Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alfeu Joãozinho Sguarezi Filho

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • estudo e implementação de um controlador preditivo repetitivo aplicado no controle das potências do gerador de indução duplamente alimentado
  • Este projeto de pesquisa tem como objetivo o estudo de técnicas de controle preditivo repetitivo aplicado no controle das potências do gerador de indução duplamente alimentado aplicado à sistemas de geração eólica. Neste contexto será estudado o modelo matemático dinâmico do gerador, os conversores de potência e as técnicas de controle para o sistema de geração. Para tal objetivo serão realizados estudos através de simulação e implementação prática em uma bancada do Laboratório de Eletrônica de Potência e Smart Grids da UFABC. Adicionalmente, este projeto possibilitará consolidar colaborações existentes entre docentes da UFABC e de outras instituições como Poli-USP, UFBA, UFPB e UFAC.
  • Universidade Federal do ABC - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alfredo Bonini Neto

Engenharias

Engenharia Elétrica
  • sistemas inteligentes e técnicas matemáticas de parametrização aplicados ao fluxo de carga continuado visando a melhoria dos sistemas elétricos de potência
  • Atualmente, a tendência contínua de aumento nas demandas de carga, juntamente com as restrições econômicas e ambientais para a construção de novas usinas e linhas de transmissão, levou os sistemas de energia a operar mais próximos de seus limites, aumentando a probabilidade de ocorrência de problemas de estabilidade. Os estudos relacionados com a estabilidade estática de tensão exigem a avaliação qualitativa de diversas condições operativas do sistema em diferentes condições de carregamento e contingências. O método da continuação é uma das principais ferramentas utilizadas nesses estudos em virtude de sua robustez e versatilidade, e tem sido empregado entre outros: na avaliação dos efeitos de variações de parâmetros das linhas de transmissão sobre o sistema de potência, na observação do comportamento das tensões das barras do sistema e na comparação de estratégias de planejamento visando à proposição adequada de ampliações e reforços da rede com o intuito de se evitar o corte de carga. As publicações demonstram um crescente interesse por parte das empresas do setor elétrico mesmo em pequenas melhorias deste método visando a melhora de seu desempenho nos diversos estudos. No método da continuação, a singularidade da matriz Jacobiana é removida com a adição de equações parametrizadas às equações do fluxo de carga. Dos estudos prévios já realizados criou-se uma grande expectativa de que seja possível utilizarem-se diversas variáveis globais, tais como a potência ativa ou reativa da barra slack, perdas totais de potência ativa entre outras, para compor a equação da reta ou a equação quadrática. Outra ideia bastante atrativa, é utilizar diversos planos para o traçado completo da curva P-V, um exemplo é o plano formado pelas magnitudes versus os ângulos das tensões nodais, acarretando em uma trajetória de soluções com um aspecto linear e com isso, possibilitando a remoção da singularidade durante o traçado de toda curva P-V. O uso dessas variáveis também apresenta como vantagem o fato de exigir apenas pequenas alterações nos programas de Fluxo de Carga convencionais existentes e de praticamente, não afetar o grau de esparsidade da matriz Jacobiana. Outro fator importante que pretende-se investigar é o uso das redes neurais artificiais (RNAs) para análise da margem de carregamento e consequentemente a obtenção do ponto de máximo carregamento dos sistemas elétricos. Assim, esse projeto tem por objetivo dar continuidade às analises dessas técnicas de parametrização geométrica e também através da RNAs melhorar a sua eficiência na obtenção da margem de carregamento e na redução do tempo computacional gastos pelas técnicas de parametrização geométricas. Também pretende-se investigar a viabilidade do uso de métodos de Newton desacoplado e das versões XB e BX do fluxo de carga desacoplado rápido continuado, bem como de alguns novos métodos recentemente apresentados na literatura.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alfredo Copetti Neto

Ciências Sociais Aplicadas

Direito
  • a simbiose entre garantismo e law and economics: direito e economia às vestes do constitucionalismo garantista
  • O Projeto parte do paradigma constitucional atual, no qual se funda o “constitucionalismo contemporâneo” – que no presente estudo, nomear-se-á de constitucionalismo garantista ou Estado Constitucional de Direito –, e pretende discorrer acerca das influências da proposta inicial desenvolvida na University of Chicago, a partir do movimento Law and Economics, no âmbito das decisões do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Constitucional Italiano.
  • Universidade Estadual do Oeste do Paraná - PR - Brasil
  • 01/06/2017-30/06/2021
Foto de perfil

Alfredo Dias de Oliveira Filho

Ciências da Saúde

Farmácia
  • efeito de um protocolo de revisão da farmacoterapia sobre o controle da pressão e a triagem clínica de pacientes com suspeita de hipertensão resistente
  • Introdução A Hipertensão Arterial Resistente (HAR) é caracterizada por valores valores de pressão arterial (PA) acima de 140x90 mmHg para a pressão arterial sistólica e diastólica, respectivamente, mesmo com o uso de três fármacos anti-hipertensivos com ações sinérgicas, em doses máximas estabelecidas e toleradas, sendo um deles diurético, ou quando o paciente está em uso de quatro ou mais fármacos anti-hipertensivos, mesmo com a PA controlada. Diagnosticos errôneos de HAR podem levar ao uso de medicamentos desnecessários e de alto custo ou até à realizacao de procedimentos invasivos, assim, descartar a pseudorresistência - seja pela obtenção do controle pressórico, seja pela confirmação de HAR - é uma etapa preliminar obrigatório no manejo desses pacientes. Objetivo O objetivo deste estudo é avaliar o efeito de um protocolo de revisão da farmacoterapia sobre a modificação dos valores de PA sistólica e diastólica pacientes com hipertensão arterial resistente e pseudorresistente. Método Será realizado um ensaio clínico controlado randomizado em uma unidade básica de saúde em Maceió-AL e em seis consultórios do ambulatório de cardiologia de um hospital privado em Aracaju-SE, com duração de 24 meses. Serão avaliados como desfechos primários os valores de modificação da PA sistólica e diastólica. Os desfechos secundários serão taxa de pacientes sob controle pressórico, taxa de modificação do status diagnóstico (HAR, hipertensão arterial pseudorresistente e hipertensão com controle pressórico) e a adesão terapêutica. Os valores referentes à PA serão obtidos por meio de Medida Ambulatorial da Pressão Arterial. A adesão terapêutica será determinada por meio da escala de Morisky-Green-Levine. O protocolo de intervenção durará 6 meses e será baseado em um protocolo de otimização da adesão previamente testado em pacientes com doenças cardivasculares pós-ala hospitalar e em pacientes ambulatoriais com hipertensão, e em um protocolo de revisão da farmacoterapia segundo o modelo Medication Appropriateness Index (MAI). Estimou-se que uma amostra de pelo menos 111 pacientes em cada grupo fornecerá 80% de poder para detectar uma diferença de 6 mmHg na PAS com nível de significância de 5%.
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alfredo Ribeiro Neto

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • risco associado a eventos extremos hidrometeorológicos e medidas adaptativas no nordeste e amazônia.
  • Os biomas Caatinga e Amazônia são reconhecidamente hotspots diante de cenários do clima futuro. Os impactos nessas regiões serão mais graves devido à provável intensificação do clima e do regime hidrológico, que leva ao aumento da frequência dos eventos extremos de seca e cheia. Além dos dois biomas citados, a pesquisa se propõe a estudar os efeitos da intensificação do clima em cidades da zona costeira como, por exemplo, as localizadas no Estado de Pernambuco. A pesquisa utilizará análise de risco considerando o clima presente e futuro para, em seguida, propor medidas adaptativas que visam o aumento da resiliência dos sistemas estudados. Para isso, as seguintes etapas devem ser realizadas. Seleção de indicadores e índices. Inicialmente, deve-se levantar os indicadores utilizados em trabalhos realizados no âmbito do território brasileiro. Exemplos que podem ser citados são o Plano Nacional de Segurança Hídrica (PNSH) (ANA, 2019) e a Quarta Comunicação Nacional (4CN) (MCTI, 2019). Parte das dimensões dos dois estudos citados acima tem como base indicadores relacionados a eventos extremos. É o caso da disponibilidade hídrica dada pela vazão com 90% de permanência (Q90), resiliência (reservação de água, potencial de armazenamento subterrâneo e variabilidade pluviométrica), ecossistêmica (vazão Q95) e vulnerabilidade a inundações. Processamento dos dados. Os dados básicos para o cálculo dos indicadores consistem de variáveis hidrometeorológicas como precipitação, temperatura do ar, vazão nos rios, armazenamento em aquíferos, umidade do solo, dentre outras. Dados medidos em estações in situ, produtos de sensoriamento remoto, reanálises e Modelos de Circulação Global (MCG) compõem o rol de possibilidades de fontes. Para a avaliação relacionada aos cenários do IPCC, deve-se utilizar os dados provenientes das simulações dos Modelos de Circulação Global (MCG) do Coupled Model Intercomparison Project Phase 6 (CMIP6). Modelagem hidrológica e cálculo dos índices. Após seleção, os indicadores serão calculados com base nas variáveis hidrometeorológicas. A vazão nos rios será uma variável chave na análise de eventos extremos associados à segurança hídrica nas áreas de estudo. Com as séries temporais de descargas nos rios, será possível calcular as vazões de referência Q5, Q10, Q90, Q95 e Q7,10. Para a obtenção das séries de vazões, será selecionado um modelo que permita a representação dos processos hidrológicos tendo como entrada a precipitação, evapotranspiração potencial, mapas de cobertura e uso da terra, tipo de solo, dentre outras informações. Dois modelos são potenciais candidatos para simulação nas áreas de estudo. O Modelo Hidrológico de Grandes Bacias (MGB-IPH) já foi aplicado satisfatoriamente em escalas comparáveis às que o projeto se propõe a estudar (Ribeiro Neto et al., 2016; Brêda et al., 2020). Outra possibilidade é o modelo WRH-Hydro Modelling System (WRF-Hydro) desenvolvido no National Center for Atmospheric Research dos Estados Unidos (NCAR) (Gochis et al., 2014). Risco de impacto. Tomando-se o arcabouço teórico proposto em IPCC (2014), o risco de impacto será estimado com as dimensões de ameaça climática, vulnerabilidade e exposição. Na literatura, as análises de risco seguem normalmente essa tríade e atuam na quantificação da frequência dos eventos e de seus respectivos danos. Consequentemente, análises probabilísticas podem ser executadas para o desenvolvimento de índices e mapeamento do risco. A dimensão da ameaça climática será tratada conforme descrito nos itens anteriores da metodologia (processamento de dados do CMIP6, simulação hidrológica e cálculo dos indicadores). A vulnerabilidade será composta por indicadores capazes de representar os aspectos de sensibilidade dos sistemas e da capacidade adaptativa nas condições atuais das áreas de estudo. A exposição deve seguir estratégia semelhante no que diz respeito à sua caracterização conforme as condições atuais. Estratégias de recuperação hídrica no NEB. É necessário desenvolver ações que garantam o aumento do estoque de água continental no NEB considerando as magnitudes dos impactos já observados na disponibilidade hídrica e também em condição de aquecimento de 2°C na temperatura regional, que para a região é esperado ocorrer entre 2040 e 2050. Medidas de adaptação. IPCC (2014) chama a atenção para a importância da busca de soluções e medidas adaptativas em consonância com o desenvolvimento sustentável. São os casos, por exemplo, de incremento de infraestruturas e consumo que podem trazer consequências para o meio ambiente. Há opções para adaptação que envolvem de um lado, a melhora na gestão da demanda por água e, por outro lado, a ampliação e garantia de serviços ambientais úteis para lidar com os extremos hidrometeorológicos. Em qualquer situação, o fortalecimento do arcabouço responsável pelo gerenciamento dos recursos hídricos é essencial no enfrentamento dos impactos advindos da variabilidade climática do presente e das mudanças futuras. O Plano Nacional de Segurança Hídrica será investigado através da estrutura de análise socioecológica apresentada por Ostrom (2009). Outras estruturas de investigações de sistemas socioecológicos também poderão ser consideradas no decorrer do projeto.
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 15/12/2020-31/12/2023