Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alysson Luiz Stege

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • os efeitos do capital humano no crescimento da agropecuária nas microrregiões brasileiras entre os anos de 1980 a 2017
  • O crescimento econômico é perseguido tanto por países desenvolvidos quanto por países em desenvolvimento. Pode-se dividir em três os fatores que levam ao crescimento econômico: estoque de capital, estoque de capital humano e as mudanças tecnológicas. Existe uma lacuna na literatura nacional de trabalhos que analisam o papel do capital humano no crescimento econômico para setores específicos, em especial para setor agropecuário brasileiro. Neste contexto, a presente pesquisa analisa a contribuição do capital humano no crescimento da agropecuária brasileira para as microrregiões brasileiras entre os anos de 1980 a 2017, considerando o espaço na análise, isto é, utilizando modelos econométricos de dados em painel espacial.
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alysson Wagner Fernandes Duarte

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • antártica e caatinga: diversidade microbiana e bioprospecção de enzimas e pigmentos
  • Em ambientes com características restritivas como o continente Antártico e o bioma Caatinga, os ciclos biogeoquímicos e as cadeias alimentares, muitas vezes, chegam a ser formados principalmente por microrganismos, os quais possuem um papel fundamental no transporte de energia, reciclagem da matéria orgânica e mineralização de nutrientes. A Antártica é o continente mais remoto e inóspito, possuindo o clima mais frio e seco conhecido da Terra, sendo conhecido como deserto frio. Por outro lado, a Caatinga é caracterizada por apresentar temperaturas elevadas, alta radiação solar, além do déficit hídrico. Além disto, a Caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro, e seu patrimônio biológico não é encontrado em outro lugar do planeta. Esses ambientes são caracterizados por diferentes fatores limitantes ao desenvolvimento de qualquer forma de vida, inclusive microbiana. O entendimento da diversidade microbiana associada a estes ambientes “extremos” está em início de descoberta e pode representar um avanço no campo científico e tecnológico. Nesse sentido, o objetivo do projeto é avaliar a diversidade microbiana associada a liquens coletados do ambiente Antártico e na Caatinga de Alagoas, além da prospecção de enzimas e pigmentos microbianos. Os isolados positivos serão identificados por taxonomia polifásica, com análise macro e microscópica e sequenciamento das regiões: D1/D2 do gene 26S (leveduras) e 16S (bactérias). Adicionalmente, será avaliada a diversidade filogenética, além da prospecção de enzimas como protease com atividade fibrinolítica, além da triagem de microrganismos solubilizadores de fosfato e pigmentos microbianos. Em relação à prospecção de enzimas, inicialmente os isolados serão submetidos a triagem de protease, seguido de avaliação da ação de hidrólise de fibrina. Para triagem dos microrganismos solubilizadores de fosfatos, será utilizado o meio de cultura NBRIP, com Ca3(PO4)2 como fonte de P. Espera-se também obter a produção de pigmentos microbianos, bem como a caracterização e avaliação da atividade antimicrobiana, antioxidante e fotoprotetora. Os resultados deste projeto permitirão ampliar a compreensão da diversidade microbiana relacionada às amostras do ambiente Antártico e da Caatinga, bem como auxiliar na descoberta de enzimas e pigmentos microbianos com diferencial aplicação biotecnológica. Por fim, os microrganismos isolados no âmbito do projeto constituirão um acervo que será preservado e depositado na Universidade Federal de Alagoas, Campus Arapiraca.
  • Universidade Federal de Alagoas - AL - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alzir Azevedo Batista

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • complexos metálicos: citotoxidade e mecanismo de ação
  • O presente projeto visa a obtenção de compostos de rutênio(II), cobre(I), platina(II) ou paládio(II) contendo como ligantes bifosfinas, diiminas e produtos naturais, ou derivados, aciltioureas mercaptopiridina ou mercaptopirimidinas, Os compostos a serem obtidos serão caracterizados por várias técnicas, tais como análise elementar (C,N,H), espectroscopia de absorção na região do infravermelho e UV/Vis; RMN (1H, 13C e 31P), eletroquímica, e quando for o caso, por difração de raios X. Ensaios objetivando o conhecimento da citotoxidade dos compostos contra células tumorais serão realizados. Para a realização dos ensaios in vitro poderão ser utilizadas diversas linhagens de células tumorais, tais como mama MDA-MB-231 (invasiva) e MCF-7 (não invasiva), a tumoral de próstata DU-145, hepatocarcinoma humano (HEPG-2) e por meio de comparação será utilizada a célula sadia de fibroblasto de camundongo L929. Serão também realizados ensaios para verificar a atividade dos compostos contra doença de Chagas e tuberculose, além do estudo dos complexos como agentes anti-oxidantes. Estudos serão também realizados para que se vislumbre um possível mecanismo de ação dos compostos, nos ensaios biológicos: 1.ENSAIOS DA POSSÍVEL FRAGMENTAÇÃO DO DNA 2.ESTUDO DA INTERAÇÃO COMPLEXO/DNA 3.ESTUDO DA INTERAÇÃO COMPLEXO/HSA ou BSA 4.MEDIDAS DE VISCOSIDADE 5. MEDIDAS DE DICROISMO CIRCULAR 6. DETERMINAÇÃO DA LIPOFILICIDADE (LOG P) 7. ELETROFORESE EM GEL 8. CICLO CELULAR E ENSAIO DE APOPTOSE 9.ANÁLISE MORFOLÓGICA DAS CÉLULAS 10. TESTES IN VIVO (a serem feitos pelos colaboradores, profa. Elisângela Lacerda(UFG) e Denise Crispim - UNIFRAN)
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Alzira Maria Paiva de Almeida

Ciências Biológicas

Microbiologia
  • desenvolvimento e avaliação de antígenos f1 recombinantes de yersinia pestis para o diagnóstico da peste
  • A Yersinia pestis é agente causador da peste, zoonose que afeta humanos e outros mamíferos. Apesar dos avanços tecnológicos e desenvolvimento científico essa doença ainda não pode ser erradicada e representa um sério problema mundialmente. A peste possui a capacidade de causar um impacto significativo na saúde pública e de rápida disseminação podendo gerar uma emergência de saúde pública internacional que exige notificação a OMS segundo o Regulamento Sanitário Internacional vigente. Por isto é necessário uma vigilância constante das áreas focais assim como a disponibilidade de ferramentas de diagnósticos sensíveis, rápidos e eficazes, que facilitem a detecção precoce e o desencadeamento imediato das medidas de tratamento e controle. A maioria das técnicas de diagnóstico da peste emprega o antígeno F1 (fração 1) específico da Y. pestis. A F1 é uma proteína capsular altamente imunogênica para o homem e outros mamíferos. A metodologia atual de produção do F1 é trabalhosa, demorada, com custo elevado e necessita de uma estrutura laboratorial e equipe capacitada para trabalho em NB3. Desta maneira, o desenvolvimento de uma proteína F1 recombinante pode tornar o custo da produção mais baixo, num tempo mais curto, utilizando um laboratório NB1 e um rendimento de produção de proteínas superior. O objetivo do trabalho é desenvolver e otimizar a produção do antígeno F1 recombinante para utilização na metodologia das atividades de diagnóstico, vigilância e controle da peste. Com este intuito o gene estrutural (caf1) da F1 será clonado em vetores plasmidiais e obtidas proteínas F1 recombinantes, purificadas a partir de Escherichia coli. As proteínas recombinantes obtidas serão purificadas utilizando diversas resinas e usadas em ensaios sorológicos ELISA e Hemaglutinação para validação das propriedades diagnósticas do antígeno recombinante. Desta maneira, espera-se que o desenvolvimento da proteína F1 recombinante diminua os custos da produção da proteína nativa atualmente produzida na própria Y. pestis no laboratório NB3, com diminuição do tempo de produção, incremento do rendimento de F1 gerada e utilização de condições de biossegurança mais seguras, visto a produção ser transferida do laboratório NB3 (nativa) para o laboratório NB1 (recombinante)
  • Fundação Oswaldo Cruz - PE - Brasil
  • 01/06/2017-31/07/2021
Foto de perfil

Amanda Posselt Martins

Ciências Agrárias

Agronomia
  • compreendendo a dinâmica de nutrientes em sistemas integrados de produção agropecuária em terras baixas para a sustentabilidade da lavoura arrozeira
  • O atual cenário da produção agrícola não é capaz de sustentar as crescentes demandas, onde necessita-se dobrar a produção global de alimentos até 2050. Nesse contexto, o arroz é uma das culturas agrícolas que merece especial atenção, por ser o alimento básico para cerca de 2,4 bilhões de pessoas. No mundo, o Brasil é o maior produtor fora do continente asiático, sendo o Rio Grande do Sul (RS) responsável por 60% dessa produção. No entanto, a produção de arroz irrigado brasileira tem se mostrado frágil do ponto de vista econômico e ambiental, com baixas margens de lucro ao produtor rural e alto uso de insumos. Embasado no monocultivo do arroz e no pousio hibernal, o sistema produtivo do arroz se mostra praticamente insustentável, com forte impacto negativo no solo e alta dependência do uso de fertilizantes para assegurar altas produtividades. Os sistemas integrados de produção agropecuária (SIPA), também conhecidos como integração lavoura-pecuária, surgem como alternativas viáveis para se intensificar a produção de arroz de forma sustentável. Além da diversificação da renda, esses sistemas proporcionam melhorias no solo e possibilitam produzir com maior ecoeficiência. A partir disso, o objetivo do presente projeto de pesquisa é investigar a dinâmica, no sistema solo-planta-animal-atmosfera, dos três principais macronutrientes de plantas (nitrogênio - N, fósforo - P e potássio - K) em diferentes arranjos de sistemas integrados de produção agropecuária, conduzidos em manejo conservacionista do solo (plantio direto) em terras baixas, visando uma maior sustentabilidade da produção de arroz brasileira, através de seis diferentes estudos. Os estudos serão conduzidos em dois experimentos que testam diferentes arranjos de SIPA no contexto da produção de arroz irrigado, do manejo conservacionista do solo (plantio direto) e das terras baixas, em diferentes locais do RS. O Experimento 1 vem sendo conduzido desde abril de 2013 na Fazenda Corticeiras, localizada no município de Cristal/RS; e, o Experimento 2, vem sendo conduzido desde abril de 2018 na Estação Experimental Integrar-Agrinova, localizada no município de Capivari do Sul/RS. A hipótese de ambos porta sobre o impacto da pastagem introduzida nas rotações agrícolas e a diversidade espacial (intensidade) e temporal (duração) dessas rotações, com o adendo de, no Experimento 2, também haver o uso de diferentes níveis de tecnologia na pastagem (manejo da altura do pasto e adubação). Nos estudos propostos, será investigado(a), nos diferentes SIPA: 1) a resposta, em crescimento e rendimento de grãos, das culturas agrícolas; 2) a produção primária e animal; 3) a resposta a diferentes doses de N e a eficiência de uso de N pelo arroz irrigado; 4) a quantidade e a qualidade da matéria orgânica e dos microrganismos do solo, responsáveis pelo fornecimento de N; 5) a dinâmica temporal de P e K disponíveis no solo e absorvidos pelas plantas; e 6) a distribuição de raízes e de formas de K no perfil do solo. A duração prevista do projeto é de março de 2019 a fevereiro de 2022. Essa pesquisa permitirá o aprofundamento, a atualização e a consolidação dos conhecimentos existentes sobre a dinâmica dos nutrientes do solo em SIPA, com um novo ambiente de abordagem com estudos escassos até então, que são as terras baixas. As informações geradas servirão de base para orientação aos produtores na diversificação de suas propriedades para potencializar a utilização dos recursos naturais de forma sustentável e de subsídio para recomendações de adubação diferenciadas para os SIPA. Uma vez consolidados, esses resultados serão transferidos ao setor produtivo com vistas à sua implantação gradativa, ao menos em parte da vasta área das terras baixas do Rio Grande do Sul que apresenta eficiência de utilização e oportunidade de integração. Como contribuição importante tem-se também a formação de recursos humanos que, no curto e médio prazo, estarão realizando a transferência desse conhecimento no campo. Além disso, a equipe envolvida tem tradição em realizar Dias de Campo (junto aos experimentos), que além da participação de produtores, técnicos e estudantes das mais diversas instituições do Mercosul, tem servido como apoio a ações de fomento a Programas como Agricultura de Baixo Carbono (ABC), cuja capacitação vem beneficiando cooperativas, Sistema SENAR/SEBRAE, BRDE, Banco do Brasil e outras instituições que devem aplicar, ou avaliar sistemas de integração com vistas a acesso a crédito pelo referido Programa ABC. A expectativa é de comparecimento de 300 a 400 participantes em cada evento. Do ponto de vista científico, os resultados obtidos deverão permitir a publicação de pelo menos quatro artigos científicos em revistas internacionais de alto fator de impacto e de pelo menos doze resumos em anais de congressos a partir dos resultados obtidos no presente projeto, além do apoio em teses de doutorado, dissertações de mestrado e atividades de iniciação científica vinculadas.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022