Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Valtencir Zucolotto

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • células artificiais biomiméticas a base de linfócitos engenheirados como estratégia inovadora na terapia do câncer
  • O câncer compreende um grupo heterogêneo de doenças de origem multifatorial de grande incidência e mortalidade. Considerado um dos maiores problemas de saúde pública mundial, representa atualmente a principal barreira ao aumento da expectativa de vida. De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC, do inglês, International Agency for Research on Cancer), em 2018, 18,1 milhões de novo casos foram diagnosticados e 9,6 milhões de óbitos registrados. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), aproximadamente 600.000 novos casos de câncer ocorreram anualmente, entre 2018 e 2019, e as estimativas para cada ano do triênio 2020-2022, serão de aproximadamente 625 mil novos casos. O tratamento do câncer representa um grande desafio para a comunidade médica. Embora grandes avanços no diagnóstico e tratamento de diferentes neoplasias tenham sido alcançados nos últimos anos, a partir de abordagens (bio)tecnológicas, ainda há a necessidade de busca de alternativas capazes de garantir um aumento significativo da qualidade e expectativa de vida do paciente. É urgente a necessidade de desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas contra o câncer. A terapia alvo-dirigida de fármacos utilizando biomoléculas como ligantes visa favorecer a vetorização sítio-específica para região tumoral, minimizando os efeitos colaterais sistêmicos. Nesse cenário, a nanomedicina, que contempla hoje uma grande área da nanotecnologia, representa uma importante ferramenta na abordagem de novas possibilidades terapêuticas e diagnósticas voltadas às neoplasias, apresentando bons resultados e superando dificuldades comuns dos tratamentos convencionais. Mais recentemente, o desenvolvimento de células artificias baseadas no uso de membranas extraídas de células tumorais e de linfócitos e destinadas à criação de nanovesículas para o encapsulamento de diferentes quimioterápicos, representa uma tecnologia inovadora, com enorme potencial na terapia anti-câncer. As nanoestruturas formadas atuam como células artificiais biomiméticas (CAB) e podem combinar as vantagens da entrega específica do fármaco através da identificação pelo autorreconhecimento com a capacidade da camuflagem diante do sistema imunológico. Adicionalmente, a modulação de aspectos imunológicos proporcionando a apresentação de antígenos ocorre de maneira mais efetiva e, portanto, favorece o desenvolvimento de um perfil de ativação anti-tumoral nas células imunocompetentes. Nesse projeto serão desenvolvidas células artificiais compostas por lipídeos e proteínas extraídas da membrana de células tumorais (pulmão: A549 ou glioblastoma: SW1088 e U251) combinadas com membranas de linfócitos T (J.RT3-T3.5 ou J.CaM1.6), e engenheiradas para entrega específica de diferentes agentes terapêuticos. As células artificiais serão utilizadas para direcionar carboplatina e temozolamida, para o tratamento alvo de tumor de pulmão NSCLC e glioblastoma, respectivamente. As células artificiais também serão utilizadas para o carreamento de bevacizumabe, um anticorpo monoclonal recombinante que inibe fatores pró-angiogênicos. O estudo ampliará o conhecimento acerca das doenças, do desempenho dos nanossistemas no ambiente tumoral, e trará grande contribuição científica e (bio)médica na luta contra o câncer. Contamos com uma equipe multidisciplinar em um projeto multicêntrico, que congrega pesquisadores do Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia da USP São Carlos (SP), com experiência em várias linhas de pesquisa voltadas para Nanomedicina teranóstica, e do Hospital Pediátrico Pequeno Príncipe, Curitiba (PR), referência em oncologia no país que possui projetos inovadores em imunoterapias contra o câncer. Essa equipe de pesquisadores e alunos possui experiência nas temáticas aqui propostas e também atuará como agentes de difusão científica e ações de extensão à comunidade, como previsto no projeto.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 07/12/2020-31/12/2023
Foto de perfil

Valter Afonso Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • o papel moderator da ênfase estratégica e do cash holding na relação entre a administração míope de marketing e o deesmpenho da ação
  • Estudos sobre gerenciamento de marketing míope postulam que, embora a diminuição do investimento em marketing gere um aumento no lucro no curto prazo, ela promove efeito negativo no valor da empresa no longo prazo. Esta associação é clara, mas ignora a necessidade dos gerentes de gerenciar a retenção de caixa, bem como estabelecer a ênfase na criação de valor estratégico (vs. valor de apropriação). Os autores analisam os efeitos moderadores da manutenção de caixa e da criação de valor estratégico na relação entre o marketing míope e o desempenho das ações de curto e longo prazo. O estudo empírico usará dados longitudinais de empresas americanas ao longo de t anos.
  • Universidade Estadual de Maringá - PR - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Vanderlan da Silva Bolzani

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • instituto nacional de ciência e tecnologia em biodiversidade e produtos naturais – inctbionat
  • O projeto delineado está centrado nos pilares de sustentação da Ciência, Tecnologia e Inovação, que norteiam as sociedades do conhecimento: (a) Pesquisa básica e aplicada de excelência; (b) Formação de recursos humanos em biodiversidade e produtos naturais; (c) Colaboração com o setor empresarial para desenvolvimento tecnológico a partir das inovações em produtos naturais; (d) Difusão do conhecimento sobre a biodiversidade e produtos naturais bioativos para o ensino médio e outros segmentos da sociedade; (e) Contribuição nas ações de políticas públicas de conservação e uso sustentável da biodiversidade. Dentro destes fundamentos, o Instituto Nacional de Ciência & Tecnologia (INCTBioNat) foi criado para mapear e catalogar de forma organizada todas as informações sobre os metabólitos secundários detectados e/ou isolados de organismos de nossa rica biodiversidade, fundamental para o avanço de pesquisa em química de produtos naturais do Brasil. O conhecimento e uso sustentável da biodiversidade brasileira foi preconizado no documento “Política Nacional da Biodiversidade”, editado pela Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF), Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2002 e tem prioridade para o desenvolvimento nacional. A criação de uma rede nacional de pesquisa para mapeamento químico e biológico das espécies terrestres, marinhas e de microrganismos da nossa biodiversidade constitui-se numa estratégia racional para a seleção de substâncias ativas mais promissoras para posterior estudos farmacológicos e toxicológicos visando moléculas protótipos. Para atingir tais metas, o ICNTBioNat reúne pesquisadores de excelência e pesquisadores jovens e talentosos que iniciam suas carreiras em universidades federais e estaduais de vários estados da federação, englobando todas as regiões do Brasil. Toda equipe atuará de forma colaborativa e multidisciplinar objetivando o fortalecimento de uma área de pesquisa e inovação estratégica para o Brasil, através de uma rede de laboratórios de excelência em produtos naturais para exploração e uso sustentável da rica biodiversidade brasileira.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 28/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Vanderlei Gageiro Machado

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • sensores cromogênicos e fluorescentes e fotocatalisadores suportados em polímeros funcionalizados eletrofiados
  • Corantes orgânicos que mudam de cor ou fluorescência dependendo das propriedades do meio (solvatação, polaridade, viscosidade, pH) ou na interação com outras espécies químicas podem ser usados como sondas, indicadores ou sensores para fins analíticos. Fibras de polímeros preparadas por eletrofiação e contendo esses corantes são suportes particularmente interessantes para a fabricação de sensores. As fibras são tipicamente micrométricas em diâmetro e são preparadas a partir de uma ampla variedade de polímeros e misturas de polímeros, incluindo biopolímeros. As fibras são versáteis e podem ser transformadas em matrizes ou membranas com boas propriedades mecânicas e permeabilidade controlada, contribuindo para a seletividade e resposta analítica. As matrizes poliméricas eletrofiadas também são promissoras como suportes de grande área superficial para nanopartículas semicondutoras fotocatalíticas. A equipe de pesquisa desta proposta reúne experiências complementares em síntese orgânica, espectroscopia, fotoquímica e fotofísica, materiais poliméricos e eletrofiação, catálise e fotocatálise em sistemas organizados e aplicações analíticas de sensores. Os dois principais objetivos da proposta são: (1) o desenvolvimento e validação de sensores analíticos seletivos baseados em corantes orgânicos incorporados em montagens de polímeros eletrofiados; e (2) o desenvolvimento de novos suportes de polímeros por eletrofiação otimizados para reações fotocatalíticas heterogêneas. Os grupos da UFSC, FURB e IFSC têm experiência comprovada no planejamento de sensores baseados em uma variedade de corantes push-pull, em técnicas de eletrofiação e em fotocatálise por semicondutores, e o grupo da USP irá contribuir com análogos bioinspirados de pigmentos naturais de plantas e experiência em fotofísica. A incorporação bem-sucedida desses corantes e nanopartículas semicondutoras em polímeros eletrofiados deve levar ao planejamento racional de novos sensores e fotocatalisadores heterogêneos.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025