Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Aírton Mendes Conde Júnior

Ciências Biológicas

Morfologia
  • papel de proteinas de proliferação, morte e estrutura celular nas glândulas salivares de camundongos balb/c com leishmaniose visceral
  • O protozoário Leishmania infantum, causador da leishmaniose visceral, se dissemina sistemicamente para propagar-se no macrófago de órgãos internos, principalmente fígado, baço, medula óssea e linfonodos. A leishmaniose está entre as doenças endêmicas negligenciadas prevalentes no Brasil. Diante da importância epidemiológica dos estudos com Leishmania e da necessidade de aprofundar o conhececimento da leishmaniose e sua relação com as glândulas salivares, propõe-se estudar a histologia do parênquima e túbulos das glândulas salivares de camundongos BALB/c experimentalmente infectados com L. infantum chagasi, com enfoque na avaliação da expressão de proteínas de proliferação e morte celular, e matriz extracelular. O projeto encontra-se na fase de apreciação pelo Comissão de Ética do Uso de Animais (CEUA) sob o número de protocolo 506/18. Serão utilizados 64 camundongos isogênicos machos da linhagem BALB/c, provenientes do biotério do Centro Central da Universidade Federal do Piauí/UFPI. Os animais serão divididos aleatoriamente, de forma que haverá a avaliação dos tecidos durante a fase aguda e crônica da doença, concomitantemente aos grupos controles. Após eutanásia dos animais, as glândulas salivares, baço, fígado, linfonodo e medula óssea serão submetidos ao processamento histológico, imunohistoquímica, morfometria e western blotting para a investigação de necrose, expressão de proteínas apoptóticas (Caspase- 3 e Bcl-2), proteínas de proliferação e ativação do ciclo celular (PCNA e Ki-67), e proteínas da matriz extracelular (Colágeno I e clágeno III). Acredita-se na contribuição e ampliação do conhecimento na caracterização da morfofisiologia de glândulas salivares em camundongos BALB/c experimentalmente infectados com leishmaniose visceral, nas diferentes fases de infecção.
  • Universidade Federal do Piauí - PI - Brasil
  • 18/02/2019-28/02/2022
Foto de perfil

Airton Torres Carvalho

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • pragas em abelhas: procurando por doenças e entendendo a química da interação entre meliponini e phoridae
  • Compreender a dinâmica da ocorrência de pragas e doenças em colônias de abelhas sem ferrão é fundamental para o futuro da meliponicultura e para a conservação das espécies. O presente projeto objetiva estudar dois importantes aspectos que limitam a produtividade dessa atividade, que apresenta grande importância ecológica e econômica. Estudaremos a ecologia química da interação entre o principal parasita em Meliponini, a mosca Pseudohypocera kerteszi (Diptera, Phoriade), buscando descobrir quais as pistas químicas utilizadas pelas moscas para encontrar seus hospedeiros. Além de parasitarem os ninhos das abelhas sem ferrão, as moscas são potenciais transmissoras de microrganismos patogênicos. Ainda, é possível que a microbiota das abelhas seja protagonista na produção dos compostos químicos utilizados pelas moscas para encontrar os ninhos. Desta forma, utilizaremos também uma abordagem metagenômica para caracterizar a microbiota em três importantes espécies do gênero Melipona (Apidae, Meliponini) ao logo de um amplo gradiente geográfico, comparando regiões de ocorrência natural das espécies e áreas para onde os ninhos foram translocados, bem como colônias em condições naturais e manejadas. Esperamos descobrir quais substâncias voláteis são utilizadas pelas moscas para encontrar os ninhos no intuito de desenvolver uma armadilha externa ao ninho e que possa controlar as infestações de forideos. Paralelamente, a caracterização da microbiota permitirá identificar microrganismos patogênicos a fim de subsidiar ações de controle e combate a doenças.
  • Universidade Federal Rural de Pernambuco - PE - Brasil
  • 03/07/2018-31/07/2021