Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Simone Maria Andrade Pereira de Sá

Ciências Sociais Aplicadas

Comunicação
  • laboratório de análise e desenvolvimento de linguagens em mídias sonoras, visuais e audiovisuais
  • Este projeto tem por objetivo estabelecer as bases teóricas e materiais, em termos de itens de capital (aquisição de equipamentos e mobiliário) e de custeio (reforma de espaços para atividades de ensino e pesquisa) e passagens para intercâmbios interinstitucionais), para o funcionamento de um Laboratório de Análise e Desenvolvimento de Linguagens em Mídias Sonoras, Visuais e Audiovisuais, conjugando assim os esforços de diversos dos grupos de pesquisa associados ao Departamento de Estudos Culturais e Mídia e ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (GEC/UFF) na consolidação de sua já manifesta inserção qualificada à pesquisa na área de Comunicação, como se poderá demonstrar pelo perfil das ações de sua equipe proponente, tanto em termos de produtividade qualificada quanto nas taxas de aprovação de projetos de pesquisa, ensino, formação e cooperação acadêmica, em plano nacional e internacional. Do ponto de vista de seus conteúdos, a proposta se define por uma simultânea integração e articulação de diferentes projetos de pesquisa que têm em comum a atenção analítica a materiais da cultura midiática contemporânea, nas suas manifestações sonora, visual e audiovisual, abordados a partir de diferentes perspectivas (sociológicas, culturalistas, narratológicas e estéticas, dentre outras). Em se constituindo a base material dessas atividades, com o apoio financeiro da agência, julgamos poder fornecer o apoio material e logístico de uma série de atividades de ensino, pesquisa e divulgação científica, em áreas estratégicas para o curso de Estudos de Mídia e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFF, nas áreas de interesse desse projeto.
  • Universidade Federal Fluminense - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Simone Mitri Nogueira

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • estudo das alterações epigenéticas e proteômicas relacionadas ao benzeno em uma população vulnerável de campos elíseos, dc, rj, exposta ambientalmente
  • Estado da arte O benzeno é um contaminante global e sua presença na atmosfera vem sendo registrada, sobretudo, nas áreas industriais. Em geral, a população está exposta através da inalação de ar contaminado, mas também de solo e águas contaminados por rejeitos industriais. Isso mostra que populações que vivem no entorno de fontes potencialmente poluidoras, como indústrias e refinarias de petróleo, podem estar expostas a concentrações de benzeno capazes de produzir efeitos indesejáveis à saúde. A principal produção de benzeno no Brasil estão nos centros de produção petroquímica e refino de petróleo, responsáveis por cerca de 95% da produção nacional, atuando como poluidores potenciais. Dentre estes, destaca-se o pólo industrial de Campos Elíseos no município de Duque de Caxias/RJ, que acomoda o maior complexo industrial da América Latina: a 2° maior petroquímica do país, a REDUC, e outras indústrias. Esta região apresenta significativa desigualdade na distribuição de renda, o que agrava o problema da contaminação ambiental de origem industrial. Outro agravante na região está relacionado à ausência de fornecimento de água pela CEDAE, e, alternativamente, o uso de água proveniente de instalações que conectam encanamentos particulares às tubulações de água da REDUC/ PETROBRAS, destinada às torres de resfriamento. A exposição crônica a baixas concentrações de benzeno está associada a enfermidades, como a anemia aplástica, leucemia, linfoma não-Hodgkin, mieloma múltiplo e outras desordens hematopoiéticas. A preocupação com os efeitos da exposição ao benzeno na população em geral é crescente. Do ponto de vista da suscetibilidade genética, polimorfismos de genes envolvidos no metabolismo da substância têm sido amplamente investigados como fatores de risco. O benzeno é um carcinógeno classificado no grupo 1 da IARC e, sabe-se que, o câncer é causado por múltiplos fatores, de modo que a identificação desses fatores é objeto de pesquisas na área. As alterações genéticas representam uma etapa chave no processo de desenvolvimento do câncer, e mais, tem sido repostado que a carcinogênese induzida quimicamente está associada a alterações epigenéticas, incluindo a metilação do DNA e expressão de microRNA. Estudos têm mostrado que as modificações nos padrões de metilação de DNA em regiões específicas estão entre os fatores de risco para exposição a carcinógenos. É reconhecido que a alterações no padrão de metilação de DNA relacionadas á leucemia envolve hipo e hipermetilação do genoma, o que leva à instabilidade genômica. Estudos conduzidos para avaliar possíveis efeitos da exposição ao benzeno sobre os níveis de expressão de microRNAs em regiões específicas do genoma têm reportado alterações nos padrões, mas são ainda incipientes. Nesse sentido, alterações epigenéticas podem ser consideradas como biomarcadores preditivos de exposição a carcinógenos, capazes de influenciar o potencial genotóxico do agente carcinogênico. Por sua vez, as análises proteômicas detectam alterações no perfil de expressão de proteínas, que podem estar relacionadas à exposição ao xenobiótico. Objetivo Este projeto objetiva investigar alterações epigenéticas e proteômicas relacionadas à exposição ambiental ao benzeno em moradores de Campos Elíseos, estado do RJ, levando em consideração o perfil de susceptibilidade genética desta população ao xenobiótico. As análises genômicas são capazes de identificar os subgrupos geneticamente mais susceptíveis. Através dos ensaios em proteômica podem ser detectadas alterações no perfil de expressão das proteínas relacionadas. As análises de modificações epigenéticas atuam como marcadores dos danos que a exposição a xenobióticos carcinógenos, como o benzeno, podem causar ao epigenoma. Metodologia Em um estudo transversal, serão avaliados cerca de 450 residentes de Campos Elíseos, onde serão coletados os dados sociodemográficos (por questionário) e amostras biológicas (sangue e urina) da população. No ambulatório do CESTEH/ENSP/FIOCRUZ será feita a avaliação clínica da população, através de hemograma completo e consulta médica. As análises serão realizadas no Laboratório de Toxicologia do CESTEH, que tem a infraestrutura necessária para tal, e serão as seguintes: 1)Determinação dos biomarcadores S-PMA e t,t-MA para avaliação da exposição ao benzeno; 2)Análise proteômica, através de eletroforese uni e bidimensional em géis SDS-PAGE e por Espectrometria de Massa; 3)Determinação de polimorfismos de genes de metabolização do benzeno, CYP2E1, NQO1, MPO, GSTT1 e GSTM1, por PCR em tempo real e convencional; 4)Determinação do padrão de metilação de DNA em regiões específicas e da expressão de microRNA como marcadores de alterações epigenéticas. Resultados esperados Este estudo pretende gerar os seguintes produtos: 1)banco de dados do perfil socio-econômico da população estudada; 2)quantificação da exposição ambiental ao benzeno na população, através dos níveis dos biomarcadores de exposição; 4)distribuição genotípica e alélica dos polimorfismos genéticos metabólicos do benzeno na população estudada; 5)frequência dos alelos de risco de genes de susceptibilidade ao benzeno; 7)perfil proteômico da população estudada, através da expressão proteica; 9)quantificação dos biomarcadores epigenéticos metilação de DNA e expressão de microRNAs específicos relacionados ao benzeno. Conclusão A literatura científica atual tem mostrado a importância da busca de maior conhecimento sobre a influência do benzeno nas alterações epigenéticas e proteômicas em populações expostas ao xenobiótico, uma vez que muitas dessas alterações estão associadas a várias doenças e, principalmente, ao processo de carcinogênese. A elucidação dos mecanismos pelos quais o benzeno é capaz de alterar a expressão de determinados genes poderá contribuir para a melhoria da compreensão do potencial tóxico desta substância e de outros poluentes ambientais e auxiliará na identificação de medidas preventivas mais apropriadas ao problema.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Simone Monteiro e Silva

Ciências Agrárias

Ciência e Tecnologia de Alimentos
  • identificação e recuperação de bioprodutos graxos de óleo de palma
  • O óleo de palma é atualmente o óleo vegetal mais consumido no mundo e a sua produção corresponde a aproximadamente um terço da produção mundial de óleos vegetais. Nos últimos 15 anos, a sua demanda dobrou devido a utilização como substituto de gorduras trans e produção de biodiesel. No entanto, o crescimento não foi acompanhado pelo aprimoramento do conhecimento científico, portanto existem poucos trabalhos na literatura esclarecendo quais os parâmetros de processo influenciam nos problemas enfrentados pela indústria, como: a formação de compostos tóxicos (organoclorados) durante o refino; dificuldade tornar óleo bruto em uma coloração amarelo claro; e o não aproveitamento total da matéria-prima. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é aprimorar a compreensão científica do refino de óleo de palma, assim como propor novos processos de refino visando a sustentabilidade e segurança alimentar. Este projeto compreende: a) a caracterização do óleo de palma híbrido brasileira, b) síntese de resinas poliméricas e sua utilização para recuperação de carotenos, c) desenvolvimento de métodos alternativos de refino do óleo de palma, d) avaliação da formação de compostos tóxicos de óleos submetidos a processos tradicionais e alternativos de refino e preparo.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Simone Nunes de Carvalho

Ciências Biológicas

Morfologia
  • efeitos da terapia celular e do secretoma de células-tronco mesenquimais na doença hepática: estudo in vivo e in vitro
  • A doença hepática crônica está associada com a substituição do parênquima funcional do fígado por tecido fibroso, levando à perda da função hepática progressiva até o estágio de cirrose, condição que normalmente exige o transplante de fígado para garantir a sobrevida do paciente. Portanto, é grande a necessidade de terapias que possam aumentar a sobrevida de pacientes em espera por transplantes, ou até mesmo reverter mais rapidamente a lesão hepática. Nesse cenário, células da medula óssea adulta tem mostrado resultados promissores para o restabelecimento da função hepática, em modelos experimentais e ensaios clínicos. Apesar desses achados, permanece o questionamento sobre as vias pelas quais essas células contribuem para a regeneração hepática. Entre as hipóteses mais sugeridas e estudadas temos a da estimulação parácrina via interação celular direta e/ou secreção de vesículas extracelulares com componentes como proteínas de membrana, microRNAs e fatores de crescimento. Este estudo pretende comparar os efeitos da terapia com células totais de medula óssea com os efeitos da terapia com secretoma de células-tronco mesenquimais (CTM) de medula óssea após cultivo tridimensional em matriz de alginato, sobre a fibrose hepática induzida por colestase em modelo cirúrgico com camundongos, e em cultura de linhagem de hepatócitos previamente sensibilizados. Após os tratamentos, as amostras de tecido hepático ou culturas hepatócitos serão analisadas quanto ao perfil de citocinas por citometria de fluxo. O estresse oxidativo, biogênese mitocondrial e aspectos metabólicos dos hepatócitos serão avaliados durante a lesão e após a terapia celular. A compreensão sobre como esses fatores podem atuar sinergicamente e seus efeitos sobre hepatócitos e demais células do parênquima hepático é de fundamental importância para o aprimoramento e otimização da terapia celular para doença hepática crônica.
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022