Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Sheila Andreoli Balen

Ciências da Saúde

Fonoaudiologia
  • estudo da audição e do desenvolvimento de bebês expostos a sífilis congênita ao longo dos dois primeiros anos de vida
  • Introdução: A sífilis congênita é um indicador de risco para a deficiência auditiva e vem apresentando aumento da sua incidência no Brasil. Objetivo: Estudar a audição e o desenvolvimento de linguagem, cognição e motor, nos dois primeiros anos de vida, de bebês expostos a sífilis congênita. Metodologia: Estudo do tipo coorte, longitudinal e prospectivo. Serão selecionados 120 bebês nas Maternidades de Natal (RN) quando serão formados quatro grupos: G1: 30 bebês de mulheres detectadas com sifilis e tratadas durante o acompanhamento pré-natal realizado na atenção básica; G2: 30 Bebês de mulheres detectas com sífilis no parto, sendo a díade tratada durante o período peri-natal na Maternidade e G3 e G4: 30 Bebês cada um de mulheres sem a presença de sífilis congênita na gestação e parto pareados aos G1 e G2, respectivamente. Será aplicado um protocolo prévio as avaliações para coletar informações sobre histórico pré e perinatal, questionário sócio-economico, avaliações audiológicas com um mês, 6, 12, 18 e 24 meses constando de potecial evocado auditivo de tronco encefálico-automático, com click e fala, emissões otoacústicas evocadas transientes, potencial evocado auditivo cortical (P1-N1-P2). A partir dos seis meses também será realizado a audiometria de reforço visual em 500, 1000, 2000 e 4000 Hz com fones de inserção. A escala Bayley III avaliará o desenvolvimento de linguagem, cognição e motor sendo aplicada com um mês, 12 e 24 meses. Expectativa de resultados: Espera-se confirmar se a exposição a sífilis congênita apresenta ocorrência e/ou incidência da deficiência auditiva que justifique ser um indicador de risco; caracterização audiológica e do desenvolvimento auditivo, de linguagem, cognição e motor de bebês expostos a sífilis congênita; aprimoramento da comunicação e articulação entre a rede de atenção básica e especializada no acompanhamento dos bebês com sifilis congênita a partir dos desfechos encontrados em cada momento de reavaliação ao longo dos 24 meses e sugestão de um novo protocolo ao Ministério da Saúde para acompanhamento audiológico e de desenvolvimento de bebês expostos a sífilis congênita contribuindo com a resolutividade e economia nos atendimentos do Sistema Unico de Saúde.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte - RN - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sheila Araujo Teles

Ciências da Saúde

Enfermagem
  • precisamos conhecer a saúde dos migrantes e refugiados no brasil: situação vacinal, hepatites virais, infecções sexualmente transmissíveis, uso de álcool e violências em uma metrópole da região centro-oeste
  • As restrições impostas pela Europa em aceitar migrantes estrangeiros e refugiados redirecionou o fluxo migratório para outros países como Brasil. Segundo dados do Comitê Nacional para Refugiados, aproximadamente 10 mil refugiados, de mais de 80 nacionalidades diferentes foram acolhidos pelo Brasil nos últimos 10 anos. Estudos mostram que, na população de migrantes estrangeiros e refugiados, as doenças infecciosas são responsáveis por taxas mais altas de mortalidade comparadas as doenças crônicas. Alguns fatores podem contribuir para este cenário como padrão epidemiológico das infecções e a cobertura vacinal no país de origem; o longo período de viagem até o país destino, muitas vezes em condições insalubre e de segurança precária; a superlotação dos campos de refugiados, que favorece a ocorrência de surtos de doenças gastrointestinais e respiratórias; a marginalização e vulnerabilidade que leva à situações de violência e à doenças relacionadas a pobreza. No Brasil, e em especial Goiás, não existem dados, tampouco estudos epidemiológicos abordando a prevalência de doenças infecciosas que acometem esta população de diversas origens. A proposta deste estudo é avaliar a situação de saúde, em especial a situação vacinal, uso abusivo de álcool, vulnerabilidade à violência, como também investigar a epidemiologia das infecções causadas pelos vírus das hepatites virais, sexualmente transmissíveis incluindo as causadas pelo HIV, herpesvirus, HPV e sífilis. Também, vacinar e avaliar a resposta vacinal em crianças e adultos suscetíveis ao vírus da hepatite B, e de crianças/adolescentes contra HPV. Espera-se com este projeto conhecer as condições de vida e de saúde relacionadas às IST neste grupo socialmente desfavorecido e assim contribuir para a construção e consolidação da “Política Nacional de Atenção à Saúde aos Imigrantes e Refugiados” e a Agenda para Desenvolvimento Sustentável 2030.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Sheila Cristina Nardelli

Ciências Biológicas

Genética
  • o papel da arquitetura nuclear e remodeladores de cromatina em processos essenciais a sobrevivência de toxoplasma gondii
  • Toxoplasma gondii é o agente etiológico da toxoplasmose, uma doença que atinge cerca de ¼ da população mundial, sendo considerada a infecção parasitária mais comum em humanos. A toxoplasmose é extremamente perigosa quando adquirida durante a gravidez, ou em pacientes imunocomprometidos, podendo resultar em danos severos como malformações congênitas e encefalia. Embora considerada geralmente assintomática em pacientes imunocompetentes, a doença em sua fase crônica tem sido recentemente associada a alterações neurológicas e comportamentais, ressaltando a importância de identificar alvos para o tratamento mais eficiente da toxoplasmose. Nesse contexto, a pesquisa básica centrada em componentes essenciais a sobrevivência do parasita, poderia contribuir não somente na compreensão da biologia do parasita, mas também resultar em tratamentos e diagnósticos mais eficientes. Nosso grupo foca em dois aspectos fundamentais para o controle da expressão gênica: a dinâmica da arquitetura da cromatina, e o papel de remodeladores de cromatina, especialmente as desacetilases de histonas. A cromatina é uma estrutura organizada e dinâmica que atua como uma barreira física a todos os processos dependentes de DNA. Sendo assim, pretendemos compreender como atua a arquitetura da cromatina frente a diferenciação do parasita, buscando remodeladores que atuem alternando o estado da cromatina ao longo da diferenciação. Paralelamente, pretendemos caracterizar as desacetilases clássicas de Toxoplasma, iniciando por aquelas específicas a Apicomplexa. Para tanto, uniremos metodologias de genética reversa a técnicas para avaliação da estrutura dessas proteínas de modo a proporcionar novas perspectivas no controle de expressão gênica e mecanismos biológicos em T. gondii e, sem dúvida, auxiliando na identificação de novos alvos para terapia contra Toxoplasmose, doença de intensa relevância para Saúde Pública no Brasil.
  • Fundação Oswaldo Cruz - PR - Brasil
  • 05/12/2019-31/12/2021
Foto de perfil

Sheila Giardini Murta

Ciências Humanas

Psicologia
  • coconstrução e avaliação de viabilidade de uma intervenção familiar para prevenção ao abuso de drogas
  • Os adolescentes brasileiros são cotidianamente expostos a fatores de risco à saúde relativos ao ambiente familiar que, em conjunto com outros fatores, aumentam o risco de uso problemático de álcool e outras drogas. Estudos com intervenções preventivas para adolescentes no Brasil são centrados, em sua maioria, no âmbito escolar e menos frequentes são as intervenções preventivas focadas no fortalecimento de fatores protetivos familiares. O presente projeto pretende suprir esta lacuna, ao propor o desenvolvimento sistemático de uma intervenção culturalmente customizada para prevenção ao abuso de drogas em adolescentes e fortalecimento de fatores protetivos familiares, destinada a famílias em situação de vulnerabilidade. Este projeto compreende três estudos e almeja (a) examinar necessidades para subsidiar o desenvolvimento de uma intervenção para prevenção ao abuso de drogas em adolescentes e fortalecimento de fatores protetivos familiares em famílias em desvantagem econômica (Estudo 1), (b) construir a intervenção propriamente dita e descrever sua aceitabilidade, com base no modelo de coconstrução de intervenções (Estudo 2) e (c) investigar a viabilidade da intervenção desenvolvida como parte dos serviços de proteção social básica (Estudo 3). Delineamentos metodológicos qualitativos e participativos são propostos, com uso do modelo de coconstrução de intervenções e estudos de viabilidiade. Espera-se que este projeto, além de resultar na criação de uma tecnologia psicossocial inovadora, atenda a metas de formação de recursos humanos, ensino, publicações e internacionalização.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022