança e instituir uma nova cultura institucional na saúde (Jorge, 2014). Na experiência de implementação das Redes Temáticas podemos identificar dois grandes campos conceituais que se interconectam: as Redes de Atenção à Saúde (Mendes, 2010) e as Redes Vivas de Saúde (Merhy et al, 2014), cujas relações não são determinísticas ou dicotômicas, mas imanentes e complementares. A definição das RAS como redes constituídas por diversos pontos de atenção à saúde, com centralidade da atenção básica, sistemas logísticos e de apoio (Mendes, 2010), contem elementos estrutural-funcionalistas e traz um novo modelo de financiamento (incentivos e/ou orçamentação global atrelados à metas) que busca superar a lógica de remuneração por procedimentos (Moreira et al, 2017). A proposta de implementação das RAS aposta no fortalecimento da da governança regional, mas as 438 regiões de saúde instituídas no país e os espaços regionais de gestão não garantem um processo vivo e potente de regionalização (Chioro dos Reis et al, 2017). A regionalização, mais do que um processo de organização das ações e dos serviços, é uma construção política que deve favorecer o diálogo entre os atores locais e os gestores para o reconhecimento e enfrentamento das necessidades de saúde dos territórios específicos (Mendes et al, 2015). A RUE, conduzida com forte indução financeira, baseada no planejamento regional e em instrumentos legais-normativos extensos aplicados em diferentes realidades, pode ter desencadeado processos meramente burocratizados, mas sem necessariamente obter os resultados propostos (Tofani, 2016). Já o conceito de Redes Vivas de Saúde é fundamentado no processo micropolítico de gestão e do trabalho em saúde. Chioro dos Reis et al (2017) propõem a Regionalização Viva como potencializador da gestão e governança regional sob a perspectiva micropolítica. Cecílo (2007) já alertava que não há arranjo institucional que consiga capturar ou circunscrever a complexidade das relações institucionais. Também o protagonismo dos usuários, ao construírem seus próprios itinerários terapêuticos, através do regime de “regulação leiga”, transcende as estruturas e processos rígidos (Cecílio, 2014). O estranhamento e a externalidade dos gestores com o espaço micropolítico traduz-se em práticas e modelos de implementação de políticas públicas que buscam normalizar e controlar este território (Cecílio, 2012). Ou seja, as políticas oficiais são reprocessadas e adquirem novos desenhos nem sempre “planejados” por seus formuladores (Chioro dos Reis, 2011). Questão central da pesquisa: quais mapas de cuidado tem sido produzidos a partir da implementação da RUE? Objetivo geral: analisar o processo de implementação e conformação dos modos de produção do cuidado da Rede de Atenção às Urgências (RUE) em duas regiões de saúde. Objetivos específicos: a) Identificar analisadores da produção micropolítica presentes no processo de pactuação e implementação da RUE; b) Analisar as diferentes produções no processo de gestão a partir de sua implementação nas regiões de saúde de Campinas (SP) e Passo Fundo (RS); c) Caracterizar as transformações ocorridas nos modos de produção do cuidado em saúde a partir da implementação da RUE nas regiões de saúde. Metodologia: A pesquisa terá caráter qualitativo, analítico, com abordagem micropolítica. Caracteriza-se como estudo de casos e fará uso do método biográfico. Fases da pesquisa: revisão bibliográfica e análise de documentos oficiais da formulação da RUE; coleta de depoimentos com informantes-chave identificados entre os gestores do SUS nas regiões de saúde; entrevistas com usuários-guia para a coleta de narrativas sobre o uso da rede; entrevistas em profundidade com gerentes de diferentes serviços que compõem a RUE. O material empírico será analisado por planos de visibilidade mediante as categorias identificadas, tendo como referência a “Abordagem do Ciclo de Políticas Públicas”, desenvolvido por Ball. Resultados esperados: O principal resultado é o aprofundamento de formulações teórico-conceituais em relação aos processos de formulação e implementação de políticas de saúde, contribuindo para o alargamento do pensamento teórico sobre as dinâmicas organizacionais e a superação de modelos teóricos demasiados simplificados e funcionalizantes, com baixa capacidade para compreender e intervir em complexas dinâmicas organizacionais. Produtos esperados: 2 mestrados acadêmicos e 1 doutorado; 1 livro; 3 artigos; 6 trabalhos em congressos; relatório técnico para compartilhamento com gestores do SUS.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022