Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Silvia Rodrigues Vieira

Lingüística, Letras e Artes

Lingüística
  • contínuos de/em variedades do português: análises contrastivas
  • As questões motivadoras do projeto tomam por base as recentes descobertas da equipe (cf. Projeto CNPq – “Padrões de concordância em variedades do Português: a interface morfossintaxe-fonética”, de 2015 a 2017, com continuidade no Projeto de pesquisa aprovado no Programa de Bolsa de produtividade ora intitulado “Padrões de concordância em variedades africanas, brasileiras e europeias do português: produção e percepção”, a partir de 2018), sobretudo as relativas à influência das restrições e do contato multilinguístico sobre o fenômeno da concordância, considerando variedades brasileiras, europeias e africanas do Português. O estudo contrastivo permitiu aferir a existência de dois padrões de concordância, um variável e outro (semi)categórico. Com base em tais resultados, foi proposto um continuum de variedades do Português, consoante sua maior ou menor proximidade com tais padrões. Essa experiência deixou claro que o desafio de conceber as variedades como particulares ou escalares só pode ser enfrentado mediante amplas descrições de amostras linguísticas, sobretudo as africanas, com diferentes perfis de informantes e, ainda, consoante a análise de maior número de fenômenos, desafio que se pretende perseguir neste projeto. Trata-se, portanto, da investigação de fenômenos morfossintáticos que permitam situar dados falados por europeus, brasileiros, santomenses, moçambicanos e angolanos consoante o continuum de variedades do Português. Ademais, internamente a cada variedade, pretende-se descrever a complexidade de sua configuração, em termos igualmente escalares, considerando, a partir de uma diversidade de gêneros textuais da fala e da escrita, a modalidade discursiva e o contexto situacional. Para a postulação dos continua, a descrição de cada variedade – internamente e mediante análise contrastiva – permitirá aferir os padrões gerais e particulares. Para tanto, a pesquisa apoia-se na Teoria da Variação e mudança e na interpretação de condicionamentos – universais ou particulares – de modo a estabelecer os referidos continua. Espera-se, assim, contribuir não só com a descrição das variedades do Português, mas também com o avanço científico no sentido de explicar a complexa rede de fatores, linguísticos e extralinguísticos, que explicam a formação do perfil das variedades de uma língua.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvia Silva da Costa Botelho

Ciências Exatas e da Terra

Ciência da Computação
  • comum - plataforma de apoio ao crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo
  • Esse projeto é uma proposta interinstitucional que reúne a Universidade Federal do Rio Grande/FURG, especificamente seu Centro de Ciências Computacionais – C3; o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul/IFRS - Campus Rio Grande, em especial o Pesquisa em Sistemas para Educação - SisEdu, e o Arranjo Produtivo Local (APL) do Polo Naval e de Energia de Rio Grande e Entorno. O projeto em questão caracteriza-se como uma grande oportunidade de potencializar os elementos endógenos promotores de desenvolvimento que permitam estimular, fomentar e apoiar a auto-organização produtiva do região. Propomos o desenvolvimento de um sistema web (aplicativo e gerenciador de informação) colaborativo, denominado ComUM, através do qual serão fomentadas ações de cooperação, compartilhamento de oportunidades e interação entre o cidadão, fornecedor de serviço, e demandantes de mão de obra. São fomentadas estratégias considerando os eixos comunicação, mobilidade, negócios e capacitação de modo a contribuir com a geração de emprego e renda das famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal de 4 territórios prioritários localizados na cidade do Rio Grande/RS. A execução da proposta está organizada em 4 etapas: i) Planejamento do projeto, etapa na qual serão realizadas reuniões com a finalidade de planejar e discutir sobre as atividades envolvidas no projeto, bem como, será estabelecido o perfil e as competências dos profissionais que farão parte da equipe executora; ii) Mapeamento de Requisitos, etapa na qual serão identificadas, com o auxílio de uma consultoria técnica especializada, as oportunidades de negócios do arranjo que farão parte do processo de modelagem do sistema ComUM. Serão também abordados estudos de viabilidade, atividades envolvidas, técnicas para o levantamento dos requisitos, análise e negociação dos requisitos, especificação e documentação, bem como, a validação dos requisitos para todos os canais propostos; iii) Aquisição da infraestrutura tecnológica e desenvolvimento, etapa destinada a aquisição de equipamentos, desenvolvimento da plataforma propostas e testes iniciais da plataforma junto à população; iv) Lançamento do sistema, onde o produto, resultante da execução do projeto, será apresentado ao público geral e específico. Como resultado do projeto, espera-se potencializar qualificação de trabalhadores locais, em especial aqueles em situação de vulnerabilidade social, a partir da constituição de uma rede oferta de serviços no território. Fomentar a capacidade ociosa tanto das empresas como da mão de obra por meio de uma plataforma digital com extensa capacidade de promoção das mais diversas interações. Destaca-se que a proposta é pioneira no que tange o uso de tecnologias para iBusiness, Persuasão, MOOCs (Massive Open Online Course) e suas implementações em dispositivos móveis embarcados. O sistema envolverá a participação de grupos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico das universidades locais, bem como o Arranjo Produtivo Local (APL) do Polo Naval e de Energia de Rio Grande e Entorno, tendo em vista as metodologias e tecnologias associadas a proposta.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 01/12/2018-30/05/2021
Foto de perfil

Silvina Botta

Ciências Exatas e da Terra

Oceanografia
  • ecologia trófica e espacial de predadores marinhos no contexto de alterações de origem antrópica
  • Os mamíferos marinhos têm um papel importante nos ecossistemas aquáticos, regulando as biomassas de níveis tróficos intermediários e fornecendo matéria orgânica quando seus excretos ou carcaças são recicladas por organismos detritívoros. Entender as relações tróficas entre os mamíferos marinhos e os diferentes componentes das redes tróficas dos hábitats que eles ocupam, os principais fluxos de energia e quais recursos são utilizados pelas diferentes espécies envolvidas, é crucial para compreender o papel que esses animais exercem em seus ecossistemas. No entanto, estudos sobre a ecologia trófica deste grupo é dificultado por serem animais altamente móveis e habitarem ambientes dinâmicos e de difícil acesso. Estudos sobre seus hábitos alimentares são limitados e baseados, principalmente, na análise do conteúdo estomacal de animais mortos encalhados ou capturados em artes de pesca. Neste contexto, alguns traçadores químicos, como a análise de isótopos estáveis (IE) de carbono (δ13C) e nitrogênio (δ15N), vêm sendo cada vez mais utilizados em estudos ecológicos, fornecendo uma visão integrada de tempo e espaço sobre os hábitos alimentares, áreas de forrageio e uso de habitat de mamíferos marinhos. Este tipo de ferramenta possui ainda, a vantagem de proporcionar informações retrospectivas sobre a ecologia trófica e espacial destes organismos, por meio da análise de series históricas de amostras depositadas em coleções científicas. Neste contexto, o objetivo geral da presente proposta é estudar a ecologia trófica e espacial de predadores marinhos, suas mudanças históricas e a relação destas com alterações ambientais de origem antrópica. No Atlântico Sul Ocidental, espera-se atingir os seguintes objetivos: (1) estudar a mudança interdecadal na ecologia trófica de cetáceos de ecossistemas costeiros; (2) verificar a variação espacial na ecologia trófica e uso do hábitat de cetáceos costeiros; (3) investigar as interações tróficas entre mamíferos marinhos costeiros. Já na Península Antártica, objetiva-se (5) identificar mudanças históricas nas composições isotópicas de focas antárticas de regiões da Península Antártica sob efeitos contrastantes das mudanças climáticas globais; e (6) estudar a variação temporal na ecologia trófica de predadores de krill antártico e sua relação com a disponibilidade de presas. O desenvolvimento das atividades previstas para atingir as metas propostas neste projeto terá a participação intensa de alunos de graduação e pós-graduação, na busca pela continua formação de recursos humanos, capacitados para realizar pesquisas ecológicas em ecossistemas marinhos.
  • Universidade Federal do Rio Grande - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Silvio Alexandre de Araujo

Engenharias

Engenharia de Produção
  • problemas de dimensionamento de lotes: integrações, extensões e aplicações
  • No presente projeto deve-se dar continuidade às pesquisas em desenvolvimento, tanto em relação a problemas de dimensionamento de lotes integrados, quanto relacionadas a extensões envolvendo flexibilidade em problemas de dimensionamento de lotes. Para tanto, deve-se ampliar os estudos que combinam diversos aspectos do planejamento da produção, buscando novos modelos e métodos de otimização inteira aplicados a diversos setores industriais, que estão sendo estudados com o objetivo de avaliar, na prática, a eficiência dos modelos e métodos propostos. O contato com as indústrias deve ser intensificado no decorrer deste projeto, buscando aplicar as pesquisas desenvolvidas.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022