Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Victor Martins Maia

Ciências Agrárias

Agronomia
  • cultivo do cacau em regiões não tradicionais: consórcio com macadâmia e controle da floração
  • Apesar do aumento da demanda mundial, as áreas cultivadas com cacau no Brasil têm se limitado a microclimas da região amazônica, as regiões sul da Bahia e norte do Espírito Santo. Esta limitação se dá devido ao conceito preestabelecido que o cacaueiro necessita de sombreamento e ambiente com elevada temperatura e umidade do ar para produzir bem. Porém, algumas áreas experimentais e comerciais estão estabelecidas em regiões mais secas com irrigação, principalmente no Equador e Malásia. As regiões do semiárido brasileiro, que se encontram localizadas na área de atuação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste – SUDENE (incluindo municípios de Minas Gerais conforme Lei Complementar 125, de 03/01/2007), apresentam pluviosidade variando de 200 a 800 mm por ano, 60% de umidade relativa do ar, alta luminosidade e solos férteis. Estas condições associadas à fertirrigação e manejo diferenciado podem favorecer a viabilidade agroeconômica do cultivo do cacaueiro tornando-se mais uma opção para os produtores rurais desta região com potencial de criação de novos polos de produção de cacau no Brasil. Além de servirem como áreas de escape para a maioria das doenças, nestas regiões o cacaueiro apresenta alto potencial de produtividade e qualidade, com maior facilidade de beneficiamento, principalmente na secagem. A possibilidade de expansão da cacauicultura para áreas não tradicionais pode gerar divisas para o país pela redução da importação ou até mesmo, possibilitando ao Brasil retornar a condição de exportador. Algumas iniciativas de produtores e pesquisadores, mesmo que em pequena escala, têm apresentado resultados promissores. Contudo, há necessidade de avaliação científica de longo prazo da viabilidade agroeconômica da implantação do cacaueiro e de tecnologias associadas e/ou modificadas para as condições do semiárido. Portanto, este projeto tem como objetivo avaliar a viabilidade agronômica e econômica da cacauicultura irrigada em região não tradicional e verificar o comportamento fenológico, crescimento, produção e qualidade de clones de cacaueiro produzidos na condição de pleno sol e em consórcio com macadâmia em região de clima semiárido. Serão realizados de forma concomitante 2 experimentos. O primeiro será implantado em área já cultivada previamente a banana ‘Grande Naine’. O Segundo será realizado em área de cacau já implantada com 3,7 anos de idade (considerando o mês de setembro de 2018) onde estão sendo cultivados 8 diferentes clones. Será utilizado, no primeiro experimento, o delineamento em blocos casualizados (DBC) no esquema fatorial 5 x 4, sendo 5 clones de cacau e 4 porta-enxertos e 3 repetições. De forma concomitante ao plantio do cacau, serão plantadas as mudas de macadâmia. A cada três meses, a partir do plantio das mudas de cacau, serão avaliadas as seguintes características: determinação da radiação e índice de área foliar (IAF), índice SPAD nas folhas, trocas gasosas (características fisiológicas), diâmetro de tronco, comportamento fenológico, produção e qualidade dos frutos e das amêndoas. Anualmente será realizada a coleta de folhas para análise laboratorial. Também serão coletadas amostras de solo para análises físicas e químicas, estoque de carbono e nitrogênio no solo e teor de nutrientes nas amêndoas secas e na casca dos frutos. Ao final dos 3 anos de avaliação será realizada a análise econômica e financeira do sistema de produção. No segundo experimento, será utilizado o delineamento em blocos casualizados (DBC) no esquema de parcelas subdivididas (8 x 2), tendo nas parcelas oito tratamentos (clones de cacau) e nas subparcelas duas condições de irrigação relacionadas a ausência de estresse hídrico e estresse hídrico controlado, com três repetições. Serão avaliadas as seguintes características: determinação da radiação e índice de área foliar (IAF), índice SPAD nas folhas, trocas gasosas (características fisiológicas), potencial hídrico do solo e da folha, atividade no tecido foliar das enzimas relacionadas ao estresse, diâmetro de tronco, comportamento fenológico, produção e qualidade dos frutos e das amêndoas. Anualmente será realizada a coleta de folhas para análise laboratorial. Também serão coletadas amostras de solo para análises físicas e químicas, estoque de carbono e nitrogênio no solo e teor de nutrientes nas amêndoas secas e na casca dos frutos. Os dados coletados serão submetidos à análise de variância, e quando significativos pelo teste F (p < 0,05), serão submetidos ao teste de Scott-Knott ao nível de 5% de probabilidade com auxílio do software estatístico R.
  • Universidade Estadual de Montes Claros - MG - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Victor Paulo Barros Gonçalves

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • implicações fenomenológicas da dinâmica das interações fortes no lhc, auger e icecube
  • A Física de Partículas vivencia atualmente uma fase áurea com o funcionamento dos experimentos LHC, AUGER e ICECUBE. Em particular, com o grande conjunto de dados obtidos pelo Grande Colisor de Hádrons (LHC) com alta energia e elevada luminosidade, tem-se a expectativa de em curto prazo possamos observar ou não a existência de uma nova física além do Modelo Padrão, tal como Supersimetria, Dimensões Extras ou Tecnicolor. Além disso, espera-se que o LHC evidencie os efeitos associados ao regime de altas energias e/ou altas temperaturas da Cromodinâmica Quântica (QCD), tais como o Condensado de Vidros de Cor e o Plasma de Quarks e Glúons. Similarmente, os experimentos AUGER e ICECUBE estão provando nossa compreensão do regime de altas energias da Física de Raios Cósmicos e de Neutrinos. A interpretação dos resultados destes experimentos depende fortemente da física hadrônica presente nos simuladores Monte Carlo. Tais temas tem sido objeto de pesquisa por parte do proponente durante os últimos anos. Embora o conjunto de resultados já obtidos seja bastante motivador, vários aspectos permanecem ainda em estágios embrionários ou ainda inexplorados. Pretendemos neste projeto avançar na compreensão da dinâmica das interações fortes para altas energias e estimar os observáveis que podem ser estudados no LHC e nos experimentos AUGER e ICECUBE. A fim de atingir os objetivos previstos no projeto é fundamental que o cluster de computadores do Grupo de Altas e Médias Energias da UFPel seja atualizado, pois este é composto por computadores com mais de 10 anos de uso contínuo, os quais tem apresentado falhas regulares nos últimos meses. Tal projeto visa a obtenção de recursos que viabilizem esta atualização.
  • Universidade Federal de Pelotas - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022