Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Tatiana Helena Rech

Ciências da Saúde

Medicina
  • valor prognóstico do gap glicêmico em pacientes criticamente doentes
  • Alterações endocrinológicas têm mostrado associação com prognóstico de pacientes criticamente doentes (1). A hiperglicemia é uma resposta metabólica compensatória ao estresse agudo e sua presença reflete o desenvolvimento de resistência à ação da insulina, sendo um sinal de prognóstico desfavorável em pacientes críticos (2, 3). Muito tem se estudado sobre o manejo dos níveis glicêmicos de pacientes internados em unidade de terapia intensiva (UTI), porém estudos com resultados controversos impedem que haja um consenso sobre o controle glicêmico ideal (4-11). Nesse sentido, a pergunta que se impõe não é se o controle glicêmico deve ser feito, mas sim quais alvos glicêmicos devam ser buscados, para assegurar benefício com baixas taxas de efeitos adversos, como a hipoglicemia por exemplo (8). Um grupo particular de pacientes em UTI são os pacientes com diabetes melito (DM). Estudos sugerem que um controle glicêmico moderado (90-140 mg/dl), associa-se a um maior risco de morte em pacientes não diabéticos quando comparado ao controle glicêmico intensivo (80-110 mg/dl), mas a um menor risco de morte em pacientes com DM (12). A hiperglicemia crônica do paciente com DM parece gerar um acondicionamento celular protetor contra o dano mediado pela hiperglicemia aguda durante a doença crítica. Esse mecanismo de acondicionamento celular consistiria na redução da expressão do transportador de glicose-1 (GLUT-1) e do transportador de glicose-4 (GLUT-4) devido à exposição crônica à hiperglicemia, o que protegeria contra a toxicidade mediada pela sobrecarga celular de glicose (13). Assim, os níveis de glicemia seguros e desejáveis para alguns grupos de pacientes podem não ser os mesmos para pacientes com DM com controle metabólico inadequado expostos à hiperglicemia crônica. A hiperglicemia é sabidamente deletéria e está associada à fraqueza muscular adquirida na UTI, uma grave sequela da doença crítica, de forma independente e pouco estudada (14). A maneira como a glicose lesa os tecidos neuromusculares não é clara, mas a glicotoxicidade está associada à inflamação, extresse oxidativo, disfunção mitocondrial com redução da capacidade de síntese aeróbica de ATP, ativação de caspases e apoptose (15). A despeito disso, não há consenso sobre o controle glicêmico adequado em pacientes criticamente doentes. Evidências sugerem que a implementação de protocolos para controle glicêmico deva ser individualizada, principalmente levando-se em consideração se o paciente é previamente diabético ou não (16, 17). Desta forma, a medida da hemoglobina glicada (HbA1c) pode ter papel importante na admissão de pacientes na UTI, individualizando as metas glicêmicas e permitindo calcular o gap glicêmico, já sugerido como fator prognóstico em alguns cenários de doença não crítica (18, 19). Gap glicêmico é a diferença entre a glicemia na admissão na UTI e a glicemia média estimada a partir do valor de HbA1c. Sendo assim, o objetivo principal deste projeto é investigar o valor prognóstico do gap glicêmico como preditor de desfechos desfavoráveis em pacientes internados em UTI (como mortalidade, tempo de internação, tempo de ventilação mecânica e desenvolvimento de fraqueza muscular adquirida na UTI) e a sua relação com a expressão de citocinas plasmáticas e com a expressão dos genes do receptor da insulina (INSR), GLUT-1 e GLUT-4, potencialmente envolvidos no desenvolvimento de fraqueza muscular adquirida na UTI. Para tanto, serão feitas dosagens séricas de glicemia e HbA1c e dosagens plasmáticas das citocinas, como tumor fator de necrose tumoral (TNF), interleucina-1β (IL-1β), interleucina-6 (IL-6), interleucina-8 (IL-8), interleucina-10 (IL-10), interleucina-17 (IL-17) e interferon-γ (INF-γ) em todos os pacientes admitidos na UTI durante o período do estudo, além da dosagem da expressão dos genes INSR, GLUT-1 e GLUT-4, por meio de técnica de PCR em tempo real em material de biopsias de tecido muscular em 50 pacientes. Ainda, será realizada uma revisão sistemática com metanálise de estudos de gap glicêmico em paciente criticamente doentes para investigar sua associação com desfechos desfavoráveis. Além disso, serão empregadas técnicas inovadoras de análise de dados em Medicina, como o aprendizado de máquina (do inglês, machine learning) para a construção de algoritmos que possam predizer desfechos de pacientes criticamente doentes com maior precisão. Dentro da perspectiva da medicina de precisão e de análises de Data Science e aprendizado de máquina, a identificação de um valor de gap glicêmico que se associe com maior incidência de desfechos desfavoráveis poderia ser uma ferramenta para auxiliar na escolha de alvos de controle glicêmico personalizados para cada paciente, reduzindo assim o risco de potenciais eventos adversos iatrogênicos, principalmente episódios de hipoglicemia. Além disso, a relação entre hiperglicemia de estresse (medida pelo gap glicêmico), inflamação e a expressão de genes INSR, GLUT-1 e GLUT-4, potencialmente implicados no desenvolvimento de fraqueza muscular adquirida na UTI, nunca foi estudada.
  • Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Rodrigues de Moura

Ciências Biológicas

Imunologia
  • investigar o papel do trem na infecção por l. infantum
  • A leishmaniose visceral (LV) afeta de forma considerável a população mundial, constituindo um grande impacto na saúde pública. O Brasil concentra 96% dos casos de LV das Américas e, apesar dos esforços para o controle da doença, dos anos 2000 a 2016, a letalidade aumentou de 3,2% para 7,4%. Em Sergipe, em 2016 foi observado 20,4% de letalidade na LV (BRASIL, 2017). Para a redução da transmissão e da morbimortalidade no Brasil, o Programa de Vigilância e Controle da LV do Ministério da Saúde, recomenda o aperfeiçoamento dos procedimentos diagnósticos e a disponibilidade oportuna de medicamentos (BRASIL, 2014). A identificação precoce dos pacientes que poderão evoluir com gravidade é de fundamental para redução da letalidade. Os pacientes com LV apresentam imunossupressão e uma forte resposta inflamatória sistêmica com capacidade limitada de controle de replicação dos parasitas. Mecanismos relacionados à desregulação da resposta inflamatória e vias de morte de células de defesa imune podem estar envolvidos na patogênese e prognóstico da LV (QUINTELA-CARVALHO et al., 2017). O reconhecimento dos patógenos é o primeiro passo para o desenvolvimento de uma reposta imunológica. Neste sentido, células da imunidade inata expressam vários receptores de superfície celular e moléculas de sensoriamento intracelulares que permitem o reconhecimento autônomo de padrões moleculares associados à patógenos (PAMPs), que dão início à reposta pró-inflamatória contra antimicrobianos (WEBER et al., 2014). Receptores Toll-like (TLR) e Node-like (NLR), que reconhecem um grupo diverso de estruturas microbianas altamente conservadas, representam dois grandes exemplos de receptores da imunidade inata com funções de ativação (ABBAS, LITCHAMAN, PILAI, 2008). Contudo, no ano de 2000, Bouchon, Dietrich; Colonna identificaram um novo grupo de receptores da imunidade inata, conservado evolutivamente, sendo chamados de Triggering Receptor Expressed Myeloid Cells (TREM) (BOUCHON; DIETRICH; COLONNA, 2000). Desde então, este grupo de receptores vem sendo estudado e caracterizado. A ativação do TREM-1 tem se destacado em pesquisas recentes, e, resulta na produção de uma variedade de citocinas pró-inflamatórias que amplificam a resposta imune inata e adaptativa (BOUCHON, et al., 2000; WEBER et al., 2014). O TREM-1 promove a resposta inflamatória às bactérias e ao lipopolissacarídeo do ligante TLR4 (LPS), atua em sinergismo com TLR2 e TLR4. Em contraste, o TREM2 e o TREML1 suprimem os sinais induzidos por TLR e protegem contra a autoimunidade (GUERREIRO et al., 2013; JONSSON et al., 2013; WASHINGTON et al., 2009). Os ligantes para os receptores TREM permaneceram em grande parte desconhecidos; no entanto, vários relatórios sugerem que os receptores TREM podem se ligar a moléculas microbianas e hospedeiras. O TREML4 se liga a células apoptóticas e necróticas tardias , enquanto o TREM1 e o TREM2 reconhecem ligantes aniônicos de bactérias (HEMMI et al., 2009; N’DIAYE et al., 2009). O TREM-1 é um receptor de superfície celular constitutivamente expresso em neutrófilos e monócitos e desempenha um papel fundamental na resposta imune inata, sendo capaz de amplificar e regular a resposta inflamatória. Adicionalmente, o TREM-1 pode ser produzido na sua forma solúvel (sTREM-1), o qual pode ser utilizado como um biomarcador indireto de inflamação sistêmica, concentrações elevadas de sTREM-1 foram detectadas em pacientes com infecções, enquanto um declínio sérico de sTREM-1 indicou evolução clínica favorável do choque séptico, o que sugere que a forma solúvel regula negativamente a ativação do TREM-1 por competir com os ligantes do TREM-1 (GIBOT et al., 2004, 2007; JEDYNAK et al., 2017). Em dados recentes publicados pelo nosso grupo, níveis séricos elevados de sTREM-1 foram associados a gravidade em pacientes com LV, vimos, ainda, que neutrófilos infectados com L. infantum apresentam a liberação de sTREM-1 correlacionada com aumento da carga parasitária (BOMFIM et al., 2017). Em pacientes com LV foi observado a redução deste receptor na superficie de neutrofilos . Por outro lado, a inibição farmacológica da apoptose de neutrófilos induz a morte inflamatória durante a infecção por L. infantum, o que pode esta favorecendo a disseminaçao do parasita e a intensa inflamação (QUINTELA-CARVALHO et al., 2017. Recentemente, foi demonstrado que a sinalização da via TREM-1 em infeções por HIV, inibe a apotose da celula infectada, favorecendo a permanência do virus. Além disso a via do TREM-1 upregula o RNA de interferência mir-155, que é alvo do suppressor of cytokine signaling-1 (SOCS-1), diminuindo a ativaçõa de macrofagos (YUAN,et al.,2016). Nesta proposta, pretendemos avaliar se a via do TREM -1 é importante para o estabelecimento da leishmania em neutrófilos e macrófagos, modulando a resposta microbicida , e, se esta a modulação da via do TREM-1 pela Leishmania esta associada aos mecanismos de morte celular inflamatório. Os resultados obtidos poderão auxiliar na identificação de moléculas relacionadas a gravidade da LV, lançando uma nova luz na compreensão de como as respostas inflamatórias inatas são reguladas, abrindo perspectivas para novos alvos para desenvolvimento de procedimentos diagnósticos, novas abordagens imunoprofiláticas e imunoterapêuticos na LV ,que beneficiarão as populações de áreas endêmicas, no que diz respeito ao controle e tratamento da doença.
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Schor

Ciências Humanas

Geografia
  • da metrópole na selva a região metropolitana: diagnóstico do perfil urbano dos municípios da região metropolitana de manaus - amazonas.
  • A Região Metropolitana de Manaus, foco deste estudo, foi criado em 2007. Em um primeiro momento foi constituída com 7 municípios e atualmente é composta por 13 municípios limitrofes a capital Manaus. Ocupa um território de 127.170 km2, característica espacial que implica em distancias muitas vezes maiores que diversos países. Apesar de ter mais de 10 anos ainda tem-se poucos estudos sobre a articulação entre os municipios que compõem a RMM. Assim sendo esta proposta de pesquisa visa realizar um diagnóstico do perfil urbano dos municípios da RMM, elaborar uma tipologia e contribuir para a discussáo sobre este recorte espacial na academia e subsidiar políticas relativas a implantação da RMM. Para alcançar estes objetivos a proposta está dividida em Etapas que apresentam metas específicas e produtos a serem elaborados, sintetizados abaixo: Etapa 1 _ Coleta de Dados_Perfil Urbano. META 1: Construção de uma tipologia urbana da RMM. Produto 1: Relatório parcial de pesquisa contendo os resultados obtidos na Etapa 1. Etapa 2_ Produção de Material Técnico Científico. META 2: Produção de Material didático e de comunicação. Produto 2: Um Atlas do Perfil Urbano da Região Metropolitana de Manaus. Etapa 3_ Comunicação e Capacitação de Recursos Humanos. META 3: Capacitação de recursos humanos na esfera municipal e estadual. META 4: Capacitação de recursos humanos na UFAM, UEA, SIPAM e FVA. Produto 3: Material a ser utilizado nos Cursos de Formação de Observadores da RMM; Produto 3b: Relatório de Finalização dos Cursos de Formação de Observadores da RMM por município. Para que se realize estas etapas este projeto conta com a parceria de duas universidades, Universidade Federal do Amazonas e a Universidade do Estado do Amazonas, uma ONG Fundação Vitoria Amazônicae o Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAM. Espera-se contribuir com o conhecimento da Região Metropolitana de Manaus, capacitar pessoal técnico nos municípios e recursos humanos na UFAM e UEA, e subsidiar políticas adequadas para o desenvolvimento sustentável da região, em especial, na formulação do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de Manaus.
  • Universidade Federal do Amazonas - AM - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiana Tavares Carrijo

Ciências Biológicas

Botânica
  • redescobrindo espécies ameaçadas em ucs da floresta atlântica: bases para gestão, conservação e acesso à informação
  • Este projeto tem, como ponto focal, as espécies de plantas embriófitas (Briófitas, Licófitas, Samambaias, Gimnospermas e Angiospermas) ameaçadas (CR, EN, VU) e com dados deficientes (DD) ocorrentes em três Unidades de Conservação (UCs) inseridas no Domínio da Floresta Atlântica. Estas UCs porém, diferem quanto ao histórico de criação e desenvolvimento do conhecimento sobre sua flora. São elas: o Parque Nacional do Itatiaia (PNI), o Parque Nacional do Caparaó, e 3) a Floresta Nacional do Rio Preto (Flona RP). Essas diferenças se refletem, atualmente, na quantidade e qualidade de informação disponível para as espécies vegetais protegidas por essas UCs devido aos esforços de coleta diferenciados realizados para cada uma. A motivação de incluir as referidas UCs na presente proposta é oportunizada pela Chamada CNPq/ICMBio/FAPs nº18/2017. Ela tem como origem a percepção de que disponibilizar o conhecimento gerado em décadas de pesquisas conduzidas pelos integrantes e instituições incluídos nesta proposta é de grande importância. Tal conhecimento precisa se tornar prontamente acessível não somente para o público especializado tais como gestores, pesquisadores, educadores, alunos de graduação e de pós-graduação, técnicos; mas fundamentalmente para o público em geral, como as comunidades locais e os visitantes das UCs. Nosso objetivo é prover as UCs contempladas na proposta com uma lista atualizada de espécies, a partir da qual será possível quantificar a riqueza de táxons conhecidos protegidos por cada uma. Cada táxon categorizado sob algum status de ameaçada ou com dados deficientes segundo a Portaria do MMA 443/2014 terá um material testemunho associado, que poderá ser utilizado como referência para sua identificação. A partir da lista de espécies ameaçadas (e DD categorizadas), serão selecionadas as espécies que foram coletadas pela última vez há mais de 30 anos, que foram coletadas uma única vez. Essas espécies são conhecidas por um único registro de herbário, ou até foram coletadas mais de uma vez, porém sempre na mesma localidade da UC. Para essas espécies, serão realizadas expedições visando a localização, o georreferenciamento e a quantificação da abundância de suas populações a campo. Isso nos permitirá reavaliar o risco de ameaça destas espécies segundo os critérios da IUCN, e indicar possíveis vetores de pressão à essas espécies dentro das UCs. Uma a duas espécies, por UC, serão selecionada(s) para um estudo mais detalhado, incluindo aspectos de sua biologia reprodutiva, genética (marcadores moleculares) e citogenética (número de cromossomos e conteúdo de DNA nuclear), visando investigar a manutenção dos processos ecológicos de suas populações. Esta abordagem visa, sobretudo, criar bases e encorajar a comunidade científica a desenvolver estudos ecológicos semelhantes com as espécies nas demais ameaçadas protegidas por estas UCs. Para garantir amplo acesso do público especializado e geral, todo o conhecimento gerado será disponibilizado on line seguindo o modelo estruturado no Portal de Dados do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, permitindo a disponibilização e o uso imediato das informações pelo ICMBio via SISBIO e Portal da Biodiversidade, além do SiBBr e do CNCFlora.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 11/12/2017-31/12/2020
Foto de perfil

Tatiane Almeida de Menezes

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • índice de custo de vida multilateral para população brasileira de baixa renda
  • O objetivo do trabalho consiste em calcular um índice que meça o diferencial de Custo de Vida (CV) das famílias brasileiras de baixa renda levando em consideração tanto a dimensão temporal como as peculiaridades regionais. Como está descrito em FEENSTRA et. al. (2015), a teoria dos números índices possui duas ramificações no que diz respeito ao número de períodos ou de regiões a serem comparados. Os números índices são definido como bilateral, quando deseja-se medir a variação do custo de vida em dois períodos de tempo. Por sua vez, o números-índices multilaterais, compara a variação na cesta de consumo entre mais de duas regiões. Os índices de preços em geral, como, por exemplo, tanto o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) medem a variação dos preços entre dois períodos consecutivos, tendo seus resultados encadeados seqüencialmente. Se na perspectiva da análise temporal existe uma ordenação natural de períodos que constituem uma série temporal, o mesmo não pode ser dito no âmbito da análise territorial, em que são comparadas várias áreas simultaneamente. Um número-índice com esta finalidade deve ser necessariamente multilateral. O presente trabalho, emprega o método CPD proposta por, a construção do Índice de Custo de Vida Real (ICVR) para a população de baixa renda das cidades brasileiras. Como discute FEENSTRA et. al. 2013, o termo “real” gera uma certa confusão quando aplicado a índices multilaterais. Em geral, o Índice de Custo de Vida Real (ICVR) é empregado para obter o diferencial de custo de vida entre as regiões e não para deflacioná-lo ao longo do tempo (Menezes e Azzoni, 2006). Em outras palavras, a diferença na paridade do poder de compra entre as regiões é alterada a cada ano, assim o termos “ICVR a preço atual” se referem a índices que comparam o CV entre as regiões, porém não desconta a inflação anual, e por conseguinte necessita ser calculado anualmente. Será então empregada a metodologia proposta por Diewert (2005) e Haan (2010), para ajustar o ICVR, para que também tenha uma dimensão temporal.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 07/01/2020-30/11/2020
Foto de perfil

Tatiane Alves da Paixão

Ciências Agrárias

Medicina Veterinária
  • desenvolvimento vacinal contra listeriose em modelo animal
  • Listeriose é doença infecciosa zoonótica transmitida por alimentos causada pela Listeria monocytogenes. Bovinos, ovinos e caprinos acometidos podem apresentar clinicamente a listeriose neurológica, doença fatal associada a sinais neurológicos graves decorrente de abscessos no tronco encefálico, ou listeriose materno-fetal caracterizada pela ocorrência de aborto no final da gestação. No homem, doença caracteriza-se por manifestações diversas sendo a forma neurológica, observada principalmente em imunossuprimidos e idosos; e forma materno-fetal, causando abortos, natimortos ou septicemia em recém-nascidos, as duas formas mais graves da doença. A vacinação é uma das estratégias de maior sucesso e custo-benefício quando se trata de controle de doenças infecciosas. Não existe nenhuma vacina comercial disponível contra a infecção por L. monocytogenes para ruminantes ou seres humanos. Considerando maior susceptibilidade de indivíduos e animais imunocomprometidos a listeriose, vacinas de subunidades ou vacinas inativadas são consideradas mais seguras por não conter o micro-organismo vivo, desde que induzam resposta imune celular protetora do tipo Th1. Para atingir a meta do projeto de desenvolvimento vacinal contra listeriose, este projeto propõe testar diferentes composições vacinais incluindo uma vacina inativada baseada em L. monocytogenes gamma-irradiada associada a diferentes adjuvantes como alginato e quitosano e uma vacina inédita constituída de uma proteína quimérica recombinante baseada em epitopos preditos para MHCI e MHCII de proteínas sabidamente imunogênicas de L. monocytogenes em modelo murino e modelo gerbil. Buscamos com as vacinas propostas a indução de uma resposta imune celular contra os antígenos vacinais após desafio com L. monocytogenes, e uma resposta protetora caracterizada pela redução da infecção e ausência da manifestação clínica da doença nos modelos experimentais. Este projeto possui clara relevância para desenvolvimento científico, tecnológico ou de inovação no campo de estudo. Com este projeto será possível ampliar o conhecimento controle de infecção por L. monocytogenes utilizando dois modelos animais. Por se tratar de uma vacina inovadora de proteína quimérica baseada em epitopos preditos de proteínas sabidamente imunogênicas, existe grande potencial de depósito de patente ou know how caso resultados sejam promissores. A longo prazo, a vacina poderá ser comercializada com intuito de reduzir a ocorrência de listeriose neurológica ou materno fetal em ruminantes. Além disso, os resultados fornecerão subsídios para uma publicação científica de artigo científico e divulgação dos resultados em evento científico, o que representam benefícios diretos para sociedade. Em paralelo, deste projeto possibilitará a formação, treinamento e desenvolvimento de censo crítico científico de alunos de pós-graduação e graduação envolvidos no projeto e ainda tem o potencial de gerar novos projetos futuros fortalecendo a linha de pesquisa e maior inserção da coordenadora na pós-graduação e consequentemente formação continuada de recursos humanos altamente qualificados.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiane Combi

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • utilização de amostradores passivos para determinação de contaminantes emergentes e poluentes orgânicos persistentes na baía de todos os santos, ba
  • O uso de produtos químicos potencialmente perigosos para o ambiente (incluindo poluentes orgânicos persistentes (POPs), contaminantes emergentes, entre outros) em grandes quantidades e variedade ameaça as águas, os sedimentos e a biota. A presença de uma gama tão ampla de compostos no ambiente resulta em interferências durante a realização de análises químicas, prejudicando a avaliação da ocorrência e distribuição de contaminantes em matrizes ambientais. Desta maneira, o desenvolvimento e a otimização de métodos de amostragem e métodos analíticos capazes detectar diversas classes de compostos em níveis muito baixos está entre as questões mais complexas e atuais na área da química ambiental, especialmente em países menos desenvolvidos como o Brasil. O desenvolvimento dessas metodologias é essencial para a avaliação dos níveis de contaminação e risco ambiental em áreas costeiras e marinhas. Essa proposta pretende implementar um método de amostragem passiva para análise de contaminantes emergentes e poluentes orgânicos persistentes na Baía de Todos os Santos (BTS), BA - Brasil. A metodologia analítica para análise concomitante dos contaminantes selecionados também será otimizada e implementada. Adicionalmente, pretende-se avaliar a ocorrência, variações espaço-temporais e as fontes potenciais dos contaminantes em áreas de interesse na BTS, bem como contribuir com dados inéditos para os inventários regionais e globais.
  • Universidade Federal da Bahia - BA - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatiane Maria Rodrigues

Ciências Biológicas

Botânica
  • influência do excesso de metais tóxicos em aspectos estruturais e bioquímicos de cuphea calophylla cham. & schltdl. (lythraceae) com ênfase no sistema secretor
  • Áreas rurais envolvidas com a atividade agropecuária se destacam por apresentar solos contaminados com excesso de metais tóxicos como Cobre (Cu) e Zinco (Zn). Em baixas concentrações Cu e Zn são micronutrientes essenciais para as plantas, porém, em excesso podem causar alterações na estrutura e funcionamento vegetal. Cuphea calophylla (Lythraceae) é facilmente encontrada em áreas ruderais e ambientes antropizados. É popularmente utilizada no tratamento de hipertensão e os óleos produzidos em seus tricomas glandulares são fontes de matéria-prima para produção de sabão. Nosso objetivo é analisar a influência do excesso de Cu e Zn em aspectos morfológicos e bioquímicos em folhas de C. calophylla com ênfase no desenvolvimento e funcionamento do sistema secretor. Serão amostrados indivíduos de populações ocorrentes em área preservada e área contaminada com excesso de Cu e Zn. Ainda, indivíduos serão submetidos a altas concentrações de Cu e Zn em condições hidropônicas. Para análise do efeito dos metais tóxicos na anatomia foliar, análises serão realizadas ao microscópio de luz. Amostras de limbo foliar serão analisadas em microscopia eletrônica de varredura (MEV) convencional para análise da densidade do sistema secretor e em MEV com espectroscopia de energia dispersiva para quantificação dos elementos metálicos nos tecidos vegetais. Alterações celulares no mesofilo e nos tricomas glandulares serão investigadas ao microscópio eletrônico de transmissão. A composição química dos óleos essenciais será analisada por hidrodestilação. O nível de estresse oxidativo será determinado por quantificação de H2O2 e através dos níveis de peroxidação lipídica. Considerando o aumento de solos contaminados por fertilizantes e pesticidas no Brasil, nossos resultados poderão fornecer informações para manejo de espécies e gerar subsídios para predições dos efeitos de ações antrópicas na estrutura dos vegetais.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatianne Ferreira de Oliveira

Ciências Agrárias

Agronomia
  • utilização de energia solar no tratamento de poluentes emergentes presentes em efluentes agrícolas e agroindustriais
  • Os efluentes aquosos originários de vários tipos de indústrias como a alimentícia, possuem substâncias que na maioria das vezes as Estações de Tratamento não foram projetadas para eliminá-los e sim reduzir em matéria orgânica e nutriente e não promovem a remoção e sua completa mineralização. Diversos estudos quantificaram estes compostos em rejeitos industriais, domésticos e até em água tratada (OLIVEIRA, 2011; ANDRADE, 2011). Entre estes compostos estão os micropoluentes emergentes ftalatos, que podem promover impactos adversos na saúde do homem por interferir no funcionamento normal do sistema endócrino (KIM, 2007; ABDELMELEK, 2011) por sua ação cancerígena, mutagênica, além de causar anormalidade no sistema reprodutivo. Poluentes orgânicos emergentes (POEs) referem-se a qualquer composto químico presente em produtos comerciais, como medicamentos, embalagens de alimentos, produtos de higiene, agrotóxicos, etc., que não são usualmente monitorados, ou ainda não possuem legislação regulatória correspondente em muitos países, mas apresentam risco potencial à saúde humana e ao meio ambiente (LA FARRE et al., 2008; KUSTER et al., 2008). A evidência dos efeitos tóxicos destas substâncias é causa de grande preocupação e a legislação nacional tem estabelecido algumas restrições. A Comunidade Europeia, como medida preventiva, classificou os ftalatos como substância perigosa prioritária e determinou a redução de 30% destes micropoluentes nos efluentes industriais aquosos, sendo que atualmente a concentração de ftalatos é de 1,3 μg L-1 nos corpos de água (OLIVEIRA, 2011). Nos últimos anos, contudo, têm sido aplicados estudos comparativos da eficiência de Processos Oxidativos Avançados (POAs) como uma forma de solucionar as falhas nos tradicionais tratamentos, posto que nestes haja mineralização da grande maioria dos contaminantes orgânicos (SILVA et al., 2009). Os POAs podem ser influenciados por alguns fatores importantes do ponto de vista cinético: pH, temperatura, concentração do catalisador e do efluente. Há uma promissora aplicação destes POAs combinados com utilização de luz solar como uma alternativa de tratamento do ponto de vista econômico, pelo fato de fornecer energia ao processo, dando sustentabilidade agroindustrial. Vale destacar, que o uso da luz solar implica em uma Produção Mais Limpa já que diminui o descarte de lâmpadas de mercúrio, aumentando a eficiência quanto ao uso de energia com benefícios econômicos e ambientais. Neste contetxo, a identificação de processos mais limpos para a remoção de contaminantes existentes em águas residuárias se constitui em sério problema em diversas indústrias. Os tratamentos podem ser divididos, em dois grupos: i) os físico-químicos, baseados na transferência de fase; e ii) os processos oxidativos, baseados na decomposição do poluente. Oliveira (2011) afirmam que nos métodos de transferência são obtidas duas fases: uma composta pela água limpa e outra pelo resíduo concentrado. Entre estes processos, podem ser citados: precipitação, coagulação/floculação, osmose reversa, destilação e evaporação, dentre outros. A vantagem dos processos oxidativos é a degradação do poluente levando à eliminação ou redução da toxicidade. Neste contexto, propõe-se neste projeto o Desenvolvimento e Implantação de um Piloto de Tratamento de Processo Oxidativo Avançado em efluentes agroindustriais/agrícolas utilizando a Energia Solar, visando a redução e mineralização de poluentes emergentes, principalmente os micropoluentes ftalatos.
  • Universidade Federal de Goiás - GO - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Tatianny Soares Alves

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • plasticultura sustentável: desenvolvimento de filmes poliméricos biodegradáveis
  • O descarte indevido de resíduos poliméricos vem causando diversos problemas ambientais, uma vez que a maioria dos polímeros utilizados demoram centenas de anos para se decompor, tendo como consequência o acúmulo no meio ambiente e as respectivas problemáticas. Um dos setores que mais consome produtos a base de materiais plásticos, e que pode contribuir para o acúmulo desse tipo de resíduo, é o agrícola com uma média superior a 6 milhões de toneladas consumidas todos os anos na confecção de produtos como estufas, sacos para produção de mudas e na cobertura de solo. Como uma alternativa às dificuldades da utilização de coberturas plásticas convencionais, o uso de filmes plásticos biodegradáveis é apresentado como promissora, uma vez que estes podem ser incorporados no solo ao final do período de colheita e sofrem processo de biodegradação. Nesse contexto, este projeto de pesquisa propõe desenvolver mulch films a base de polímeros biodegradáveis (PBAT e Ecovio®), resíduo de cana-de-açúcar, cera de carnaúba. Os mulch films serão avaliados frente as demandas exigidas para a respectiva aplicação em solos quanto à resistência mecânica em tração, permeabilidade ao vapor de água, opacidade, gramatura, biodegradação e morfologia. A perspectiva do projeto é, além do desenvolvimento de um novo produto, contribuir para o crescimento da área de Engenharia de Materiais com o desenvolvimento de propostas com aplicações possíveis e que estejam aptas a atender os anseios da comunidade industrial e da sociedade como um todo.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022